Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Avanços e retrocessos

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 24/11/2017

O processo de maturação do ato pensar, refletir e agir dos humanos levou milhares de séculos para chegar ao nível de desenvolvimento que alcançamos em nossos dias, mas por incrível que pareça, em certos momentos tem-se a impressão que nossa experiência histórica muito pouco serviu para nos orientar no sentido de o que não fazer, pois o tempo já nos demonstrou que não há caminho único para manter nossa presença na face da terra, mas que os atos individuais norteiam a vontade coletiva.

Se por um lado, avançamos muito em quase todos os ramos do conhecimento científico e tecnológico, por outro, temos também evidente que os efeitos colaterais da pós-modernidade criaram indivíduos com enormes dificuldades de se localizar no espaço e no tempo.
Alguns exemplos interessantes, que para mim colocam em exposição algumas contradições que tenho observado, e que de certa forma demonstram nossa fragilidade frente ao mundo do século XXI, vejamos:  Ainda temos milhões pessoas que morrem por falta de alimentos no mundo, mas nunca tivemos tantos obesos na face da terra, sendo que o mercado que vende produtos para emagrecer cresce a cada ano nos Países desenvolvidos e em desenvolvimento; Nunca se prendeu tantos traficantes no Brasil, sendo que mais de 50% dos presos do nosso País são pessoas que de alguma forma afrontaram a legislação antidrogas. Ao mesmo tempo, o uso de drogas ilícitas pelas “pessoas de bem”, tornou-se algo comum e que não guarda nenhuma responsabilidade por parte do usuário com o mundo do crime e o caos dos presídios. Da mesma forma que há uma onda no Congresso Nacional para a liberação das armas de fogo no País, enquanto que mais da metade dos policiais mortos no País ocorrem quando estão de folga. Se policiais treinados morrem ao reagirem a assaltos, não há dúvida que é uma falácia que com o cidadão comum os índices serão menores. 
Ao que parece, a humanidade de tempos em tempos está fadada a retrocessos que não são justificados de forma coerente, ao contrário, as reações ao que tudo indica são mais instintivas de que racionais, pois ao mesmo tempo que muitos nada tem para comer, outros morrem por excesso, enquanto que as cadeias estão lotadas por traficantes, os usuários viram as costas para tal realidade, e onde armas matam milhares, queremos mais armas nas mãos de pessoas sem habilitação  técnica e emocional para usá-las.