Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES
18,2 mil exemplares foram vendidos
VARIEDADES - Além do sucesso em vendas, o público também compareceu e lotou a Praça Getúlio Vargas

O que falar depois de Sygmund Bauman?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 27/01/2017

Foi notícia mundial a morte de Sygmund Bauman, sociólogo que talvez melhor traduziu as complexidades que emolduram as várias faces de nosso tempo. É evidente que Bauman é um daqueles homens que não morrem, apenas deixam a existência física para entrarem na eternidade, e que de tempos em tempos são lembrados por sua genialidade que é atemporal. 

O diagnóstico proposto em várias de suas obras, sobre a volatilidade das relações humanas de nossa época, o que definiu como liquidez, oferece material sociológico, antropológico e filosófico para várias gerações, em especial para aqueles que ainda conseguem sentir um certo desconforto com o mundo que o cerca.

Mas a questão é, o que dizer depois de Bauman? Se concordamos que estamos cada vez mais vulneráveis ao consumo pelo consumo; com a insensibilidade tamanha que fizemos graça nas redes de corpos humanos esquartejados nos presídios do nosso País; com a vulgarização das relações afetivas ao ponto de expor normalmente a mulher em redes sociais, como objetos de uso, sem qualquer sentimento de culpa.

Não há nada simples para ser dito, e muito menos, terei a pretensão de construir um caminho seguro para cruzar este ambiente pantanoso. Mas a roda do tempo não para, e salvo melhor juízo, não há notícia confiável de que o salvador esteja com alguma previsão de baixar na planície da terra, então cabe sim aos homens e mulheres enfrentar a vida como ela é, como já dizia Nelson Rodrigues, por mais espinhosa que seja.

Talvez este seja o primeiro passo a ser dado, uma análise mais realista da vida que temos, olhando ao entorno para tentar divisar o que importa mesmo. Se as relações humanas que ainda mantenho, ou que sobraram, do mundo real, não virtual, estão sendo cultivadas de forma adequada? Se o outro realmente importa? Seja ele filho, pai, mãe, colega, amigo, etc.

Como estamos numa onda narcisista agudizada pelas redes sociais, onde não há limites ao ego, em contrapartida a solidão, como consequência, cobra seu preço, sendo os indicadores sobre o uso de antidepressivos na sociedade contemporânea a confirmação de que algo não anda bem.

Esta atmosfera foi muito bem decifrada por Bauman, e seu legado é ter nos alertado de forma muito contundente, de que a vida pode piorar muito se continuarmos liquidificando a humanidade.