Edição do dia 16/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Prefeitura decreta ponto facultativo dia 26
GERAL
Isnar Amaral estará no Espaço de Vie
GERAL
De olho no futuro do comércio
ECONOMIA
Comerciantes veem futuro positivo
ECONOMIA - Reformas propostas pelo governo Bolsonaro lançam esperança na economia local
Liquidações prometem aquecer as vendas
ECONOMIA
Restaurante da Gruta dos Índios: Novas instalações inauguram nesta quinta-feira
GERAL - Com espaço ampliado, estabelecimento vai preservar a cultura alemã oferecendo alimentos, bebidas típicas e artigos em um só local e fora de época
Cisvale poderá facilitar a abertura de novas agroindústrias
ECONOMIA - Entraves burocráticos que têm tornado demorada a liberação de alvarás poderão acabar
Evento de moda e beleza prepara noite de gala
VARIEDADES
HSC sedia curso do Coren sobre código de ética
SAÚDE
Vamos ajudar a Duda!
VARIEDADES
Colégio Dom Alberto: há 17 anos proporcionando ensino de qualidade
EDUCAÇÃO
Gesc embarcou no último domingo para os EUA
GERAL - Participantes saíram rumo ao Jamboree Mundial que reunirá aproximadamente 45 mil pessoas
Premiados no município serão conhecidos na próxima quinta-feira
EMPRESARIAL
Assembleia vai eleger o novo presidente
GERAL - Concessão da RSC-287 estará em pauta durante a reunião
Bom companheirismo - Permanente Bandeira
OPINIÃO
Aposentadoria Especial e continuidade na função insalubre
OPINIÃO
Sobre a Reforma da Previdência
OPINIÃO
Etapa de Santa Cruz: Piloto argentino retorna à Stock Car
ESPORTES

Literatura que transforma

Palestra sobre o 'Todo dia a mesma noite' - Daniela Arbex

A Leitura que Habito - Luana Ciecelski - 02/05/2018

Sempre achei que a literatura tem um poder incrível de nos transformar. Sempre achei que ela nos torna mais humanos, nos dá grandes lições, nos mostra como agir melhor. Nos ensina, basicamente, com as experiências dos outros, com os erros e com os acertos deles. Quando essa literatura é baseada em fatos reais, então, a profundidade desses ensinamentos é ainda maior. E esse é o caso do livro “Todo dia a mesma noite – a história não contada da Boate Kiss”. 

O médico Carlos Dornelles (de pé) deu seu depoimento durante a palestra de Daniela Arbex (sentada à mesa)O médico Carlos Dornelles (de pé) deu seu depoimento durante a palestra de Daniela Arbex (sentada à mesa) Crédito: Luana Ciecelski

Na verdade, eu ainda não o li – não por falta de vontade, mas por falta de oportunidade – e portanto, não quero aqui fazer uma resenha dele. Mas quero falar da palestra da qual participei na noite da última sexta-feira, dia 27 de abril, na Unisc. Esteve por aqui a jornalista e escritora Daniela Arbex, autora do volume. Ela falou, entre outras coisas, do processo de produção desse livro, do papel do jornalismo investigativo – que foi necessário na composição do volume –, e principalmente sobre as histórias contadas nele.

São histórias que partem dos mais variados pontos de vista, conforme explicou Daniela. Profissionais da saúde, Bombeiros, familiares e sobreviventes foram entrevistados. Cada um deles contou o que viu naquela noite, o que sentiu e o que fez. Cinco anos depois, cada um deles pode desabafar. 

O destaque vai para o médico do Samu em Santa Maria, Carlos Dornelles, que participou da palestra e deu seu depoimento ao vivo e a cores. Foi um dos momentos mais emocionantes da noite. Ele próprio emocionado, relembrou o antes e o depois do incêndio, e as centenas de tentativas de salvar vidas. Falou sobre dor e a frustração de não conseguir salvar todos. Outro destaque foi o desabafo do major Gerson da Rosa Pereira, que estava na plateia. 

Atualmente comandante do 6º Comando Regional de Bombeiros Militares de Santa Cruz do Sul, ele era o comandante em Santa Maria na época da tragédia e falou sobre o trabalho que foi feito naquela noite, destacando que nenhum esforço foi negado. Também falou sobre sua própria dor e sobre o peso que ainda carrega consigo por causa do julgamento feito pela mídia. 

Diante de tudo isso, a lição que essa palestra, baseada nessas histórias deixou, foi a mais bonita possível: a de não julgar. Tendemos a fazer isso na hora da dor. Queremos responsabilizar algo ou alguém. Mas se olharmos do ponto de vista dos outros, veremos que eles não são diferentes de nós, e que se erram, erram como nós mesmos. A palestra terminou com aplausos de pé. Terminou com um anfiteatro transformado pelas histórias, pela literatura.