Edição do dia 19/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Projeto Carinhoso: atração cultural beneficiará a terceira idade
GERAL - Artistas locais levarão arte para casas geriátricas a partir do mês que vem
Samu: Regulação compartilhada deve entrar em operação até o fim do ano
SAÚDE
Campanhas estimulam a Solidariedade
GERAL
Escritora santa-cruzense lança o livro Melodia Perversa
VARIEDADES
Lifasc: Soberania dos visitantes domina
ESPORTES
Municipal Feminino: Muitos gols marcam a rodada
ESPORTES
Santa Cruz luta, mas perde nos pênaltis para o Soledade
ESPORTES
Regional 2019:Trombudo sai na frente nas semifinais
ESPORTES - Nos Aspirantes deu o Formosa contra o Unidos
Amigos do Cinema exibe Tarkovski
VARIEDADES
Associação Pró-Cultura: Vernissage abre última mostra
VARIEDADES
NOVEMBRO ROXO: Exposição dá início às atividades
SAÚDE - Hospital Santa Cruz preparou também palestra e oficina sobre o mês da Prematuridade
Cisvale debate temas expressivos para a região
GERAL
Portal Lunetas e Mercur promovem bate-papo sobre Infâncias
GERAL
Confraria Nativista: Nova diretoria será empossada
GERAL
Comissão Especial da OAB promove eventos para abordar a Reforma da Previdência
GERAL
Vacinação contra o Sarampo: Nova fase começou nesta segunda
SAÚDE
Santa Cruz tem oito escolas paralisadas
EDUCAÇÃO - Em outros sete educandários o atendimento é parcial e em quatro as atividades seguem normalmente
Noite de comemorar o fim do 34º Enart
VARIEDADES - CTG porto-alegrense e Candeeiro de Vera Cruz levaram os principais prêmios

Zygmunt Bauman: humanismo puro

Osvino Toillier - 20/01/2017

Quando partem pessoas que marcaram época pelo legado que deixaram, abre-se enorme vazio para assimilar as ideias e a obra.

Eis que fomos surpreendidos pela morte de Zigmunt Bauman, sociólogo polonês, que dedicou a vida para tentar entender o mundo de hoje, as consequências da pós-modernidade, que ele chamou de 'tempos líquidos', cunhando a  época, em que perdemos as certezas e tivemos de encontrar saídas para as incertezas.

Bauman viveu os horrores da guerra em seu país, foi perseguido por suas posições políticas e como judeu, abrigou-se finalmente em Londres, onde foi professor na London School of Economics e escreveu a maioria de suas obras, entre elas: Modernidade Líquida, Amor Líquido, Tempos Líquidos.

A sua obra ajudou a compreender as transformações das pós-modernidade, que desconstituiu antigos postulados dos tempos do território – fase sólida – quando havia regras e princípios definidos, que davam segurança e afastavam o medo; na passagem para a fase líquida, segundo Bauman, rotinas e padrões se decompõem e dissolvem mais rápido que o tempo leva para moldá-las

Eis a questão central do desafio que estamos vivendo. Não adianta procurar causa única para isso, é o resultado do conjunto de mudanças e transformações a que a humanidade vem assistindo ao longo de décadas, sem condições de evitá-las. As incríveis inovações tecnológicas, mudanças de comportamentos, concepções de sociedade, configuração de família, radicais mudanças educacionais, enfim, abertura de fronteiras, globalização, queda de muros e fronteiras ideológicas, tudo isso trouxe repercussões em todos os campos da atividade humana.

E o que dizer das instituições educacionais: por um lado, sofrendo o impacto de um tempo de instabilidades e incertezas; de outro, com a missão de ser fiel depositária dos valores sagrados da humanidade e guardiã dos princípios que sustentam a dignidade humana.

É certo que nada mais é e será do que foi:  as relações humanas modificaram-se substancialmente, já não se abrem espaços para diálogos generosos e efetivos, os tempos são de pouca tolerância, e a história do bom samaritano é a mais pura realidade. Cercados de parafernália eletrônica, refugiamo-nos em nossos feudos, limitando nossos contatos ao mundo virtual, onde a vida se desdobra à distância, sem maior compromisso e convívio.