Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Vender uma praça é dificultar a convivência

Um Passo a Mais - João Pedro Schmidt - 03/11/2017

A Prefeitura de Santa Cruz do Sul adotou uma forma totalmente questionável de lidar com as áreas dos loteamentos destinadas ao lazer e convívio: está vendendo áreas em diversos locais para “fazer caixa”. 
Acontece que essa prática não é aceitável. Tanto a legislação dos loteamentos quanto a legislação urbanística, incluindo o Estatuto das Cidades, estabelecem a obrigatoriedade da existência de áreas de uso comum. Porque isso é indispensável à qualidade de vida: é preciso que haja locais para encontrar-se, conversar, brincar, festejar, celebrar.

Vender uma praça em um bairro oriundo de um loteamento é ilegal. Ao menos deveria ser ilegal a todo operador jurídico que considere, afora o caráter público, um fato básico: todos os moradores pagam a área comum ao adquirir um lote. Se o loteador reserva, digamos, cinco terrenos para a praça, esse custo é repassado aos compradores, aos futuros moradores. Na hipótese da praça ser vendida mais tarde, o dinheiro deveria ser restituído aos moradores que a financiaram.

Vender uma área destinada ao lazer, ao esporte ou a uma sede social significa dificultar a convivência. É uma prova de que os gestores nada entenderam sobre qualidade de vida, sobre a geração e fortalecimento de capital social, sobre os benefícios da vida comunitária para a saúde e a economia. É um atestado de visão tacanha sobre a vida urbana.

Bairros não se reduzem a um amontoado de casas. O que confere identidade a um bairro é a vida social que nele acontece, as relações interpessoais. E quanto mais intensa a vida nas ruas, nas calçadas, nas praças, maior é a sensação de segurança, menor o risco de criminalidade. Há vários programas de enfrentamento da violência que se baseiam no princípio da ocupação das ruas, inclusive de madrugada.

O crime e o delito gostam da escuridão e de ruas vazias, não do burburinho de pessoas ocupadas com esportes, lazer e convivência. Os gestores e legisladores municipais fariam bem se atentassem a essas regras básicas de urbanidade.  E tratassem de vender o que é de sua propriedade particular, não o que é de propriedade do povo.