Edição do dia 19/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Domingo tem Brique da Praça
GERAL
Unisc forma 16ª turma de Medicina
GERAL
Stock: Nelsinho Piquet corre pela primeira vez em Santa Cruz do Sul
ESPORTES - Piloto da equipe Texaco Full Time Sports terá experiência inédita neste fim de semana na pista gaúcha
Edição de inverno do curso Escola de formação de professores tem início na Unisc
EDUCAÇÃO
Audiência pública debate alterações no Plano Diretor
GERAL
Quatro cidades gaúchas
VARIEDADES - Quarta temporada de 'O professor pelado' tem reestreia repaginada
Domingo tem etapa da 5ª Olimpíada Rural
GERAL - Esse será o primeiro compromisso oficial das 14 candidatas a soberanas da 35ª Oktoberfest
Copa Seu Verardi
ESPORTES - Uma semana de treinos no Avenida
Rodada desta sexta vai apontar os semifinalistas
ESPORTES
Em jogo duas vagas no mata-mata da Copa CFC Celso
ESPORTES
Assaf joga nesta sexta-feira em Santa Maria
ESPORTES - Jogo foi alterado em virtude do Grenal neste sábado
Stock Car: Quinta etapa é neste final de semana
ESPORTES - Serão dois dias de atividades sem a companhia da Stock Light
Renomada professora do Serviço Social estará em Santa Cruz
GERAL
Novo Cabrais: Escola lança livro de receitas saudáveis
EDUCAÇÃO
Novo Cabrais: Pimenta visita obras e reafirma apoio ao município
GERAL - Deputado federal participou de almoço e conferiu de perto a pavimentação da Avenida Rodolfo Buss
Ascor e Prefeitura planejam nova exposição
GERAL
Colégio Mauá assume gestão da Escola Criança & Cia
EDUCAÇÃO
Prefeitura anuncia restauração do prédio
GERAL - Marcando a decisão, muda de árvore também foi plantada por alunos da rede de ensino municipal

Perigosas convicções

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 16/02/2018

Na semana que passou, foi noticiado um fato que deixou toda a sociedade do Rio Grande do Sul estarrecida, pois segundo veiculado na imprensa, o Delegado da Polícia Civil, Dr.  Moacir Fermino Bernardo, instruiu todo um inquérito policial com base em suas convicções religiosas, o que acarretou na prisão de 5 pessoas pelo período de um mês, bem como a divulgação de seus nomes em vários meios de comunicação pela suposta prática de esquartejamento de duas crianças em ritual satânico. 
A situação somente não é mais grave em razão da intervenção do titular da Delegacia, Dr. Rogério Baggio Berbicz, que ao retornar das férias,  por várias razões  percebeu que algo muito grave estava acontecendo no inquérito presidido por seu colega, motivo pelo qual determinou novas diligências e concluiu que a investigação efetuada pelo convicto colega estava toda fundamentada em falso testemunho, e também, agora está claro, nas convicções religiosas do policial civil, o que culminou com a soltura dos investigados, e com uma elogiosa entrevista coletiva onde tentou-se reduzir o dano já causado pela autoridade policial totalmente cegada por suas convicções religiosas.
O enredo acima mais parece obras de ficção, não fosse um fato que ocorreu em pleno século XXI, onde as técnicas de inteligência investigativa já há muito superaram, a velha e muito mal usada prova testemunhal em boa parte das investigações criminais. Diga-se que não tem sido incomum no último período fazer uso de delações premiadas para indiciar pessoas que posteriormente sequer são denunciadas, mas tiveram seu nome já divulgado em todos meios de comunicação.  O resultado de tais práticas, com certeza será no futuro a indenização daqueles que foram indevidamente acusados de fatos que nunca tiveram qualquer participação, sendo por consequência, o Estado o responsável pelo pagamento de tais indenizações, retirando dos cofres públicos os parcos recursos existentes.
A situação ocorrida é um ponto fora da linha, pois a convicção religiosa do agente era algo extremado, que foi percebido pelo colega. Mas cabe questionar até que ponto os agentes públicos com poder de prender e soltar conseguem manter-se afastados de suas posições pessoais, seja sobre religião e política? Não faz muito, o Procurador Federal Deltan Dalagnol disse em rede nacional que não tinha provas, mas tinha convicção sobre a responsabilidade do ex-Presidente Lula ser o chefe da quadrilha que saqueou a Petrobras. O resultado disso tudo já se viu no julgamento do dia 24.01, quando o TRF4 aumentou a pena de Lula, mesmo frente a fragilidade da prova existente, onde ficaram patentes as convicções pessoais dos Magistrados, pois fundamentaram a decisão em depoimentos de delatores que obviamente tinham motivo para mentir.
Por essas e outras, a Presunção de Inocência não é mera ficção jurídica grafada no texto Constitucional, e as convicções de quem quer que seja, sempre devem ser vigiadas, pois são muito perigosas.