Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Afastar o ódio, isolar os extremistas

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 25/08/2017

O país atravessa seu momento político mais delicado desde a redemocratização na década de 1980. O golpe de 2016 deflagrado pela direita brasileira insuflou as forças negativas e inibiu algo fundamental ao convívio democrático: a capacidade de entendimento mínimo entre forças política adversárias. Os adversários de antes se tratam como inimigos agora. O ódio implode a democracia. 

O Sistema de Justiça, nas suas altas cortes, poderia exercer o papel de frear a exacerbação dos antagonismos, tratando as forças políticas com a mesma régua. O que seus agentes vêm fazendo, todavia, é pôr gasolina no fogo. Condenam uns, deixam soltos outros. Os principais símbolos da Justiça hoje são os juízes Gilmar Mendes e Sergio Moro, os quais já estariam destituídos dos seus cargos tivéssemos instituições sérias. 

O principal alvo do ódio direitista é o PT e suas lideranças, Lula e Dilma. Mas, diferente do que muitos de seus adversários esperavam, o ódio e a intolerância não vêm atingindo apenas a esquerda: estão engolindo a política. Lideranças de centro direita do PSDB e PMDB somem diante de extremistas como Bolsonaro e Doria, que só chamam atenção pelos xingamentos que proferem. Nas eleições de 2018 (se houver) o ódio será levado às telas da TV e esse será mais um duro teste para nossa abalada democracia.

No curto prazo, não há espaço para reconciliações políticas. Mas, é preciso desde já isolar os arautos do ódio. Bolsonaro e Dória precisam ser tratados como o que são: extremistas e intolerantes. Não devem ter apoio dos democratas. O mundo já está confuso demais para ter algum seguidor de Trump na Presidência. 

Para sair do nosso pior momento só há uma saída: reconstruir uma base mínima de confiança entre as forças políticas. Faz-se isso com eleições limpas, em que candidatos de diferentes posições apresentam suas propostas e o povo faz sua escolha. Sem artimanhas para tirar artificialmente algum candidato do páreo. Impedir a candidatura de Lula, por exemplo, será fatal para a retomada da confiança perdida. Somente um vencedor eleito legitimamente terá condições de convocar a nação para retomar o rumo perdido nos últimos anos.