Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

O temeroso Temer

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 23/02/2018

Desculpas antecipadas pelo trocadilho, mas achei curioso, para não dizer outra coisa. Mas falando sério, o Presidente Temer dá claras demonstrações de que não quer deixar o cargo como fizeram os outros dois vices que assumiram, no caso Sarney e Itamar Franco. As atitudes de Temer deixam claro que no apagar das luzes do seu mandato deseja recuperar sua imagem, como se isso ainda fosse possível.
O exemplo mais simbólico certamente é a intervenção na área da segurança do Rio de Janeiro, onde de forma totalmente desarticulada do dia para noite, o Governo Federal decretou de forma autoritária a intervenção, sob o argumento de que a segurança do estado carioca estaria fora de controle, e para resolver a situação, convoca o Exército para ser o salvador da Pátria. 
Não há nenhuma novidade de que o Rio é violento e já faz muito tempo, e que algumas medidas lá tomadas no decorrer dos últimos anos, em especial as UPPs, foram sim medidas bem sucedidas, se levar em conta o caldo social complexo em foi forjada a cidade do Rio de Janeiro, isto desde a coroa portuguesa ter instaurado a cidade como capital do País. Todos os especialistas em segurança que se manifestaram no decorrer da semana não tiveram dúvida em dizer que o caminho para avançar na área de segurança está distante da missão constitucional do Exército Brasileiro, o que certamente Temer também sabe, mas isto não é o que interessa ao Presidente.
A intenção de Temer é recuperar sua imagem totalmente desgastada por sua atitude de traidor, bem como sua política neoliberal que privatizou tudo que conseguiu até agora, e a estratégia usada é muito simples, o que aliás todos os ditadores sempre fizeram historicamente, primeiro plantaram o medo, e no momento seguinte, apresentaram uma solução mágica, com um misto de força e truculência. 
E na esteira de que há na população uma considerável parcela de pessoas que nutrem um apreço por ditadores, e/ou por discursos ditos de linha dura, sendo o exemplo de Bolsonaro a amostra mais clara. Temer tenta surfar nesta onda, pois acredita que o discurso da força e da truculência sempre terá seus adeptos, e diga, que são os mais fiéis, pois são poucos os casos na história em que torturadores tenham pedido desculpas a suas vítimas, ao contrário, quando não negam, afirmam que o método usado era necessário para salvar o País das mãos do comunismo.
Assim, Temer vai pelo pior caminho para um político em um regime democrático, que é adotar práticas ditatoriais para tentar se salvar. Temos que torcer que o ano passe rápido, pois os fatos indicam que não há limite no ego do Presidente.