Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Senado 2x0 STF

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 20/10/2017

“Houve um momento em que a maioria de nós brasileiros acreditou no mote de que a esperança tinha vencido o medo. Depois, nos deparamos com a ação penal 470 e descobrimos que o cinismo venceu a esperança. E agora parece se constatar que o escárnio venceu o cinismo”. Ministra Cármen Lúcia do STF, em 25.11.2015, em voto que decidiu a prisão do ex-senador Delcídio do Amaral.

Nas últimas duas semanas que passaram a nação pôde assistir mais um embate entre a Câmara Alta do Legislativo-Senado - versus a mais Alta Corte do Poder Judiciário do País. E o resultado final é de que novamente o Senado impôs sua vontade sobre o Supremo Tribunal Federal, que de forma constrangida julgou procedente a ação que tratava sobre a necessidade do Supremo consultar a Casa Legislativa na hipótese de imposição de alguma restrição penal ao parlamentar no exercício de seu mandato. Diga-se que tal processo foi colocado em pauta pela Ministra Carmen Lúcia em razão do Senado ter se posicionado fortemente contrário a decisão que atingiu o intocável Aécio Neves, proferida em sede de liminar pelo Ministro Edson Fachin.
É importante lembrar que no caso do Senador Renan Calheiros, que havia sido afastado liminarmente de seu cargo pelo Ministro Marco Aurélio Mello, em 05.12.2016, a situação foi ainda pior, pois o Senador não recebeu o oficial de Justiça do Supremo, e negou-se de forma contundente a respeitar a decisão Judicial, que foi providencialmente reformada pelo plenário em 07.12.2016, mantendo Renan na Presidente do Senado, 1 x 0 para o Senado.
Agora, frente a uma nova polêmica, o Supremo dividido ao seu extremo, a Presidente Cármen Lúcia, tão eloquente na prisão do Delcídio, (conforme trecho do voto acima transcrito), votou de forma constrangida e confusa, tendo que inclusive ser auxiliada pelo Decano Celso de Mello, que acabou ditando o voto para a Presidente, sendo que deixou claro em seu voto que não iria apostar em nova desobediência de alguns membros importantes da Câmara Alta, 2 x 0 para o Senado. 
Os episódios acima relatados demonstram de que a Suprema Corte saiu desgastada, em razão de cada membro do colegiado da Corte, interpretar a Carta Constitucional ao seu modo, e a partir de tal visão emitem decisões liminares que colocam os Poderes em choque, o que em nada contribui para a democracia, ao contrário, não pode o Poder Judiciário prometer o que não pode cumprir. As duas decisões acima mencionadas dão a clara dimensão do desgaste que o poder teve.
Já em relação aos fatos que envolvem o Senador Aécio, o Senado demonstrou que o mesmo ainda é muito poderoso, pois revogou a decisão do Supremo, fato talvez inédito na história da República, o que deixa evidente que o tal do pau do Francisco que tanto falam ultimamente nem sempre bate no Chico.