Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Sociedade enferma

Osvino Toillier - 24/03/2017

É impressionante o grau de desestruturação a que chegou a sociedade brasileira atualmente, a ponto de não termos mais vontade de ligar a televisão, porque só vemos tragédia, relatos dramáticos, por conta da violência que se apossou de todos nós.

O que as autoridades fazem é tentar provar, através de estatísticas, que a violência está diminuindo, trazendo mais policiais da força nacional e transferindo do interior para a Capital mais PMs, fragilizando a proteção da população das pequenas cidades para fortalecer os órgãos de segurança da grande região urbana, onde a violência se tornou dramática.

Cabe perguntar: o que aconteceu conosco? Será apenas culpa do atual governo? Por que nos fragilizamos a tal ponto, que temos medo de sair de casa? Perdemos o respeito ao ser humano, à vida? Na verdade, tornamo-nos cada dia mais selvagens!

A conclusão parece óbvia: abandonamos há muito os mais elementares princípios e valores, descuidamo-nos da educação das crianças e jovens, substituímos o ser pelo ter. É por isto que se mata por um celular, por uma jaqueta de couro, que o bandido quer dar à namorada.

Não há remédio que possa resolver tão grave enfermidade! Não há solução a curto prazo. Deixamos o organismo adoecer demais, a doença tomou conta do corpo todo, e nem poderosa quimioterapia vai resolver o problema. Nem proliferação de prisões, nem ampliação da força de segurança, apenas a retomada de valores e princípios fundamentais para recuperar o direito de sentar novamente na frente de casa, o trânsito nas calçadas e o direito de crianças brincarem nas praças.

É a reconstrução do tecido social semelhante ao pós-guerra, quando só havia uma saída: juntar os destroços para abrir as ruas e minimamente organizar os espaços para sobreviver e reconstruir os ambientes para moradia novamente.

Não há solução mágica. É preciso humildade dos governantes para um grande pacto com a sociedade e começar tudo de novo, ouvindo a voz dos sábios.