Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

O NÃO JORNALISMO

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 31/08/2018

Quem acompanhou nesta semana as entrevistas dos candidatos a presidente no JN/Globo, teve a oportunidade ímpar de assistir como não deve ser feito o jornalismo, na minha modesta opinião. Os entrevistadores William Bonner e Renata Vasconcelos demonstraram um total desrespeito com os eleitores, pois ao invés de discutir temas relevantes com o candidatos, optaram por polemizar no que há de mais rasteiro na política, discutindo temas irrelevantes, e pior debatendo com os entrevistados suas opiniões pessoais, que em nada interessam ao eleitor.
Uma empresa de jornalismo, que detêm a concessão pública de canal de televisão, tem o compromisso público de fazer jornalismo informativo, e não tentar impor as convicções de seus proprietários e apresentadores, como se estivessem acima do bem e do mal.
Nas entrevistas que assisti, os entrevistadores falaram mais que os entrevistados, e o pior, não deixavam os entrevistados desenvolver o argumento, pois de forma desrespeitosa interrompiam os candidatos, como se tal atitude também fizesse parte do roteiro do mau jornalismo. Não quero crer que tal atitude foi totalmente impensada, pois o grau ardiloso que movimentou todos os atos desta empresa nos últimos 50 anos, nos dá provas que não há nada de ingênuo em suas atitudes, pois Brizola e Lula são o exemplos mais contundentes, o primeiro que em 1982, quase teve sua vitória ao governo do Rio roubada, e o segundo em 1989, com aquela fraudulenta edição do último debate com Collor, além de tantos outros fatos que poderiam ser elencados.
Mas no caso desta semana, ficou muito evidente que não há qualquer preocupação com temas importantes que vão definir o futuro do Brasil, que sequer foram abordados, como por exemplos: o agronegócio, obras de infraestrutura, empresas nacionais, distribuição de renda, educação, saúde, mercado e relações internacionais, dívida pública interna, déficit, judicialização da política dentre outros tantos. A pauta eram temas rasteiros, que tinham por base algumas declarações feitas no passado pelos candidatos, e que na maioria das vezes eram bobagens, que andam à quilômetros de distância dos temas acima indicados.
Por isto, tenho para mim que as entrevistas até agora realizadas em nada vão ajudar o eleitor a decidir seu voto, ao contrário, fica a impressão, como se de forma proposital, se tivesse a intenção de mediocrizar ainda mais o mundo da política, e quanto mais idiota pareça o candidato, mais suscetível ele seja a chantagem em uma eventual vitória no pleito, algo que já estamos cansados de assistir nas últimas décadas.