Edição do dia 14/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Classificada: Seleção vence a Itália
ESPORTES - Time brasileiro feminino avançou para as oitavas de final
Prefeito Telmo Kirst anuncia saída do PP
POLÍTICA
Jaqueline na maior liga do atletismo mundial
ESPORTES - Atleta da AMO participou da Diamond League em Rabat, Marrocos
Maurício Scota conquista 4 ouros nos JUGS
ESPORTES - Nadador está classificado para os Jogos Universitários Brasileiros
Mauá traz três primeiros lugares da primeira etapa do Estadual de Ginástica Rítmica
ESPORTES - Alice Silva, Júlia Furtado e Rafaela Cavalheiro conquistaram títulos nas suas categorias
Câmara aprova criação de comissão processante e escolhe membros
GERAL
Computação na Educação lança material didático nesta terça-feira na Unisc
EDUCAÇÃO
OAB promove palestra: Vamos conversar sobre o racismo?
GERAL
Unidos da Villa e Esmeralda fazem o jogo dos líderes do grupo B
ESPORTES - No domingo, Copa Cidade Miller Supermercados teve vitórias do San Lorenzo e Margarida
Lifasc Sub-18: João Alves se isola ainda mais na liderança
ESPORTES - Equipe derrotou o Aliança por 2x0 neste domingo e mantém-se invicto
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Corede/VRP faz renovação da Assembleia
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Cursos de Gastronomia e Nutrição da Unisc promovem prática culinária com alunos do Uniama
GERAL
APAE promove Feijoada
GERAL
Educar-se promove novo encontro para famílias
EDUCAÇÃO
Mais de 1,1 mil candidatos realizam o Vestibular de Inverno da Unisc
GERAL
Com dois jogadores a menos, Avenida arranca empate em Caxias
ESPORTES - Periquito decidirá mata-mata dentro dos Eucaliptos
Santa Cruz empata e está fora da Segundona
ESPORTES - Galo ficou no 0 a 0 com o Guarany, em Bagé
Endurance Brasil: Xandy e Xandinho Negrão continuam líderes
ESPORTES - Pai e filho fecham a terceira etapa de Santa Cruz do Sul com pódio e mantêm a liderança na geral e na categoria GT3

A Democracia dá trabalho

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 03/08/2018

“Imaginemos sob quais aspectos novos o despotismo poderia produzir-se no mundo: vejo uma inumerável multidão de homens símiles e iguais que nada mais fazem que rodar sobre si mesmos, para procurarem pequenos e vulgares prazeres com que saciar a sua alma...Acima deles ergue-se um poder imenso e tutelar que se encarrega por si só de assegurar a usufruto de bens e de velar por sua sorte. É absoluto, minucioso, sistemático, previdente e brando.” Excerto extraído da obra do Norberto Bobbio - O Futuro da Democracia - , onde cita o livro “ A democracia na América” escrito por Alexis de Tocqueville, em 1832.

Já em outras oportunidades neste espaço, abordei o tema sobre a democracia no seu escopo universal e nacional. A citação acima transcrita, se não tivesse sido escrita no século XIX, fruto de um trabalho analítico da Democracia dos Estados Unidos, poderia e pode servir como uma luva em nossos dias. 
Se após a segunda metade do século XX, a democracia de certa forma tornou-se uma unanimidade no mundo ocidental, por outro lado, os sintomas já verificados por Tocqueville, no século XIX, agora criaram uma dimensão e amplitude muito maior, seja pela liquidez das relações sociais travadas entre as pessoas, seja pelo poder exagerado das corporações de todas ordens, que transformam tudo em negócio, aliado ao fato de que a cidadania ativa não faz parte da vida de uma parcela importante dos cidadãos, que com o avanço das tecnologias virtuais, tornaram-se meros consumidores de produtos vulgares e fugazes.
A dimensão que temos da democracia, muitas vezes limita-se ao direito do voto, isto quando não há a objeção ao voto obrigatório.  Votamos a cada dois anos e cumprimos com nosso dever político, e nos intervalores intervalos, alimentamos as redes sociais, falando mal da política e dos políticos. A democracia exige participação ativa, não é algo dado e estanque, e que não sofra as pressões do ambiente econômico, político e social, é assim que tem sido no decorrer dos últimos dois séculos no mundo.
A desconfiança de Tocqueville foi certeira, pois o despotismo pós-moderno traduz-se em total alienação de uma parcela enorme de pessoas, onde o mundo do consumo e pequenos prazeres absorve todas suas energias vitais, num ciclo infinito, tudo muito bem coordenado por forças não muito ocultas.