Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

Impactos da tecnologia

Osvino Toillier - 01/09/2017

A gente nem se dá conta dos impactos da tecnologia no contexto em que vivemos. Apenas celebramos os benefícios que ela traz, sem avaliar as repercussões sobre tudo que já existe. Não se trata de apontar apenas as repercussões sobre a atividade humana, as pessoas que serão atingidas, os empregos que serão comprometidos, enfim, a cadeia produtiva que será abalada. 

Tecnologia é o resultado do desenvolvimento humano, do progresso que se impôs ao longo de séculos e décadas. É claro que a automação é resultado fantástico do desenvolvimento tecnológico, mas não é inconsequente. O que antes oportunizava emprego de meses numa fábrica, hoje se reduz a um tempo mínimo, sendo as pessoas dispensadas, com dificuldades de sobrevivência. O estacionamento que empregava diversos funcionários para o controle da operação, hoje se reduz a pouquíssimas pessoas, porque o restante é feito pela máquina, e as pessoas acabam sobrando, perdendo emprego para a tecnologia, que não reclama, não cobra hora-extra. 

Alguém fez uma reflexão interessante sobre alguns fenômenos, tomando como exemplo casos conhecidos:  Netflix não matou a Blockbuster. As multas por atraso o fizeram. 

Uber não acabou com o negócio táxi; o acesso limitado aos táxis e o controle sobre as taxas o fizeram. Apple não acabou com a indústria da música; ser forçado a comprar o álbum inteiro que acabou.  Amazon não acabou com os outros varejistas. A má prestação de serviço e experiências ruins o fizeram. Airbnb não acabou com a indústria hoteleira; disponibilidade limitada e poucas opções de preço estão acabando.

A tecnologia por si só não é o real disruptor. Não ser focado no cliente é a maior ameaça a qualquer negócio. Você já pensou que com o que você trabalha pode estar com os dias contados?

Vivemos num mundo de altos riscos. A qualquer momento nossa atividade pode estar sendo oferecida num novo formato, afetando nossa empregabilidade. Nosso futuro pode estar em risco mais do que percebemos.