Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Complexo vira-lata e a Operação Carne Fraca

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 24/03/2017

“Por ‘complexo de vira-lata’ entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo. O brasileiro é um narciso às avessas, que cospe na própria imagem. Eis a verdade: não encontramos pretextos pessoais ou históricos para a autoestima.” (Nelson Rodrigues)


O dramaturgo Nelson Rodrigues na década de 50 cunhou a expressão “complexo vira-lata”, acima definida, fruto da derrota futebolística da Copa de 1950. Transportando para os nossos dias, há claros indícios de que ainda exercitamos tal complexo de forma muito veemente, sendo o apego à inferioridade uma forma quase ingênua de ser aceito pelo mundo. Neste contexto a Operação Carne Fraca da Polícia Federal se encaixa muito bem, pois as instituições públicas nela envolvidas não tiveram a sensibilidade de compreender que as irregularidades descobertas, se divulgadas de forma sensacionalista, teriam um efeito devastador sobre o setor da carne.   

Em outra oportunidade já escrevi sobre o tema neste espaço, onde havia mencionado o sentimento de inferioridade com alguns fatos ocorridos. A exemplo, durante a Copa do Mundo 2014 foram inúmeras as matérias jornalísticas nacionais que davam conta de que o evento seria um desastre, e que não estávamos preparados e assim por diante. Sem entrar no mérito de tal evento deveria ter sido sediado no Brasil ou não, mas o evento fora do campo de futebol foi um sucesso. Em relação à Olimpíada, o noticiário nacional teve um prazer inexplicável de mostrar de forma quase sádica que não poderia dar certo, seja com a queda da ciclovia, a poluição da Baía de Guanabara, a criminalidade do Rio Janeiro e assim por diante.

Na política e nos escândalos que agora, como nunca antes na história se teve notícia, tem-se também este viés autodestrutivo, pois mostramos para o mundo nossas mazelas, e pior, não é incomum que agentes públicos do País sejam convidados por instituições americanas para palestrar sobre nossa inferioridade, onde investidores do mundo concluem que não somos confiáveis, e por tal razão deixam de investir no Brasil. 

Se olharmos para outras nações, observa-se que elas adotam a política da “roupa suja se lava em casa”, expressão que usamos em nosso dia a dia, e que tem como mensagem de que o País precisa ser capaz de resolver seus problemas, sem que para tanto faça a destruição das coisas boas que a nação possui, e acima de tudo consiga apreender com seus erros.

Cito dois exemplos internacionais emblemáticos, o primeiro diz respeito ao escândalo denunciado por Edward Snowden, que através do Wikileaks, fez uma denúncia muito grave sobre espionagem patrocinada pelo Governo Americano. O que fizeram os americanos? Resolveram não falar sobre o tema e fim de papo. Outro episódio interessante envolveu a empresa alemã Volkswagen, que fraudou os equipamentos de controle de emissão de poluentes. Alguém ainda fala sobre o assunto?

Não estou pregando que devemos colocar a sujeira debaixo do tapete, mas pondero que não podemos continuar o processo de autodestruição que está em curso, sob pena do País continuar historicamente ser avaliado por seus defeitos e não por suas virtudes.