Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

O PENSADOR E A PÓS-MODERNIDADE

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 17/08/2018

Vivemos o mundo do agora e do imediato, onde as horas, os dias e os anos passam sem que tomamos verdadeira noção da passagem deste tempo. No lecionar do Zygmunt Bauman (sociólogo polonês), um mundo líquido onde nada é para durar. Esta é a característica dos nossos tempos, onde somos surpreendidos a cada instante com uma nova tecnologia, um novo aplicativo que promete tornar nos melhor. Não temos escolha e muito menos fomos consultados, há uma imposição sutil que não pede para entrar nas nossas vidas.
O comportamento da sociedade contemporânea tem sido objeto de profícuo estudo de Bauman, acima referido, e serve para a realidade de todos que vivem em quase todas as sociedades ocidentais. A lógica perversa de estarmos sempre ocupados com o maior número de futilidades durante todo tempo, inclusive quando dormimos, pois não é incomum que os equipamentos eletrônicos, como celulares e tablets compartilhem o travesseiro de milhões de pessoas. Tal comportamento nos rouba um tempo precioso para pensar e refletir sobre nosso modo de vida, e qual é afinal minha visão de mundo? o quem me inspira? o que me motiva a seguir em frente?
Sob este viés, sempre admirei a escultura “O Pensador”, de Auguste Rodin (1840-1917), que de forma genial faz a representação muito emblemática sobre o exercício do pensamento e seus efeitos colaterais sobre o indivíduo. E talvez em razão desta paradoxalidade que a reflexão impõe sobre ser, onde o sofrimento, as dúvidas, as angústias, os desafios, e a própria existência são silenciosamente  questionadas, fugimos destes momentos e somos presas fáceis para qualquer futilidade que seja apresentada por profissionais que pensaram para nos entreter.
Tenho impressão que o entretenimento em nossos dias é a arma mais poderosa do mundo dos negócios, pois mina toda nossa capacidade de resistência, pois somos meros consumidores de produtos de toda ordem, que cada dia tem seu prazo de validade vencido, para que um novo seja lançado, que uma nova pseudonecessidade seja criada.
Assim, acho que temos um desafio enorme para criarmos uma cultura que nos desconecte por algum tempo durante o dia, e que tal tempo seja exatamente utilizado exclusivamente para refletir sobre o que estamos fazendo nas nossas relações familiares, profissionais, sociais, culturais, em resumo, com nossa vida, quem e por quais razões sou motivado? e se tais motivações tem sido positivas ou não? se ainda tenho sonhos e utopias? e qual a origem de tais objetivos? Ou seja, não há saída para o mundo tão complexo em que vivemos senão gastar parte da nossa energia pensando sobre ele, sob pena de alguma corporação fazer por nós.