Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

Civilização - 1

Osvino Toillier - 23/03/2018

Estou lendo um livro fantástico cujo título é ‘Civilização’ (de Niall Ferguson, Editora Planeta), um dos brilhantes conferencistas do Fronteiras do Pensamento do ano passado. A obra basicamente analisa a razão por que o Ocidente superou em termos desenvolvimento o Oriente nos últimos quinhentos anos. As razões apontadas pelo autor são os seis novos aplicativos que o Ocidente desenvolveu que o restante do mundo não tinha: competição, direito de propriedade, medicina moderna, poder do consumo e ética do trabalho. Foi um salto à frente dos demais, abrindo rotas globais de comércio.
A leitura é uma brilhante aula sobre o mundo de hoje para compreender o contexto que vivemos e o cenário em que se desdobra o choque de civilizações rivais, cada uma em busca de hegemonia.
Não basta só estudar os grandes conflitos bélicos do século passado, mas compreender as razões que levaram os países a desencadeá-los.
Precisamos nos munir de conhecimento e leituras para compreender os fenômenos do nosso tempo, e não apenas nos deter nos acontecimentos que contam a história do dia a dia.
E a grande pergunta que se deve fazer é em relação ao prognóstico sobre o futuro. O autor se pergunta: estamos vivenciando o fim do mundo ocidental e o advento de uma nova época oriental? Que implicações trouxe o despertar do Renascimento e da Reforma, e a civilização que, impulsionada pela revolução científica e pelo Iluminismo, se espalhou pelo Atlântico e alcançou o apogeu em diversas áreas?
Para compreender as circunstâncias que determinam os fenômenos do nosso tempo, é preciso um olhar para além do horizonte e identificar que elementos se juntam para a configuração do tempo que vivemos.