Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Os negócios da China

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 08/12/2017

 

Segundo informa matéria publicada pela BBC Brasil, somente ano passado a China comprou 21 empresas brasileiras, gastando um total de US$ 21 bilhões, sendo 80% deste investimento no setor da energia. 
Tal volume de investimento somente demonstra a capacidade e a voracidade deste gigante Asiático, que apesar de estar plenamente adequado a economia de mercado, mantêm no campo da política o poder centralizado no Partido Comunista, que controla de forma muito forte boa parte das empresas chinesas, sendo que os investimentos  feitos no Brasil estão sendo patrocinados por empresas estatais.
O preâmbulo acima somente serve de sinalizador para os fatos estranhos que estamos vivendo em nosso País. Se de um lado, ao que tudo indicam os movimentos políticos de vários setores da sociedade, estamos frente a uma segunda leva muito profunda de privatização de patrimônios públicos, sob argumento de que o Estado não tem capacidade de gerir, e  que o papel do Estado deve se restringir de cuidar da Saúde, Educação e Segurança.
É evidente que o modelo político/econômico/social da China não serve de modelo para ninguém e muito menos para Brasil, mas não podemos aceitar de forma ingênua o argumento que o papel o Estado se resume ao trinômio Saúde/Educação/Segurança. A velha e já cansada mão invisível do mercado históricamente não deu conta de regular as várias faces de uma economia globalizada, onde cada dia mais, as grandes corporações combinam entre si preços, juros, novas demandas em todos os setores da economia, deste a produção de alimentos, combustíveis, computadores, medicamentos, etc...
A era do conhecimento de certa forma criou uma armadilha, pois nos vende a ilusão de ter direito ao acesso de tudo, mas na realidade a pesquisa e o produto dela tornou-se mercadoria controlada por poucas corporações, na sua grande maioria não estatais, à exceção, é claro da China.