Edição do dia 18/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

RGE na Praça estará em Santa Cruz nesta terça-feira
GERAL
Lixo eletrônico será recolhido nos bairros
GERAL
Avenida já projeta amistoso contra o Passo Fundo
ESPORTES - Treinador quer diminuir os erros visando a estreia em março
Terreiro realiza festa de Yemanjá
RELIGIÃO
Mantenedora do CVV em Santa Cruz necessita de doações
SAÚDE
Quantas famílias são beneficiadas com aluguel social?
GERAL
Projeto também chega ao CRAS Beatriz
GERAL
Inscrições abertas para a oficina de costura
GERAL
Campanha incentiva doação de órgãos
SAÚDE
HSC abre edital para 2ª chamada da residência médica
SAÚDE
Corte a gordura, não corte os músculos
OPINIÃO
O Imposto do pecado (parte 2)
OPINIÃO
A vida é irônica
EDITORIAL
Amigos do Cinema retorna nesta terça-feira
VARIEDADES
Bailinho da Borges reúne 12 mil foliões
GERAL - Realizado no último sábado, 15, grande público marcou presença com fantasias e adereços carnavalescos
Concurso da prefeitura movimenta Santa Cruz
GERAL - Certame gerou grande fluxo de pessoas e focos de congestionamentos na cidade
NPOR incorpora novos alunos
GERAL - Cerimônia foi realizada na manhã de ontem no Pátio Duque de Caxias
Sinprom projeta ano letivo da categoria
EDUCAÇÃO

Educação e o Meio Rural

Valério Garcia - 10/08/2018

Parece que, finalmente, o homem está se dando conta que o meio ambiente e suas relações com os seres vivos são uma questão de sobrevivência para a espécie humana. Esta acordada já está tardia, mas ainda é tempo de repensarmos tudo aquilo que estamos fazendo com a nossa casa, chamada de Planeta Terra. A palavra Ecologia vem do prefixo grego “oikos” que significa casa e do sufixo “logia” que significa estudo. Estudar Ecologia significa estudar a nossa casa, que nada mais nada menos é, que o nosso planeta. O homem deve saber que é parte e não proprietário.
Somos totalmente dependentes do nosso meio rural, do nosso interior. Estamos acostumados a ouvir que, quando o campo vai bem, a cidade vai bem também. O alimento nosso de cada dia vem diretamente do interior. A agricultura e a pecuária, através de suas mais variadas lavouras e criações, abastecem os mercados e açougues frequentados diariamente por nós. Será que estamos valorizando todo este contexto, ou não estamos nos dando conta disso? 
Para valorizar nosso meio rural se deve conhecer, sentir e ter convivido de alguma forma com seus hábitos e costumes. Outra forma é buscar informações com aqueles que tiveram ou vivem essa realidade. Morei “para fora” como se diz, e tive o prazer e o privilégio de conviver com o homem do campo. Era na divisa de Cachoeira com Caçapava do Sul, local denominado de Lagoão. A BR 290 ficava 7,5km distante de nossa casa. E quando íamos até Cachoeira, percorríamos o caminho no nosso cavalo zaino, ou caminhando! Minha mãe era professora municipal e ia a pé até a Escola para ministrar aulas em turmas multisseriadas. Os alunos também iam caminhando e aqueles que moravam mais distante, o meio de locomoção era uma bicicleta ou cavalo, que também servia para a lide campeira do dia. Outros pegavam carona, mas de carreta ou carroças que percorriam o local naquele horário e itinerário. Ela alfabetizou jovens que são pessoas de sucesso hoje e ninguém ficou traumatizado, ou com alguma sequela daqueles tempos difíceis. Muito pelo contrário: falam com muito orgulho “dos tempos de antigamente”! As pessoas davam mais valor ao suor derramado para suas conquistas. 
A merenda era trazida pelos próprios alunos com o auxílio de toda comunidade. Todo mundo colaborava de alguma forma para ajudar a Escola. Há pouco tempo encontrei um ex-aluno de minha mãe que, com os olhos marejados pelas lágrimas, falou com orgulho e alegria da querida “Escolinha” e da professora Dona Gessi. Agradeço sempre por ter tido a oportunidade de viver essa realidade que só me trouxe mais conhecimento e sabedoria.
A pergunta que deixo aos amigos leitores é a seguinte: ...E hoje como estão as coisas?
Bom final de semana.