Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

O PENSADOR E A PÓS-MODERNIDADE

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 17/08/2018

Vivemos o mundo do agora e do imediato, onde as horas, os dias e os anos passam sem que tomamos verdadeira noção da passagem deste tempo. No lecionar do Zygmunt Bauman (sociólogo polonês), um mundo líquido onde nada é para durar. Esta é a característica dos nossos tempos, onde somos surpreendidos a cada instante com uma nova tecnologia, um novo aplicativo que promete tornar nos melhor. Não temos escolha e muito menos fomos consultados, há uma imposição sutil que não pede para entrar nas nossas vidas.
O comportamento da sociedade contemporânea tem sido objeto de profícuo estudo de Bauman, acima referido, e serve para a realidade de todos que vivem em quase todas as sociedades ocidentais. A lógica perversa de estarmos sempre ocupados com o maior número de futilidades durante todo tempo, inclusive quando dormimos, pois não é incomum que os equipamentos eletrônicos, como celulares e tablets compartilhem o travesseiro de milhões de pessoas. Tal comportamento nos rouba um tempo precioso para pensar e refletir sobre nosso modo de vida, e qual é afinal minha visão de mundo? o quem me inspira? o que me motiva a seguir em frente?
Sob este viés, sempre admirei a escultura “O Pensador”, de Auguste Rodin (1840-1917), que de forma genial faz a representação muito emblemática sobre o exercício do pensamento e seus efeitos colaterais sobre o indivíduo. E talvez em razão desta paradoxalidade que a reflexão impõe sobre ser, onde o sofrimento, as dúvidas, as angústias, os desafios, e a própria existência são silenciosamente  questionadas, fugimos destes momentos e somos presas fáceis para qualquer futilidade que seja apresentada por profissionais que pensaram para nos entreter.
Tenho impressão que o entretenimento em nossos dias é a arma mais poderosa do mundo dos negócios, pois mina toda nossa capacidade de resistência, pois somos meros consumidores de produtos de toda ordem, que cada dia tem seu prazo de validade vencido, para que um novo seja lançado, que uma nova pseudonecessidade seja criada.
Assim, acho que temos um desafio enorme para criarmos uma cultura que nos desconecte por algum tempo durante o dia, e que tal tempo seja exatamente utilizado exclusivamente para refletir sobre o que estamos fazendo nas nossas relações familiares, profissionais, sociais, culturais, em resumo, com nossa vida, quem e por quais razões sou motivado? e se tais motivações tem sido positivas ou não? se ainda tenho sonhos e utopias? e qual a origem de tais objetivos? Ou seja, não há saída para o mundo tão complexo em que vivemos senão gastar parte da nossa energia pensando sobre ele, sob pena de alguma corporação fazer por nós.