Edição do dia 15/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Inscrições para processo seletivo encerram na quarta
GERAL
Sicredi Vale do Rio Pardo investirá em usina fotovoltaica própria
EMPRESARIAL
Educadores e estudantes debatem sobre ensino
EDUCAÇÃO
Unisc recebe prêmio Conciliar é Legal
GERAL
Valentine's Day celebra o amor
GERAL
Seminário marca o início do ano letivo no Colégio Mauá
EDUCAÇÃO
Regional de secretários de educação tem nova coordenação
EDUCAÇÃO
Solled recebe mais uma premiação
EMPRESARIAL
Stifa e Souza Cruz realizam assembleia
GERAL
Não é Não! Santa Cruz do Sul abraça campanha contra o assédio
GERAL
Cemas distribuirá preservativos para foliões
SAÚDE
O drama financeiro do setor público
EDITORIAL
O Imposto do pecado (parte 1)
OPINIÃO
Escolas retomam atividades na segunda-feira
EDUCAÇÃO - Serão 11,1 mil crianças que voltam às aulas no próximo dia, 17
Professores e funcionários recebem capacitação
EDUCAÇÃO - Evento aconteceu no Auditório Central da Unisc e Câmara dos Vereadores
Escola Moranguinho: um lugar acolhedor
EDUCAÇÃO
Ano letivo inicia com mudanças
EDUCAÇÃO - Após aprovado o novo pacote de medidas do Governo Estadual, Cpers não descarta novas greves
Decisão de Desbessell desagrada políticos
POLÍTICA - Vereadores dizem que não foram ouvidos sobre CPP contra Crestani e Schneiders

IMPÉRIO DAS DROGAS

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 16/03/2018

Os indicadores policiais que tratam do tema da drogas ilícitas, maconha, crack, cocaína, sintéticas dentre outras em nosso País, dão conta que é um mercado bilionário, que a cada dia atrai para o mundo do tráfico soldados, que via de regra, tem perfil comum de adolescentes e homens jovens, pobres e pouca instrução e vislumbram nesta atividade dinheiro, poder, respeito e talvez até um certo orgulho pessoal por ser temido em sua comunidade. 
O estereótipo acima é a visão do senso comum dos soldados do tráfico onde a morte entre as facções é a forma de manter o domínio do mercado. Mas cabe questionar, quem afinal mantem este negócio fabuloso, que a cada cresce em todo mundo?  
Os investimentos públicos no sentido de conter esta demanda tão latente na sociedade brasileira e mundial tem demonstrado ineficácia. Somente os Estados Unidos, em 2012, gastou um trilhão de dólares em políticas repressivas o que não evitou o aumento no consumo da heroína. 
Mas voltando a pergunta, quem mantêm este mercado? Quando entramos na seara do usuário, o perfil contrasta de forma frontal com o estereótipo dos soldados do tráfico.  
Uma pesquisa do economista Marcelo Neri da Fundação Getúlio Vargas, de 2007, aponta o dedo para uma parcela da elite. Maconha e cocaína no Brasil são bens de luxo, para a população com maior poder aquisitivo. De acordo com o levantamento, o consumidor-padrão de drogas no Brasil é homem, tem entre 20 e 29 anos, é da classe média alta e mora com os pais. Gasta, em média, R$ 45 por mês com drogas (valor de 2007). Também as drogas sintéticas, como extase, LSD e outras certamente estão no mesmo patamar. Segundo a pesquisa, 72% dos usuários tinha renda familiar de mais de R$ 6.000,00 há época. 
As experiências mundiais tem indicado de que criminalização do usuário não tem sido o melhor caminho, e no Brasil a legislação e o judiciário também tem tido tal entendimento. Desnecessário que dizer que prender o indivíduo viciado em drogas em nada resolve o problema deste, e muito menos o problema da sociedade que paga para manter um doente preso.
Como se percebe a problemática posta não é de fácil solução, pois se de um lado o tráfico faz suas próprias leis, de outro, os usuários por motivos variados não parecem ter preocupação com a origem da matéria prima do seu “prazer”.   
Não vou propor aqui a discussão sobre a liberalização das drogas, em razão de sua seriedade, que poderá ser objeto de outro momento, bem como, a abordagem sobre o “status” que mundo artístico tem em relação as drogas, mas apenas tentar dizer que as experiências nacionais em relação ao cigarro e álcool foram bem sucedidas com discussão aberta sobre o tema, devendo aqui destacar do trabalho do Centro de Atendimento Psicossociais/Alcool e Drogas do SUS. 
Não há possibilidade de avanço sobre tema do uso/repressão das drogas ilícitas, se o assunto não entrar nos ambientes familiares e institucionais, mas com a criatividade que resgaste o usuário, mesmo o eventual que é o que melhor paga.