Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

O que falar depois de Sygmund Bauman?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 27/01/2017

Foi notícia mundial a morte de Sygmund Bauman, sociólogo que talvez melhor traduziu as complexidades que emolduram as várias faces de nosso tempo. É evidente que Bauman é um daqueles homens que não morrem, apenas deixam a existência física para entrarem na eternidade, e que de tempos em tempos são lembrados por sua genialidade que é atemporal. 

O diagnóstico proposto em várias de suas obras, sobre a volatilidade das relações humanas de nossa época, o que definiu como liquidez, oferece material sociológico, antropológico e filosófico para várias gerações, em especial para aqueles que ainda conseguem sentir um certo desconforto com o mundo que o cerca.

Mas a questão é, o que dizer depois de Bauman? Se concordamos que estamos cada vez mais vulneráveis ao consumo pelo consumo; com a insensibilidade tamanha que fizemos graça nas redes de corpos humanos esquartejados nos presídios do nosso País; com a vulgarização das relações afetivas ao ponto de expor normalmente a mulher em redes sociais, como objetos de uso, sem qualquer sentimento de culpa.

Não há nada simples para ser dito, e muito menos, terei a pretensão de construir um caminho seguro para cruzar este ambiente pantanoso. Mas a roda do tempo não para, e salvo melhor juízo, não há notícia confiável de que o salvador esteja com alguma previsão de baixar na planície da terra, então cabe sim aos homens e mulheres enfrentar a vida como ela é, como já dizia Nelson Rodrigues, por mais espinhosa que seja.

Talvez este seja o primeiro passo a ser dado, uma análise mais realista da vida que temos, olhando ao entorno para tentar divisar o que importa mesmo. Se as relações humanas que ainda mantenho, ou que sobraram, do mundo real, não virtual, estão sendo cultivadas de forma adequada? Se o outro realmente importa? Seja ele filho, pai, mãe, colega, amigo, etc.

Como estamos numa onda narcisista agudizada pelas redes sociais, onde não há limites ao ego, em contrapartida a solidão, como consequência, cobra seu preço, sendo os indicadores sobre o uso de antidepressivos na sociedade contemporânea a confirmação de que algo não anda bem.

Esta atmosfera foi muito bem decifrada por Bauman, e seu legado é ter nos alertado de forma muito contundente, de que a vida pode piorar muito se continuarmos liquidificando a humanidade.