Edição do dia 16/11/2018

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Assembleia reuniu cerca de 200 pessoas
RELIGIÃO - Evento aconteceu nesta quinta na Diocese em Santa Cruz do Sul
Dívidas do Estado e do IPE-Saúde prejudicam os hospitais gaúchos
SAÚDE
Painel marca 10 anos de publicações sobre racismo na região
VARIEDADES - No dia 19, ocorre o 2º Fórum Consciência Negra: Relações Raciais e Educação
Idosos de Santa Cruz participam da 15ª Convenção da Maturidade Ativa Sesc
VARIEDADES
Milhares de alunos participam do Viva Unisc
GERAL - O evento teve o objetivo de apresentar os cursos oferecidos, a infraestrutura e serviços da universidade
Semana de solenidades no Batalhão
VARIEDADES
Tá na Hora debate os rumos da economia do País
ECONOMIA
Encontro de Formação da Juventude acontece na Efasc
GERAL
Respeita as Minas é a nova música das Predominas
VARIEDADES - A letra aborda a importância da leitura e do conhecimento e presta uma homenagem à Francine Ribeiro
Vovó conta histórias
VARIEDADES
HSC promove evento de Humanização e de Segurança do Paciente
SAÚDE - Organização é do Grupo de Trabalho de Humanização e pelo Núcleo Interno de Gerenciamento de Risco do Paciente
Governo cubano deixará o Programa Mais Médicos
SAÚDE - A medida foi tomada após exigências do presidente eleito Jair Bolsonaro
Artes e Tradição se encontram em Santa Cruz
ESPECIAIS
CTG Lanceiros é Santa Cruz na Força A
VARIEDADES
Chegou a hora de conhecer o campeão dos aspirantes
ESPORTES - Decisão do Vale do Castelhano é neste sábado, em Alto Paredão
Genoma joga partidas decisivas neste fim de semana
ESPORTES - Entidade participa das semifinais do Regional e do Gaúcho, nas categorias de base
Lifasc: Empate marca super clássico na Copa CenterTech Informática
ESPORTES - Linha Santa Cruz e Pinheiral ficaram no 1x1. Também houve empate entre São José e Rio Pardinho
Regional 2018
ESPORTES - Trombudo e Saraiva fazem jogo de ida

A força de um discurso delirante

Samuel Machado - 11/09/2018

Um livro bastante interessante para refletir sobre as eleições de 2018 é Psicologia das massas e análise do eu, de Sigmund Freud, originalmente publicado em 1921. Nele, o pai da psicanálise descreve “massa” como sendo um grande grupo de pessoas sujeitas ao mesmo efeito psicológico e que, portanto, reagem psicologicamente de maneira coletiva.
Segundo ele, esse grande grupo se reconfigura de tempos em tempos e reforça seus laços coletivos em momentos em que a atmosfera sociopolítica parece ruir. Ou seja, diante de crises, sua estratégia é enaltecer uma correspondência afetiva específica, numa zona com limites bem definidos. Ao mesmo tempo, os componentes desse grande grupo passam a partilhar um inimigo em comum (um homem, uma etnia, uma classe, um partido etc.). Via de regra, sua pauta discursiva consiste em execrar esse “culpado pela crise e decadência moral que atingem a sociedade”.
Concomitante a esse fenômeno, surge outro, destacado pelo filósofo alemão Theodor Adorno, em seu texto A Teoria freudiana e o modelo fascista de propaganda, de 1957: trata-se da exaltação de um “pequeno grande homem”, um sujeito que encarna os anseios libidinais do grupo. De fala bastante simples, esse sujeito vai “direto ao ponto”, “sem dó, sem piedade”, convertendo-se, aos poucos, em uma persona onipotente. Mesmo com uma tática de repetição de um palavreado clichê, consegue fazer do improvável algo crível.
Outra característica do pequeno grande homem é que, diante de uma plateia, ele prefere não responder aos questionamentos e argumentos de seus opositores. Prefere, antes, dar um espetáculo: fugir do assunto por meio de frequentes falatórios ad personam, que consistem em ofender o seu opositor e desestabilizá-lo emocionalmente. Com isso, ele arranca aplausos da massa e estabelece nela um efeito psicológico de “verdade”; sua aura se nutre de um poder misterioso que alimenta um magnetismo sobre os espíritos; sua força torna-se um mecanismo de transmissão de emoções e crenças que contagia, tal como vermes em multidões.
A fixação de um grande grupo por um pequeno grande homem resulta da mistura de medo e esperança, incluindo aquela que sustenta o anseio por um Poder Superior de amparo – uma afecção que não poucas vezes culminou em ilusões políticas. 
Se estamos vivendo um cenário semelhante a este, o que esperar? Creio que dialogar ou debater sobre a força descomunal de personagens políticos, quase que messiânicos, sobre as possíveis consequências de sua ascensão etc., é algo imprescindível. Porém, esse empenho de reflexão por vezes tem se mostrado perigoso, na medida em que encoraja ainda mais os ressentimentos.