Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria
Presidente dos Festejos Farroupilhas destaca a importância da cultura gaúcha
VARIEDADES
Tchê Bistrô e Arte: enaltecendo a tradição gaúcha
VARIEDADES
A força buscada nos versos
VARIEDADES
Cavalos passarão por inspeção antes do desfile
VARIEDADES - Além da Guia de Transporte Animal (GTA), será exigida apresentação de comprovantes para verificar as condições de saúde do animal
CTG de Paredão entregará 500kg em doações
VARIEDADES
Segurança Pública será reforçada em 36 municípios
POLÍCIA - Municípios da região receberão um total de aproximadamente R$ 2 milhões
Assaf vai encarar a Assoeva nas quartas de final
ESPORTES

O PENSADOR E A PÓS-MODERNIDADE

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 17/08/2018

Vivemos o mundo do agora e do imediato, onde as horas, os dias e os anos passam sem que tomamos verdadeira noção da passagem deste tempo. No lecionar do Zygmunt Bauman (sociólogo polonês), um mundo líquido onde nada é para durar. Esta é a característica dos nossos tempos, onde somos surpreendidos a cada instante com uma nova tecnologia, um novo aplicativo que promete tornar nos melhor. Não temos escolha e muito menos fomos consultados, há uma imposição sutil que não pede para entrar nas nossas vidas.
O comportamento da sociedade contemporânea tem sido objeto de profícuo estudo de Bauman, acima referido, e serve para a realidade de todos que vivem em quase todas as sociedades ocidentais. A lógica perversa de estarmos sempre ocupados com o maior número de futilidades durante todo tempo, inclusive quando dormimos, pois não é incomum que os equipamentos eletrônicos, como celulares e tablets compartilhem o travesseiro de milhões de pessoas. Tal comportamento nos rouba um tempo precioso para pensar e refletir sobre nosso modo de vida, e qual é afinal minha visão de mundo? o quem me inspira? o que me motiva a seguir em frente?
Sob este viés, sempre admirei a escultura “O Pensador”, de Auguste Rodin (1840-1917), que de forma genial faz a representação muito emblemática sobre o exercício do pensamento e seus efeitos colaterais sobre o indivíduo. E talvez em razão desta paradoxalidade que a reflexão impõe sobre ser, onde o sofrimento, as dúvidas, as angústias, os desafios, e a própria existência são silenciosamente  questionadas, fugimos destes momentos e somos presas fáceis para qualquer futilidade que seja apresentada por profissionais que pensaram para nos entreter.
Tenho impressão que o entretenimento em nossos dias é a arma mais poderosa do mundo dos negócios, pois mina toda nossa capacidade de resistência, pois somos meros consumidores de produtos de toda ordem, que cada dia tem seu prazo de validade vencido, para que um novo seja lançado, que uma nova pseudonecessidade seja criada.
Assim, acho que temos um desafio enorme para criarmos uma cultura que nos desconecte por algum tempo durante o dia, e que tal tempo seja exatamente utilizado exclusivamente para refletir sobre o que estamos fazendo nas nossas relações familiares, profissionais, sociais, culturais, em resumo, com nossa vida, quem e por quais razões sou motivado? e se tais motivações tem sido positivas ou não? se ainda tenho sonhos e utopias? e qual a origem de tais objetivos? Ou seja, não há saída para o mundo tão complexo em que vivemos senão gastar parte da nossa energia pensando sobre ele, sob pena de alguma corporação fazer por nós.