Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

Ao Encontro da Felicidade

Valério Garcia - 17/11/2017

 

Um dos significados da palavra felicidade nos diz que é um momento durável de satisfação, onde o indivíduo se sente plenamente feliz e realizado, um momento onde não há nenhum tipo de sofrimento. Mas qual o valor, o tamanho ou o preço deste sentimento? Como alcançá-lo e onde procurá-lo?
Quando falamos em felicidade o que vem primeiro em nossa cabeça são conquistas materiais que ambicionamos adquirir. Pode ser um carro de luxo, casas, apartamentos, terras enfim, bens materiais que envolvam o tão procurado dinheiro. Muita gente é contra o ditado popular que afirma: “dinheiro não traz felicidade...”; e alguns acrescentam: “...mas compra...”.
Acho que o mais importante é olharmos para o nosso interior e perguntarmos para nós mesmos: o que me trouxe felicidade até agora? Posso mentir para outras pessoas durante algum tempo, mas nunca para mim mesmo! Nossa consciência é o nosso grande juiz e nunca irá nos enganar. Se pararmos para pensar, fomos felizes muitas vezes com poucas coisas. A felicidades anda de mãos dadas com a simplicidade. Sabe o porquê disto? A felicidade é mensurada pela intensidade com que vivemos tal coisa ou fatos que nos tornam felizes, não pela sua quantidade ou materialidade. 
Posso ser muito feliz em um acampamento à beira de um açude rodeado de amigos, rodeado de mosquitos, comendo um peixinho frito, passando até um pouco de frio... e posso ser infeliz sozinho num hotel cinco estrelas, com os melhores pratos e o melhor atendimento que me for oferecido. A felicidade não tem dimensões definidas porque é um estado de espírito; não pode ser quantificada apenas sentida. Outro aspecto importante é que ela deve ser compartilhada com outras pessoas, deve contagiar, pois quanto mais pessoas felizes, melhor para a coletividade. A alegria com a felicidade dos outros, também é um tipo diferenciado de felicidade.
Procuremos incessantemente por esse sentimento pois nossa vida passa muito rápido e não podemos perder tempo com coisas ruins. Viva com responsabilidade mas não leve sua vida tão à sério, afinal de contas, você não irá sair vivo dela.
Bom final de semana.