Edição do dia 20/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Havan é inaugurada em Santa Cruz
GERAL - Filial santa-cruzense abriu pela primeira vez na manhã de hoje
Feriado em Santa Cruz do Sul
GERAL - Saiba como funcionarão os principais serviços nesta sexta-feira, 20
Livro Dois meninos será lançado em Santa Cruz
VARIEDADES
JTI promove a língua inglesa entre colaboradores
GERAL
Equipes da Afubra realizam avaliações nas lavouras atingidas
GERAL
100 anos Sicredi VRP: Solenidade marca os 100 anos
ESPECIAIS
100 anos Sicredi VRP: Programação intensa durante todo o ano
ESPECIAIS
Dia do Contador: A saúde financeira do seu negócio depende dele
ESPECIAIS - Conheça um pouco mais sobre a profissão do contador e sua data comemorativa
Mensagem pelo Dia do Contador
ESPECIAIS - Rugard Kanitz - presidente do Sincotec VARP
Dia do Contador: Conheça os vencedores da 6ª edição do Concurso de Redação Tributação e Cidadania
ESPECIAIS
Preservação da cultura alemã no traje oficial
VARIEDADES
As donas das flores
GERAL - O trabalho delas é cultivar a natureza que enfeita a cidade
Shopping Santa Cruz recebe convidadas para bate-papo
GERAL - Quatro mulheres estarão à frente do evento de troca de experiências
Irmãos de Axé visitam Terreiro de Candomblé na Bahia
GERAL
Galo tem jogos importantes no final de semana
ESPORTES
Copa CFC Celso abre decisão em Linha Santa Cruz
ESPORTES
Assaf encara a Assoeva no Ginásio da Unisc neste sábado
ESPORTES
SCS Skate Contest: um incentivo ao esporte
ESPORTES

Zygmunt Bauman: humanismo puro

Osvino Toillier - 20/01/2017

Quando partem pessoas que marcaram época pelo legado que deixaram, abre-se enorme vazio para assimilar as ideias e a obra.

Eis que fomos surpreendidos pela morte de Zigmunt Bauman, sociólogo polonês, que dedicou a vida para tentar entender o mundo de hoje, as consequências da pós-modernidade, que ele chamou de 'tempos líquidos', cunhando a  época, em que perdemos as certezas e tivemos de encontrar saídas para as incertezas.

Bauman viveu os horrores da guerra em seu país, foi perseguido por suas posições políticas e como judeu, abrigou-se finalmente em Londres, onde foi professor na London School of Economics e escreveu a maioria de suas obras, entre elas: Modernidade Líquida, Amor Líquido, Tempos Líquidos.

A sua obra ajudou a compreender as transformações das pós-modernidade, que desconstituiu antigos postulados dos tempos do território – fase sólida – quando havia regras e princípios definidos, que davam segurança e afastavam o medo; na passagem para a fase líquida, segundo Bauman, rotinas e padrões se decompõem e dissolvem mais rápido que o tempo leva para moldá-las

Eis a questão central do desafio que estamos vivendo. Não adianta procurar causa única para isso, é o resultado do conjunto de mudanças e transformações a que a humanidade vem assistindo ao longo de décadas, sem condições de evitá-las. As incríveis inovações tecnológicas, mudanças de comportamentos, concepções de sociedade, configuração de família, radicais mudanças educacionais, enfim, abertura de fronteiras, globalização, queda de muros e fronteiras ideológicas, tudo isso trouxe repercussões em todos os campos da atividade humana.

E o que dizer das instituições educacionais: por um lado, sofrendo o impacto de um tempo de instabilidades e incertezas; de outro, com a missão de ser fiel depositária dos valores sagrados da humanidade e guardiã dos princípios que sustentam a dignidade humana.

É certo que nada mais é e será do que foi:  as relações humanas modificaram-se substancialmente, já não se abrem espaços para diálogos generosos e efetivos, os tempos são de pouca tolerância, e a história do bom samaritano é a mais pura realidade. Cercados de parafernália eletrônica, refugiamo-nos em nossos feudos, limitando nossos contatos ao mundo virtual, onde a vida se desdobra à distância, sem maior compromisso e convívio.