Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Expoagro Afubra 20 anos define tema
GERAL
Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES

A Sociedade do Cansaço

Osvino Toillier - 15/06/2018

Eu venho da atividade da lavoura, demarcada nitidamente pelo nascer e por do sol, tempo possível de trabalho, restando a atividade de tratar os animais e recolher-se para o descanso em casa. Tempo de convívio em família e para eventuais preparativos para o outro dia e descanso.
Pela natureza da atividade, não havia como expandir o trabalho à noite. Hoje em dia, segundo o autor Byung-Chul Han, “o tempo de trabalho que está se universalizando, destrói aquela época celebrativa como tempo de festa”. Cercamo-nos permanentemente com atividades do nosso trabalho em decorrência do uso da tecnologia, que já não nos deixa em paz porque não conseguimos nos desplugar. Somos vítimas e algozes de nós mesmos. O tempo de celebração desapareceu totalmente, e nos deixou abandonados, perguntando pelo sentido do que estamos fazendo.
No dizer do autor, “o hipercapitalismo dissolve totalmente a existência humana numa rede de relações comerciais [...] e transforma todas as relações humanas em relações comerciais. Ele arranca a dignidade do ser humano, substituindo-a pelo valor de mercado”.
E, para concluir, aí vai o arremate do autor: “Esse universo-mercadoria não é mais apropriado para se morar. Ele perdeu toda relação com o divino, para com o sagrado, com o mistério, com o infinito, com o supremo, com o elevado. Perdemos a capacidade de admiração. Vivemos numa loja mercantil transparente, onde nós próprios, enquanto clientes transparentes, somos supervisionados e governados. Já é tempo de rompermos com essa casa mercantil. Já é hora de transformar essa casa mercantil novamente em moradia, numa casa de festas, onde valha mesmo a pena viver”.
Por estas considerações, percebe-se que é preciso cautela com a análise do contexto do mundo de hoje e especialmente do homem pós-moderno, que precisa tomar cuidado com o ritmo alucinante de trabalho com que se envolve, descuidando do seu coração e de um tempo necessário para aquietar-se.