Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Proclamação da República

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 17/11/2017

Nesta semana comemoramos o 128º aniversário da Proclamação da República Brasileira, e que bem sabemos, que a data de 15 de novembro é mais lembrada por ser feriado, do que pela sua representação política e histórica que teve e ainda tem nossa vida.
Em uma breve e sumária análise do momento histórico do final do século XIX, temos presente que o País logo após a abolição da escravatura de certa forma passava para outro estágio civilizatório, pois romper com poder oligárquico de séculos de escravidão e exploração da “terra brasilis”, para um concepção de “res pública”, de fato foi algo fantástico e que deve,  na minha modesta opinião ser lembrado a cada ano, pois este processo de instauração de uma nação republicana é algo permanente, que não se esgota no tempo.
A República Brasileira foi implantada com quase nenhuma resistência da monarquia vigente à época, o que por consequência demostra não ter sido fruto de grande movimentação popular, ao contrário, sua proclamação foi fruto de uma composição de forças militares e civis da classe média e alta,  com influência europeia e americana, que se consolidaram durante o quase todo o século XIX, fruto das revoluções da América do Norte e Francesa, do século XVIII.
Neste contexto, foi escrita a primeira Constituição Republicana do Brasil, em 1891, que foi redigida quase na sua integralidade por Rui Barbosa, que teve como inspiração os fundamentos e princípios da Constituição do Estados Unidos da América. Tal carta também marca oficialmente a separação entre Igreja Católica e Estado, o que na prática levou muito mais tempo,  como bem sabemos, mas foi sem dúvida um novo modo de visualizar a Nação Brasileira, que formalmente naquele momento entrega ao País a seu povo, ao contrário do que representava a monarquia até então.
Por estes elementos acima pinçados, tenho para mim, que 128 anos é tempo muito exíguo para termos um País que todas as Cartas Constitucionais desde então prometeram, mas também deve ser reconhecido que muitos foram os avanços, em especial a consolidação da Democracia que vivemos atualmente, apesar de tudo que assistimos, estamos tendo condições institucionais de suportar os golpes da vida em coletividade, e ao mesmo tempo discutindo o que em outros tempos sequer era possível e permitido pela sociedade. Estes avanços são muito importantes na roda do tempo.
Se observarmos outras nações que inspiraram a formação do Estado Brasileiro, em especial a Portuguesa, a Inglesa e Americana,  em suas experiências longevas também sofrem do atrito da relações políticas, econômicas e sociais, e neste exato momento estão vivendo contradições enormes em seus países, mas nem por isso há relatos de que pessoas destes nações que queiram deixar sua Pátria.
Assim, o pouco mais de um século de República muito mais deu de que tirou da Nação Brasileira, e quando ouço os comentários de brasileiros que pensam de deixar nossa Pátria para viver em outra, tenho para mim que nunca refletiram de o quanto nós avançamos no último século, e que se temos muito a fazer ainda, mas a nossa grama e muito mais verde do que a de muitos vizinhos.