Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

As aparências não enganam mesmo

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 28/09/2017

Em maio do ano passado escrito um texto intitulado “ As aparências não enganam”, onde fiz as seguintes avaliações:
“A impressão que temos da vida política nacional, é que estamos diante de uma crise eterna sem data para acabar. Desde a reeleição da Presidente Dilma, ela não conseguiu governar, onde a cada dia seu governo era instado a responder temas imediatos, não havendo qualquer espaço para planejamento de médio ou longo prazo, desde os ajustes com os inúmeros partidos, a pauta indigesta da corrupção e a crise econômica levou a mesma ao processo de Impeachment, resultado que todos conhecemos.”
Passado mais de um ano, a situação somente agravou, o Presidente Temer governa apagando incêndios, e mais interessante, dá a impressão da total despreocupação com todas as acusações que lhe são imputadas. Viaja para Rússia, Alemanha, China e EUA, como se nada estive acontecendo. E o mais interessante, que não há consenso no mundo política sobre o que fazer, e qual o futuro, e se há futuro. Se depender do Presidente e seus comparsas, os danos que causarão a nação e a democracia serão irreparáveis.
 Também há um ano atrás referi o jornalista Jeferson Severino que em 15.12.2015, assim escreveu sobre o Presidente Temer “ que quem melhor definiu sua personalidade obtusa foi o outrora todo-poderoso Antônio Carlos Magalhães, com quem teve alguns entreveros na guerra por posições no reinado tucano: ACM cravou-lhe o apodo de MORDOMO DE VELÓRIO. Referia-se a uma frieza posuda que, a princípio, era usada como uma máscara no tiroteio do dia a dia conflituoso do Congresso.
Agora que saiu dos bastidores, o que fez sua vida toda, TEMER da provas que no poder não há espaço para esconder-se, ao contrário, o poder mais cedo ou mais tarde desnuda a todos, e no caso do Michel Temer estamos tendo a pior amostra do que a política dos coronéis nos legou. O resultado da política de Temer e seus comparsas informam que as diferenças sociais novamente voltaram a crescer, onde políticas públicas de acesso a Educação como Fies e Prouni praticamente deixaram de existir, por alegada falta de recursos, Universidades Públicas sucatadas, escolas técnicas com ameaça de fechamento, enquanto que valores da ordem de 3 bilhões foram destinados para base aliada no Congresso para salvar o Presidente de processo criminal. 
Estava com razão há mais de um anos atrás, as aparências não enganam mesmo.