Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES
18,2 mil exemplares foram vendidos
VARIEDADES - Além do sucesso em vendas, o público também compareceu e lotou a Praça Getúlio Vargas

Literatura que transforma

Palestra sobre o 'Todo dia a mesma noite' - Daniela Arbex

A Leitura que Habito - Luana Ciecelski - 02/05/2018

Sempre achei que a literatura tem um poder incrível de nos transformar. Sempre achei que ela nos torna mais humanos, nos dá grandes lições, nos mostra como agir melhor. Nos ensina, basicamente, com as experiências dos outros, com os erros e com os acertos deles. Quando essa literatura é baseada em fatos reais, então, a profundidade desses ensinamentos é ainda maior. E esse é o caso do livro “Todo dia a mesma noite – a história não contada da Boate Kiss”. 

O médico Carlos Dornelles (de pé) deu seu depoimento durante a palestra de Daniela Arbex (sentada à mesa)O médico Carlos Dornelles (de pé) deu seu depoimento durante a palestra de Daniela Arbex (sentada à mesa) Crédito: Luana Ciecelski

Na verdade, eu ainda não o li – não por falta de vontade, mas por falta de oportunidade – e portanto, não quero aqui fazer uma resenha dele. Mas quero falar da palestra da qual participei na noite da última sexta-feira, dia 27 de abril, na Unisc. Esteve por aqui a jornalista e escritora Daniela Arbex, autora do volume. Ela falou, entre outras coisas, do processo de produção desse livro, do papel do jornalismo investigativo – que foi necessário na composição do volume –, e principalmente sobre as histórias contadas nele.

São histórias que partem dos mais variados pontos de vista, conforme explicou Daniela. Profissionais da saúde, Bombeiros, familiares e sobreviventes foram entrevistados. Cada um deles contou o que viu naquela noite, o que sentiu e o que fez. Cinco anos depois, cada um deles pode desabafar. 

O destaque vai para o médico do Samu em Santa Maria, Carlos Dornelles, que participou da palestra e deu seu depoimento ao vivo e a cores. Foi um dos momentos mais emocionantes da noite. Ele próprio emocionado, relembrou o antes e o depois do incêndio, e as centenas de tentativas de salvar vidas. Falou sobre dor e a frustração de não conseguir salvar todos. Outro destaque foi o desabafo do major Gerson da Rosa Pereira, que estava na plateia. 

Atualmente comandante do 6º Comando Regional de Bombeiros Militares de Santa Cruz do Sul, ele era o comandante em Santa Maria na época da tragédia e falou sobre o trabalho que foi feito naquela noite, destacando que nenhum esforço foi negado. Também falou sobre sua própria dor e sobre o peso que ainda carrega consigo por causa do julgamento feito pela mídia. 

Diante de tudo isso, a lição que essa palestra, baseada nessas histórias deixou, foi a mais bonita possível: a de não julgar. Tendemos a fazer isso na hora da dor. Queremos responsabilizar algo ou alguém. Mas se olharmos do ponto de vista dos outros, veremos que eles não são diferentes de nós, e que se erram, erram como nós mesmos. A palestra terminou com aplausos de pé. Terminou com um anfiteatro transformado pelas histórias, pela literatura.