Edição do dia 21/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Série Ouro de Futsal: Assaf perde primeira como mandante
ESPORTES - Tricolor jogou em Vale Verde e foi derrotado por 5x3
Copa Cidade Miller define os playoffs
ESPORTES - Competição encerrou a fase classificatória
Aliança goleia São José e cresce na Copa CFC Celso
ESPORTES - Mobilização é pela realização da primeira etapa da Olimpíada Rural, no próximo domingo
Troca de mensagens: Sergio Moro adia ida à Câmara
POLÍTICA - Ministro viajou para os Estados Unidos no último fim de semana e não comparecerá à audiência pública
Seleção feminina cai na prorrogação diante da França
ESPORTES - Brasil foi eliminado nas oitavas de final da Copa do Mundo
Avenida perde nos pênaltis e está fora da Série D
ESPORTES - Caxias classificou-se dentro dos Eucaliptos com vitória nas penalidades por 6 a 5
Brasil goleia Peru e jogará quartas de final na Arena do Grêmio
ESPORTES - Time brasileiro ficou com o primeiro lugar do Grupo A da Copa América
Copa Cidade tem três jogos no final de semana
ESPORTES - Rodada conta com os últimos confrontos da fase classificatória
Patinação: Copa XLise e Festival 25 anos movimentam Poliesportivo
ESPORTES - Evento ocorre neste sábado e movimenta patinadores de todo o Estado
Mais de 10 mil peças para aquecer os cabraisenses
GERAL - Distribuição das roupas arrecadadas ocorreu nesta terça-feira (18) para centenas de famílias moradoras de Novo Cabrais
Lixo eletrônico será recolhido na terça
GERAL - Mutirão da prefeitura vai passar por todas as localidades para coletar os materiais e dar o destino correto aos mesmos
Ipiranga leva a livre e Associação conquista o veterano
ESPORTES - Novo Cabrais conheceu os campeões do municipal de futebol sete, na última sexta-feira, no Centro Desportivo Municipal
Bela Vista e Flamengo jogam nesta sexta
ESPORTES
Copa Feminina: Brasil pega a França
ESPORTES
Série Ouro: Assaf faz parceria e vai jogar em Vale Verde
ESPORTES
Copa América: Diante do Peru, tentativa de reação
ESPORTES - Seleção Brasileira passa por fase de incertezas. Em 1989, time superou dificuldades
São Martinho é campeão em Monte Alverne
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida precisa de vitória simples
ESPORTES - Torcida deverá lotar o Estádio dos Eucaliptos, domingo, às 16h, contra o Caxias, valendo classificação

Mais realista que o rei

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 02/02/2018

A expressão acima de certa forma traduz o sentimento que se teve com o julgamento do ex-Presidente Lula na semana passada. Os julgadores do TRF-4, demonstraram em seus votos redigidos muito antes do julgamento, que não havia nenhuma esperança a ser dada ao apelante.  Os fundamentos arrolados pelos três Desembargadores eram de sintonia sinfônica, onde além de elogiar e enaltecer toda a atuação do Juiz de Primeiro Grau, juiz Sérgio Moro, foram ainda além, pois aumentaram a pena do réu de forma unânime, sem que nenhum dos outros dois julgadores questionasse o relator sobre os critérios de dosimetria da pena, pois como o juiz Moro foi tão elogiado, manter sua sentença na íntegra deveria ter sido consequência lógica. 
O resultado do julgamento não foi surpresa para ninguém, pois como disse o Advogado do ex-presidente Lula,  ficou estampada a enorme vontade de condenar dos Dignos Desembargadores do TRF-4,  que além de desprezarem por completo as alegações de todos os advogados que fizeram sustentação oral, pois os votos já estavam prontos, como se viu na leitura enfadonha dos mesmos, demonstrou para a sociedade não jurídica, que os julgamentos nos tribunais  dispensam a participação dos advogados, pois a sustentação oral é mero ato formal, senão teatral, que nada muda a convicção dos juízes, que já estão com seus votos redigidos. 
Mas o cenário acima é muito mais complexo do que aparenta no primeiro olhar, pois não precisa ser cientista político para compreender que a sentença criminal proferida contra o ex-Presidente Lula, teve como objetivo evidente afastá-lo da corrida eleitoral deste ano. Tanto é, que o julgamento foi antecipado para o mês de janeiro, quando poucos julgamentos ocorrem nos tribunais, pois é sabidamente um dos meses preferidos para as férias dos magistrados e advogados. As motivações que levaram ao julgamento tão célere e unânime, talvez ultrapassem as barreiras jurídicas, e com certeza serão objeto de estudos sociológicos e jurídicos no futuro, sobre o amálgama que forjou e forja as relações de poder da sociedade brasileira. 
Tenho para mim que a convicção dos juízes que julgaram Lula não foi formada nos autos do processo. As decisões contra o ex-presidente Lula deverão continuar, pois, quando a Digna Presidente do STF, Ministra Carmem Lúcia, em jantar informal diz que discutir a questão de prisão para condenados em segundo grau não deverá ser colocada em pauta em razão da condenação do Lula, pois iria apequenar o STF, dá sinal verde para torrente de arbitrariedades que estamos assistindo. Talvez os julgamentos do Renan Calheiros e Aécio Neves, que ocorreram no ano passado e de forma muito célere, (o primeiro por desobediência a ordem judicial e o segundo para rever o afastamento do Senador), tenham elevado em muito o prestígio da Corte Suprema.
Como se observa, a candidatura do Lula, que mesmo após o julgamento continua com altos índices de aprovação, poderá dar lugar uma trágica condição de termos Bolsonaro como alternativa. Não posso acreditar que vamos regredir tanto.