Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Enxugando Gelo

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 03/11/2017

A realidade nacional e mundial tem dado indícios claros de que a guerra contra as drogas ilícitas está quase perdida, onde o alarmante uso de drogas em quase todos os extratos da sociedade tornou algo rotineiro e quase que tolerado pela sociedade. Notícias diárias dão conta de apreensões enormes de drogas em todo o país, mas tal atividade policial é classificada pelas autoridades de estarem “enxugando gelo.”

O questionamento que devemos fazer é: Quais as motivações que levam hordas de jovens e adultos consumirem algo que comprovadamente é autodestrutivo?  Certamente que não há uma explicação para tal fenômeno, mas tenho para mim que há alguns elementos do nosso tempo que contribuem para tal condição, os quais pretendo abordar de forma sucinta no presente texto.
 

O primeiro elemento que considero muito significativo é a solidão dos tempos atuais. Nunca tivemos tantos conhecidos e tão poucos amigos. Não encontramos no outro uma fonte de inspiração. Ao contrário, o problema sempre é o outro, ou melhor, o inferno, como dizia Sartre. Não sei se no passado já tivemos mais amigos, mas certamente tivemos a necessidade antropológica de viver em grupo e se proteger sob pena de sermos dizimados pela natureza ou por outras tribos. Assim, considero que um elemento a ser abordado nos lares, nas escolas e nas instituições em geral é a reaproximação dos indivíduos na compreensão holística, de que uma sociedade melhor somente é possível quando enxergarmos no outro um pouco de nós mesmos.
 

O segundo, e talvez o mais importante, é ter amor próprio, pois não possível acolher o outro se temos dificuldades em aceitar-se com nossas virtudes e defeitos. A ausência deste autocuidado nos leva a atitudes suicidas, onde a droga entra e faz o papel altamente destruidor e que atinge todos do entorno.  Assim é necessário estar alerta para os sinais da autodestruição, em especial saber que a companhia droga é breve e muito desleal.  
 

Desta forma, para vencer o flagelo que atinge a sociedade, além de combater o tráfico, é necessário dar atenção aos consumidores que movimentam o mercado muito lucrativo da droga, quais são as motivações que levam multidões ao consumo frenético de algo sabidamente destrutivo, pois não podemos continuar fabricando gelo e depois de forma inútil tentar secar.