Edição do dia 20/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Havan é inaugurada em Santa Cruz
GERAL - Filial santa-cruzense abriu pela primeira vez na manhã de hoje
Feriado em Santa Cruz do Sul
GERAL - Saiba como funcionarão os principais serviços nesta sexta-feira, 20
Livro Dois meninos será lançado em Santa Cruz
VARIEDADES
JTI promove a língua inglesa entre colaboradores
GERAL
Equipes da Afubra realizam avaliações nas lavouras atingidas
GERAL
100 anos Sicredi VRP: Solenidade marca os 100 anos
ESPECIAIS
100 anos Sicredi VRP: Programação intensa durante todo o ano
ESPECIAIS
Dia do Contador: A saúde financeira do seu negócio depende dele
ESPECIAIS - Conheça um pouco mais sobre a profissão do contador e sua data comemorativa
Mensagem pelo Dia do Contador
ESPECIAIS - Rugard Kanitz - presidente do Sincotec VARP
Dia do Contador: Conheça os vencedores da 6ª edição do Concurso de Redação Tributação e Cidadania
ESPECIAIS
Preservação da cultura alemã no traje oficial
VARIEDADES
As donas das flores
GERAL - O trabalho delas é cultivar a natureza que enfeita a cidade
Shopping Santa Cruz recebe convidadas para bate-papo
GERAL - Quatro mulheres estarão à frente do evento de troca de experiências
Irmãos de Axé visitam Terreiro de Candomblé na Bahia
GERAL
Galo tem jogos importantes no final de semana
ESPORTES
Copa CFC Celso abre decisão em Linha Santa Cruz
ESPORTES
Assaf encara a Assoeva no Ginásio da Unisc neste sábado
ESPORTES
SCS Skate Contest: um incentivo ao esporte
ESPORTES

O rio da minha infância

Osvino Toillier - 25/02/2017

Quando vejo a superfície de um rio, de uma lagoa, eu me lembro das incríveis experiências de pescaria com meu pai no pequeno rio da minha terra, que era o universo mágico da minha infância. A canoa fora feita pelo pai, e nós, meu irmão e eu, tínhamos a tarefa de levar a embarcação rio acima sábados à tarde para, no domingo de manhã cedo, antes do amanhecer, iniciar a pescaria, descendo suavemente o rio, procurando descobrir onde haveria peixe para poitar a canoa.

E assim, inocentemente, íamos sendo levados pela correnteza mansa do rio, em busca de lambaris e dos nossos sonhos. Enquanto isso, pela estrada que ladeava o rio, deslizavam carroças barulhentas em direção à vila para a missa dominical.

O rio mágico da minha infância concentra o universo poético que esconde vivências impenetráveis. Tenho passado pelas proximidades, mas as águas já não mais as mesmas, as cachoeiras mudaram de curso e possivelmente os peixes mudaram de esconderijo. Meu pai teria certamente muita decepção, se voltássemos a deslizar pela superfície do rio da minha infância. É melhor deixar só na lembrança.

Interessante como vida a fora a gente acaba voltando à infância e, em meio a ternas lembranças, redescobrindo que lá está o paraíso com nossas inocentes utopias que viajavam a bordo dos barquinhos que fabricávamos e que enfrentavam a correnteza do riacho do nosso pátio, e onde podíamos lançar nossas embarcações à prova dos perigos da correnteza.

Somente havia algum perigo em caso de muita chuva e enchente, mas dificilmente o arroio ia além das margens. Como o rio também. E aí fui aprender uma verdade incontestável: o que torna o rio poderoso são suas margens. Isso mesmo! Transportado para a realidade, a metáfora faz sentido: queira ou não, a vida nos impõe limites, margens e, quando o rio as ultrapassa, a enchente transforma tudo em pântano.

O arroio da minha infância está reduzido a um filete de água, e os meus barquinhos já teriam dificuldade em navegar no pouco de água que resta; no rio, igualmente judiado, porque a ganância desmatou as margens a fim de plantar mais alguns pés de milho, com as enchentes se foi o barranco para o fundo do rio, e os poços com os peixes desapareceram. Como vou explicar isto ao meu pai?