Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

O PIB brasileiro

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 10/03/2017

A notícia importante desta semana da economia diz respeito à queda de 3,6% do Produto Interno Bruto, seguida de outra queda de 3,8% de 2015. Alguns economistas opinaram que seria a pior crise econômica que o País, atravessou, inclusive pior de que a crise de 1930 e 1931, quando também houve duas quedas sucessivas no PIB nacional.

Com todo respeito aos economistas que manifestam tal entendimento, pois o mesmo é no mínimo equivocado, para não dizer mal intencionado.

O Brasil da década de 20 e 30 de século passado em momento algum pode ser comparado com o que o Brasil representa atualmente no cenário internacional. A crise de 29 atingiu o mundo, com a quebra do bolsa de valores de Nova York, e por consequência os países periféricos como o Brasil, com sua economia baseada na produção de café e extrativismo sendo que a indústria nacional sequer existia.

Se observarmos o crescimento do Brasil nos últimos seis anos, tem-se um crescimento do PIB de 9,5%, o que é um crescimento razoável quando comparado com o dos EUA e da Alemanha, que no mesmo período tiveram um crescimento de 15%, ou a França, que evoluiu 7,4% no seu PIB.

Acrescentando-se ao fato de que já há previsão de crescimento para este ano, resta muito evidente que a atual crise não pode ser comparada com a de 1930, ou da década de 80, que foram crises muito mais sérias, pois o País não tinha as condições estruturais existentes atualmente.

Somente para citar, o setor primário evoluiu de forma muito evidente, sendo que a safra deste ano será a maior do todas da história. A indústria automobilística e de máquinas, a construção civil são atualmente capacidades instaladas que não existiam nas crises anteriores. 

Desta forma, acredito que a crise hoje vivenciada nem de longe tem similitude com as crises acima referidas, sendo que o nascedouro da dificuldade atual encontra sua explicação mais na política do que na economia, razão pela qual a recuperação também depende de uma estabilidade política, o que parece que não será fácil de ser construída.