Edição do dia 19/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Abertas as inscrições para Agricultura Familiar da 35ª Oktoberfest e Feirasul 2019
VARIEDADES
Colégio Mauá é campeão da Taça RS de Ginástica Rítmica
ESPORTES
Prefeitura abre novo prazo para propostas de parklets
GERAL
Domingo tem Brique da Praça
GERAL
Unisc forma 16ª turma de Medicina
GERAL
Stock: Nelsinho Piquet corre pela primeira vez em Santa Cruz do Sul
ESPORTES - Piloto da equipe Texaco Full Time Sports terá experiência inédita neste fim de semana na pista gaúcha
Edição de inverno do curso Escola de formação de professores tem início na Unisc
EDUCAÇÃO
Audiência pública debate alterações no Plano Diretor
GERAL
Quatro cidades gaúchas
VARIEDADES - Quarta temporada de 'O professor pelado' tem reestreia repaginada
Domingo tem etapa da 5ª Olimpíada Rural
GERAL - Esse será o primeiro compromisso oficial das 14 candidatas a soberanas da 35ª Oktoberfest
Copa Seu Verardi
ESPORTES - Uma semana de treinos no Avenida
Rodada desta sexta vai apontar os semifinalistas
ESPORTES
Em jogo duas vagas no mata-mata da Copa CFC Celso
ESPORTES
Assaf joga nesta sexta-feira em Santa Maria
ESPORTES - Jogo foi alterado em virtude do Grenal neste sábado
Stock Car: Quinta etapa é neste final de semana
ESPORTES - Serão dois dias de atividades sem a companhia da Stock Light
Renomada professora do Serviço Social estará em Santa Cruz
GERAL
Novo Cabrais: Escola lança livro de receitas saudáveis
EDUCAÇÃO
Novo Cabrais: Pimenta visita obras e reafirma apoio ao município
GERAL - Deputado federal participou de almoço e conferiu de perto a pavimentação da Avenida Rodolfo Buss

A força de um discurso delirante

Samuel Machado - 11/09/2018

Um livro bastante interessante para refletir sobre as eleições de 2018 é Psicologia das massas e análise do eu, de Sigmund Freud, originalmente publicado em 1921. Nele, o pai da psicanálise descreve “massa” como sendo um grande grupo de pessoas sujeitas ao mesmo efeito psicológico e que, portanto, reagem psicologicamente de maneira coletiva.
Segundo ele, esse grande grupo se reconfigura de tempos em tempos e reforça seus laços coletivos em momentos em que a atmosfera sociopolítica parece ruir. Ou seja, diante de crises, sua estratégia é enaltecer uma correspondência afetiva específica, numa zona com limites bem definidos. Ao mesmo tempo, os componentes desse grande grupo passam a partilhar um inimigo em comum (um homem, uma etnia, uma classe, um partido etc.). Via de regra, sua pauta discursiva consiste em execrar esse “culpado pela crise e decadência moral que atingem a sociedade”.
Concomitante a esse fenômeno, surge outro, destacado pelo filósofo alemão Theodor Adorno, em seu texto A Teoria freudiana e o modelo fascista de propaganda, de 1957: trata-se da exaltação de um “pequeno grande homem”, um sujeito que encarna os anseios libidinais do grupo. De fala bastante simples, esse sujeito vai “direto ao ponto”, “sem dó, sem piedade”, convertendo-se, aos poucos, em uma persona onipotente. Mesmo com uma tática de repetição de um palavreado clichê, consegue fazer do improvável algo crível.
Outra característica do pequeno grande homem é que, diante de uma plateia, ele prefere não responder aos questionamentos e argumentos de seus opositores. Prefere, antes, dar um espetáculo: fugir do assunto por meio de frequentes falatórios ad personam, que consistem em ofender o seu opositor e desestabilizá-lo emocionalmente. Com isso, ele arranca aplausos da massa e estabelece nela um efeito psicológico de “verdade”; sua aura se nutre de um poder misterioso que alimenta um magnetismo sobre os espíritos; sua força torna-se um mecanismo de transmissão de emoções e crenças que contagia, tal como vermes em multidões.
A fixação de um grande grupo por um pequeno grande homem resulta da mistura de medo e esperança, incluindo aquela que sustenta o anseio por um Poder Superior de amparo – uma afecção que não poucas vezes culminou em ilusões políticas. 
Se estamos vivendo um cenário semelhante a este, o que esperar? Creio que dialogar ou debater sobre a força descomunal de personagens políticos, quase que messiânicos, sobre as possíveis consequências de sua ascensão etc., é algo imprescindível. Porém, esse empenho de reflexão por vezes tem se mostrado perigoso, na medida em que encoraja ainda mais os ressentimentos.