Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

As aparências não enganam mesmo

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 28/09/2017

Em maio do ano passado escrito um texto intitulado “ As aparências não enganam”, onde fiz as seguintes avaliações:
“A impressão que temos da vida política nacional, é que estamos diante de uma crise eterna sem data para acabar. Desde a reeleição da Presidente Dilma, ela não conseguiu governar, onde a cada dia seu governo era instado a responder temas imediatos, não havendo qualquer espaço para planejamento de médio ou longo prazo, desde os ajustes com os inúmeros partidos, a pauta indigesta da corrupção e a crise econômica levou a mesma ao processo de Impeachment, resultado que todos conhecemos.”
Passado mais de um ano, a situação somente agravou, o Presidente Temer governa apagando incêndios, e mais interessante, dá a impressão da total despreocupação com todas as acusações que lhe são imputadas. Viaja para Rússia, Alemanha, China e EUA, como se nada estive acontecendo. E o mais interessante, que não há consenso no mundo política sobre o que fazer, e qual o futuro, e se há futuro. Se depender do Presidente e seus comparsas, os danos que causarão a nação e a democracia serão irreparáveis.
 Também há um ano atrás referi o jornalista Jeferson Severino que em 15.12.2015, assim escreveu sobre o Presidente Temer “ que quem melhor definiu sua personalidade obtusa foi o outrora todo-poderoso Antônio Carlos Magalhães, com quem teve alguns entreveros na guerra por posições no reinado tucano: ACM cravou-lhe o apodo de MORDOMO DE VELÓRIO. Referia-se a uma frieza posuda que, a princípio, era usada como uma máscara no tiroteio do dia a dia conflituoso do Congresso.
Agora que saiu dos bastidores, o que fez sua vida toda, TEMER da provas que no poder não há espaço para esconder-se, ao contrário, o poder mais cedo ou mais tarde desnuda a todos, e no caso do Michel Temer estamos tendo a pior amostra do que a política dos coronéis nos legou. O resultado da política de Temer e seus comparsas informam que as diferenças sociais novamente voltaram a crescer, onde políticas públicas de acesso a Educação como Fies e Prouni praticamente deixaram de existir, por alegada falta de recursos, Universidades Públicas sucatadas, escolas técnicas com ameaça de fechamento, enquanto que valores da ordem de 3 bilhões foram destinados para base aliada no Congresso para salvar o Presidente de processo criminal. 
Estava com razão há mais de um anos atrás, as aparências não enganam mesmo.