Edição do dia 18/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Taça Kaiser: Bela Vista fez uma bonita apresentação
ESPORTES - Time amador de Santa Cruz do Sul jogou torneio nacional em Curitiba
Abertura da temporada: Atletas elogiam a estrutura do UniCo
ESPORTES - Trabalhos para 2019 do sub-20 iniciam oficialmente nesta terça-feira, dia 22
Lifasc: Pinheiral larga na frente
ESPORTES - Equipe venceu Juventude na rodada de ida da 2ª fase. São José e Rio Pardinho empatam
Avenida estreia com bom empate em Veranópolis
ESPORTES - Próxima partida alviverde no Gauchão será terça-feira, contra o Brasil de Pelotas
Inep divulga resultado do Enem
EDUCAÇÃO
Sicredi atinge marca de 4 milhões de associados
EMPRESARIAL - Com este marco, instituição financeira cooperativa pioneira no Brasil contribui para a expansão do cooperativismo de crédito no País
Prefeitura deve arrecadar mais de R$ 33 milhões
ECONOMIA - Até o momento já foram contabilizados R$ 19,879 milhões dos pagamentos em cota única e primeira parcela
Negociações do preço do tabaco são suspensas
ECONOMIA - Propostas apresentadas ficaram abaixo da variação do custo de produção
Uergs contará com Agroecologia em Santa Cruz
EDUCAÇÃO - Universidade recebe inscrições pelo Sisu de 22 a 25 de janeiro
Cuidados para não cair em uma fria
GERAL - Especialista dá dicas para planejar as férias e evitar aborrecimentos
Índice que mede atividade da economia no Brasil recua em dezembro
ECONOMIA
Confiança do Consumidor avança 12% em 2018
ECONOMIA - Levantamento mostra que 72% dos brasileiros avaliam a economia de forma negativa
Crianças devem acompanhar os pais na compra
GERAL - Consultor financeiro garante que a criança passa a ter noções básicas de educação financeira
Valor da passagem será definido até o fim do mês
GERAL - Sindicato dos Comerciários e UESC protocolaram junto ao MP ofício solicitando providências sobre o reajuste
Como cuidar dos pets no verão
ESPECIAIS - Saiba as principais precauções com os animais nos dias mais quentes
Operação captura membros da facção Os manos
POLÍCIA
Avenida estreia no 'Gauchão raiz'
ESPORTES - Periquito quer iniciar de forma positiva no Estadual, em Veranópolis
Democracia compreende as diferenças
EDITORIAL - A alternância no poder, entre esquerda e direita, é normal no sistema democrático

Metrô sem cobrador

Osvino Toillier - 03/03/2017

Em 1989, contemplado com bolsa de estudos por dois meses na Alemanha, tive meu primeiro contato com o Velho Mundo. Diretamente do interior para o dito primeiro mundo, choque sem precedentes.

A entidade organizadora do programa desejava confinar-me numa cidade, mas eu preferi circular, morando sempre na casa de professores, o que me permitiu conhecer o país de sul a norte e leste a oeste, assimilando culturas diferentes dentro do mesmo país.

Minha cidade-sede foi Frankfurt e, a partir daí, de trem em todas as direções. Foi aí que me deparei com as conexões de superfície, que cobriam os bairros; os trens regionais para distâncias mais próximas e os de alta velocidade, para grandes distâncias.

Mas nos metrôs de superfície – urbanos – que tive a primeira grande surpresa: comprava-se o bilhete no equipamento automático, na calçada, mas no trem não havia cobrador. Os passageiros entravam e desembarcavam, mas todos haviam adquirido a passagem.

Dia após dia, o mesmo ritual. Até que, no penúltimo dia de nossa permanência, entrou um fiscal e pediu as passagens. Perto de nós, o cobrador flagrou um passageiro que alegou problemas no equipamento onde embarcara. Imediatamente o fiscal disse: “Vamos até lá e conferir. Se você tiver razão, tudo bem. Caso contrário, a multa será de quarenta marcos, como prevê a lei. Em caso de reincidência, você será levado preso até a delegacia”.

Comentei com o professor que nos hospedava, e ele me respondeu: “É isso mesmo, é a consciência do dever, da honestidade. Se nós ludibriarmos a companhia do trem, como vamos cobrar serviço de qualidade”?

Semelhante situação teria ocorrido em Estocolmo: Conta-se que havia, entre muitas catracas normais e comuns, uma de passagem grátis, livre. Então o jovem brasileiro questionou a vendedora de bilhetes o porquê daquela catraca permanentemente liberada, sem nenhum segurança por perto.

Ela, então, explicou que aquela era destinada às pessoas que, por qualquer motivo, não tivessem dinheiro para o bilhete da passagem. 

Com sua mente incrédula, acostumada ao jeito brasileiro de pensar, não conteve a pergunta, que para ele era óbvia: “- E se a pessoa tiver dinheiro, mas simplesmente não quiser pagar”? A vendedora esfregou os olhos límpidos azuis, num sorriso de pureza constrangedora: “- Mas por que faria isso”?

Sem resposta, ele pagou o bilhete e passou pela catraca, seguido da multidão que também havia pago. A catraca livre continuou vazia.