Edição do dia 16/11/2018

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Assembleia reuniu cerca de 200 pessoas
RELIGIÃO - Evento aconteceu nesta quinta na Diocese em Santa Cruz do Sul
Dívidas do Estado e do IPE-Saúde prejudicam os hospitais gaúchos
SAÚDE
Painel marca 10 anos de publicações sobre racismo na região
VARIEDADES - No dia 19, ocorre o 2º Fórum Consciência Negra: Relações Raciais e Educação
Idosos de Santa Cruz participam da 15ª Convenção da Maturidade Ativa Sesc
VARIEDADES
Milhares de alunos participam do Viva Unisc
GERAL - O evento teve o objetivo de apresentar os cursos oferecidos, a infraestrutura e serviços da universidade
Semana de solenidades no Batalhão
VARIEDADES
Tá na Hora debate os rumos da economia do País
ECONOMIA
Encontro de Formação da Juventude acontece na Efasc
GERAL
Respeita as Minas é a nova música das Predominas
VARIEDADES - A letra aborda a importância da leitura e do conhecimento e presta uma homenagem à Francine Ribeiro
Vovó conta histórias
VARIEDADES
HSC promove evento de Humanização e de Segurança do Paciente
SAÚDE - Organização é do Grupo de Trabalho de Humanização e pelo Núcleo Interno de Gerenciamento de Risco do Paciente
Governo cubano deixará o Programa Mais Médicos
SAÚDE - A medida foi tomada após exigências do presidente eleito Jair Bolsonaro
Artes e Tradição se encontram em Santa Cruz
ESPECIAIS
CTG Lanceiros é Santa Cruz na Força A
VARIEDADES
Chegou a hora de conhecer o campeão dos aspirantes
ESPORTES - Decisão do Vale do Castelhano é neste sábado, em Alto Paredão
Genoma joga partidas decisivas neste fim de semana
ESPORTES - Entidade participa das semifinais do Regional e do Gaúcho, nas categorias de base
Lifasc: Empate marca super clássico na Copa CenterTech Informática
ESPORTES - Linha Santa Cruz e Pinheiral ficaram no 1x1. Também houve empate entre São José e Rio Pardinho
Regional 2018
ESPORTES - Trombudo e Saraiva fazem jogo de ida

Era uma vez a caligrafia - 1

Osvino Toillier - 31/08/2018

Num olhar para o passado de nossas vidas, lembramos com certeza uma disciplina chamada caligrafia: a arte da escrita bonita, com motricidade fina desenvolvida, habilidade treinada desde as primeiras letras, em caderno de linha dupla, tudo alinhado no maior capricho. Primeiro o lápis, depois com pena especial, abastecida no tinteiro e letra caprichosamente secada com mata-borrão.
Não se ficava só na letra cursiva, mas avançava-se em estilos mais sofisticados: letra ronde, com pena bico de pato, letra gótica, com desenho aprimorado das letras. Com tinta nanquim.
E a exposição desses trabalhos mais aprimorados, junto com outros trabalhos manuais, era a glória dos melhores talentos em caligrafia, rivalizando espaço com as demais obras de arte, inclusive, carrinhos em madeira, réplica dos finos modelos de carros da época.
Mas voltemos à caligrafia: era mais do que uma disciplina, era a arte de caligrafar, cujos vestígios se estenderiam para a vida inteira: letra bonita!
Mário Corso, psiquiatra gaúcho, escreveu recentemente sobre isso: “O senso comum já colocou a caligrafia no reino dos hábitos em extinção. O teclado seria uma evolução, e talvez no futuro as crianças não sejam iniciadas na arte da escrita manual. Afinal, para que serviriam horas de domesticação da motricidade fina? Porém os caminhos do nosso cérebro são mais complexos do que os pragmáticos imaginam. Caligrafia não melhora apenas o desenho das letras, ela está ligada, posteriormente, ao aumento da velocidade e fluência na leitura e na fala. É um exercício que treina o cérebro para a intimidade com os símbolos. Experimentos clínicos revelaram conexões impensáveis entre a escrita manual, desenho, e outras aptidões verbais”.