Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

Impressões da África do Sul

Osvino Toillier - 01/06/2018

O Parque Nacional do Kruger é a maior área protegida de fauna bravia da África do Sul, cobrindo cerca de 2.2 milhões de quilômetros. Está localizado no nordeste do país, nas províncias de Mpumalanga e Limpopo e fazendo fronteira com os distritos moçambicanos de Moamba e Magude, na província de Maputo e Massingir e Chicualacuala. O acesso pode ser por via terrestre (cerca de 5 horas de carro, por excelentes estradas) e via aérea, numa aeronave menor.
Ao chegar na entrada do Parque, todos os veículos passam por inspeção e recebem orientações de segurança, quando se paga também a taxa de 350 Rands para não residentes por pessoa, o que equivale a cerca de R$ 90,00 por pessoa. Para residentes, é a metade do valor. A partir daí acaba o asfalto, e é estrada de chão, por cerca de uma hora até chegar ao hotel Hotel Lukimbi Safari Lodge, com toda infra-estrutura e com as refeições.
As saídas dos roteiros acontecem duas vezes ao dia: uma no amanhecer, por cerca de três horas, voltando para o café; outro sai no final da tarde, voltando para o jantar, com parte final totalmente no escuro, sendo os hóspedes acompanhados por funcionário do hotel armado com fuzil, para assegurar segurança, já que na área do hotel circulam livremente os grandes animais.
Os participantes estão em veículos com dois funcionários do hotel, especialistas nesta função: o motorista (com fuzil) e o guia, que fica sentado em cadeira especial armada em cima do capô, com olhos e ouvidos atentos a qualquer sinal ou movimentação. O veículo está equipado com rádio e permanentemente em contato com os demais grupos, para informar eventual localização de animais que estão procurados para esse momento.
Em determinado instante, a partir de algum sinal evidente, o veículo abandona a trilha e se lança em meio à vegetação para localizar um animal ou um grupo de leões, por exemplo, descansando em meio a uma clareira ou repartindo um caça. O veículo é equipado com potente lanterna para localizar os animais. 
Predominam impalas, cuja população é de cerca de 200.000 no parque, seguindo-se de macacos, leopardos (caçadores solidários), zebras, guinus, guepardos, elefantes, rinocerontes, hipopótamos, leões (que caçam coletivamente), girafas, javalis, crocodilos, hienas, pássaros como abutres, cobras, cujo veneno pode matar em menos de uma hora.