Edição do dia 18/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Os últimos dias da 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Confira o que aconteceu nesta semana e o que vai movimentar o fechamento da festa
1ª Semana Lixo Zero: Tudo pronto na programação
GERAL - Objetivo é incluir o município na lista de cidades com o título Lixo Zero, concedida pelo ILZ
Menos barulho nas comemorações de fim de ano
GERAL - Assembleia Legislativa aprovou dois projetos referentes ao uso de fogos de artifício
Evento apresenta o que há de melhor em arquitetura
GERAL - Os ambientes foram decorados por profissionais renomados
Equipe do Colégio Mauá se destaca no Nacional
GERAL
Novo Cabrais: Novas soberanas serão conhecidas nesta sexta
VARIEDADES
Novo Cabrais: Uma história que se constrói a cada dia
GERAL - Município comemora 23 anos de emancipação político-administrativa com desenvolvimento e progresso
Novo Cabrais: Saúde realiza atividade de prevenção
SAÚDE
Novo Cabrais: Feira de Saúde terá palestras sobre depressão e suicídio
SAÚDE - Evento tratará tema que vem em crescente demanda no município e na região e também oferecerá serviços gratuitos
Empregar RS disponibilizará 50 vagas
GERAL
Marcel Knak é o novo coordenador
GERAL - Ele será responsável por atender 23 municípios da região
Fios de Esperança: um ato de amor
GERAL - Projeto voluntário promove a autoestima e melhora a qualidade de vida de pacientes com câncer
Dia do médico: Celebre o profissional que cuida da sua saúde
ESPECIAIS
Dia do pintor: Eles dão mais cor ao nosso mundo
ESPECIAIS
Farsul em Campo: Seminário teve um dia repleto de atividades
GERAL - Evento contou com a participação de aproximadamente 150 pessoas
Pompéia de cara nova
EMPRESARIAL - A loja ampliou o espaço e o mix de produtos
Influencers Live Show: Gravações iniciam na próxima semana
GERAL - O programa vai ao ar a partir do dia 2 de novembro
Entrega de recursos ocorre na próxima terça-feira
GERAL

A violência vulgarizada

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 06/01/2017

Historicamente a humanidade teve na violência como uma arma de manutenção do poder, e preferência de aniquilação do adversário de ocasião. Tal tema foi cotejado pela filósofa Hannah Arendt, que tratou sobre a vulgarização da violência. Aqui em nossas paragens o histórico de colonização foi marcado por sangue de índios e escravos.

Não diferente foram as revoltas internas, como a Mineira, a Pernambucana, e sem esquecer as do Rio Grande, como a Farroupilha e Federalista, esta última teve como principal método de execução do inimigo a degola. 

Faço este preâmbulo para dizer que a violência escancarada que aconteceu no Presídio Anísio Jobim em Manaus retrata de forma emblemática como estamos acostumados e sedados pela indiferença, e isto não é peculiaridade de nossos tempos, o passado acredito que tenha forjado tal insensibilidade. O paradoxal nisto tudo, é de que suspeito se tal massacre tivesse ocorrido em um canil, as manifestações das redes sociais não seguiriam a linha que observei no decorrer da semana. 

Todos os brasileiros sabem as condições deploráveis que encontram-se os presídios. A Digna Ministra Presidente do Supremo Tribunal Federal, operadora do direito há mais de três décadas, não necessita visitar os presídios para saber do caos da nosso sistema prisional. Tal atitude também demonstra de forma muito clara o jogo de cena das autoridades, e aqui no Estado temos um presídio concluído na cidade de Canoas, e outro que foi construído pela comunidade de Lajeado, e entregue ao Estado, e mesmo assim até agora não houve a ocupação de tais estabelecimentos. 

Acredito que seria mais produtivo a Presidente do Conselho Nacional de Justiça, que também é Presidente do STJ, chamar às falas as autoridades responsáveis pela gestão do sistema prisional, pois os exemplos acima referidos são emblemáticos aqui em nosso Estado. Imagino que no País afora tais situações se repitam.

A guerra entre gangues do tráfico também não é algo novo, mas que vem se agravando sobremaneira em razão do Brasil ser hoje o segundo maior consumidor de cocaína do mundo, bem com um corredor para exportação desta droga para EUA e Europa. Não há solução fácil, pois a regra de mercado também prevalece no mundo da ilegalidade, o consumo regula a demanda. Quanto ao consumidores? Bom, isto é tema para outra coluna.