Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

O impacto da inteligência artificial na educação

Osvino Toillier - 16/02/2018

As informações que nos vem dos futurólogos são alucinantes e apavorantes pelas implicações que vão representar tanto na vida produtiva quanto no campo dos empregos. Profissões que vão desparecer e novas que irão surgir começam a trazer inquietações para as escolas sobre o que efetivamente ensinar. Ou talvez melhor: o que os alunos deverão aprender.
É oportuno lembrar este cenário num momento quando as escolas começam a reunir os professores para planejamento do ano letivo e realizam habituais seminários pedagógicos quando todos deveriam debruçar-se sobre esta temática: qual o papel da escola diante do impacto da inteligência artificial? Acho que o grande desafio é cuidar para não preparar os alunos para um mundo que não existe mais.
 As mudanças que vem aí são tão alucinantes, que não conseguimos sequer imaginar as consequências nos diferentes campos da atividade humana. Quem imaginaria que a Kodak perderia completamente o mercado de filmes e papel para imprimir fotos e iria à falência? Da mesma forma, as fitas de filmadoras seriam substituídas por chips de memória, exigindo conversão de antigas produções para podermos assistir aos conteúdos gravados há pouco, sob pena de perdermos memórias afetivas e de valor sentimental.
A escola e o professor estão diante do enorme desafio de se reinventar sem perder a essência. Não se trata de converter a escola num espaço tecnológico, com instalação apenas de tecnologia de última geração, mas com certeza mudar a cabeça das pessoas, sob como agir diante disso. E como fazer isto? Eu penso que é necessário ler muito, pesquisar sobre novos ambientes, visitar escolas inovadoras, abrir espaços para discussão sobre novos cenários, admitir mudanças, sem deletar todas experiências acumuladas.