Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES
18,2 mil exemplares foram vendidos
VARIEDADES - Além do sucesso em vendas, o público também compareceu e lotou a Praça Getúlio Vargas

Metrô sem cobrador

Osvino Toillier - 03/03/2017

Em 1989, contemplado com bolsa de estudos por dois meses na Alemanha, tive meu primeiro contato com o Velho Mundo. Diretamente do interior para o dito primeiro mundo, choque sem precedentes.

A entidade organizadora do programa desejava confinar-me numa cidade, mas eu preferi circular, morando sempre na casa de professores, o que me permitiu conhecer o país de sul a norte e leste a oeste, assimilando culturas diferentes dentro do mesmo país.

Minha cidade-sede foi Frankfurt e, a partir daí, de trem em todas as direções. Foi aí que me deparei com as conexões de superfície, que cobriam os bairros; os trens regionais para distâncias mais próximas e os de alta velocidade, para grandes distâncias.

Mas nos metrôs de superfície – urbanos – que tive a primeira grande surpresa: comprava-se o bilhete no equipamento automático, na calçada, mas no trem não havia cobrador. Os passageiros entravam e desembarcavam, mas todos haviam adquirido a passagem.

Dia após dia, o mesmo ritual. Até que, no penúltimo dia de nossa permanência, entrou um fiscal e pediu as passagens. Perto de nós, o cobrador flagrou um passageiro que alegou problemas no equipamento onde embarcara. Imediatamente o fiscal disse: “Vamos até lá e conferir. Se você tiver razão, tudo bem. Caso contrário, a multa será de quarenta marcos, como prevê a lei. Em caso de reincidência, você será levado preso até a delegacia”.

Comentei com o professor que nos hospedava, e ele me respondeu: “É isso mesmo, é a consciência do dever, da honestidade. Se nós ludibriarmos a companhia do trem, como vamos cobrar serviço de qualidade”?

Semelhante situação teria ocorrido em Estocolmo: Conta-se que havia, entre muitas catracas normais e comuns, uma de passagem grátis, livre. Então o jovem brasileiro questionou a vendedora de bilhetes o porquê daquela catraca permanentemente liberada, sem nenhum segurança por perto.

Ela, então, explicou que aquela era destinada às pessoas que, por qualquer motivo, não tivessem dinheiro para o bilhete da passagem. 

Com sua mente incrédula, acostumada ao jeito brasileiro de pensar, não conteve a pergunta, que para ele era óbvia: “- E se a pessoa tiver dinheiro, mas simplesmente não quiser pagar”? A vendedora esfregou os olhos límpidos azuis, num sorriso de pureza constrangedora: “- Mas por que faria isso”?

Sem resposta, ele pagou o bilhete e passou pela catraca, seguido da multidão que também havia pago. A catraca livre continuou vazia.