Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

IMPÉRIO DAS DROGAS

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 16/03/2018

Os indicadores policiais que tratam do tema da drogas ilícitas, maconha, crack, cocaína, sintéticas dentre outras em nosso País, dão conta que é um mercado bilionário, que a cada dia atrai para o mundo do tráfico soldados, que via de regra, tem perfil comum de adolescentes e homens jovens, pobres e pouca instrução e vislumbram nesta atividade dinheiro, poder, respeito e talvez até um certo orgulho pessoal por ser temido em sua comunidade. 
O estereótipo acima é a visão do senso comum dos soldados do tráfico onde a morte entre as facções é a forma de manter o domínio do mercado. Mas cabe questionar, quem afinal mantem este negócio fabuloso, que a cada cresce em todo mundo?  
Os investimentos públicos no sentido de conter esta demanda tão latente na sociedade brasileira e mundial tem demonstrado ineficácia. Somente os Estados Unidos, em 2012, gastou um trilhão de dólares em políticas repressivas o que não evitou o aumento no consumo da heroína. 
Mas voltando a pergunta, quem mantêm este mercado? Quando entramos na seara do usuário, o perfil contrasta de forma frontal com o estereótipo dos soldados do tráfico.  
Uma pesquisa do economista Marcelo Neri da Fundação Getúlio Vargas, de 2007, aponta o dedo para uma parcela da elite. Maconha e cocaína no Brasil são bens de luxo, para a população com maior poder aquisitivo. De acordo com o levantamento, o consumidor-padrão de drogas no Brasil é homem, tem entre 20 e 29 anos, é da classe média alta e mora com os pais. Gasta, em média, R$ 45 por mês com drogas (valor de 2007). Também as drogas sintéticas, como extase, LSD e outras certamente estão no mesmo patamar. Segundo a pesquisa, 72% dos usuários tinha renda familiar de mais de R$ 6.000,00 há época. 
As experiências mundiais tem indicado de que criminalização do usuário não tem sido o melhor caminho, e no Brasil a legislação e o judiciário também tem tido tal entendimento. Desnecessário que dizer que prender o indivíduo viciado em drogas em nada resolve o problema deste, e muito menos o problema da sociedade que paga para manter um doente preso.
Como se percebe a problemática posta não é de fácil solução, pois se de um lado o tráfico faz suas próprias leis, de outro, os usuários por motivos variados não parecem ter preocupação com a origem da matéria prima do seu “prazer”.   
Não vou propor aqui a discussão sobre a liberalização das drogas, em razão de sua seriedade, que poderá ser objeto de outro momento, bem como, a abordagem sobre o “status” que mundo artístico tem em relação as drogas, mas apenas tentar dizer que as experiências nacionais em relação ao cigarro e álcool foram bem sucedidas com discussão aberta sobre o tema, devendo aqui destacar do trabalho do Centro de Atendimento Psicossociais/Alcool e Drogas do SUS. 
Não há possibilidade de avanço sobre tema do uso/repressão das drogas ilícitas, se o assunto não entrar nos ambientes familiares e institucionais, mas com a criatividade que resgaste o usuário, mesmo o eventual que é o que melhor paga.