Edição do dia 14/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Unisc divulga listão dos aprovados no Vestibular de Inverno
GERAL
Classificada: Seleção vence a Itália
ESPORTES - Time brasileiro feminino avançou para as oitavas de final
Prefeito Telmo Kirst anuncia saída do PP
POLÍTICA
Jaqueline na maior liga do atletismo mundial
ESPORTES - Atleta da AMO participou da Diamond League em Rabat, Marrocos
Maurício Scota conquista 4 ouros nos JUGS
ESPORTES - Nadador está classificado para os Jogos Universitários Brasileiros
Mauá traz três primeiros lugares da primeira etapa do Estadual de Ginástica Rítmica
ESPORTES - Alice Silva, Júlia Furtado e Rafaela Cavalheiro conquistaram títulos nas suas categorias
Câmara aprova criação de comissão processante e escolhe membros
GERAL
Computação na Educação lança material didático nesta terça-feira na Unisc
EDUCAÇÃO
OAB promove palestra: Vamos conversar sobre o racismo?
GERAL
Unidos da Villa e Esmeralda fazem o jogo dos líderes do grupo B
ESPORTES - No domingo, Copa Cidade Miller Supermercados teve vitórias do San Lorenzo e Margarida
Lifasc Sub-18: João Alves se isola ainda mais na liderança
ESPORTES - Equipe derrotou o Aliança por 2x0 neste domingo e mantém-se invicto
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Corede/VRP faz renovação da Assembleia
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Cursos de Gastronomia e Nutrição da Unisc promovem prática culinária com alunos do Uniama
GERAL
APAE promove Feijoada
GERAL
Educar-se promove novo encontro para famílias
EDUCAÇÃO
Mais de 1,1 mil candidatos realizam o Vestibular de Inverno da Unisc
GERAL
Com dois jogadores a menos, Avenida arranca empate em Caxias
ESPORTES - Periquito decidirá mata-mata dentro dos Eucaliptos
Santa Cruz empata e está fora da Segundona
ESPORTES - Galo ficou no 0 a 0 com o Guarany, em Bagé

O teste da Democracia Brasileira

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 21/09/2018

O ano de 2018 será talvez o mais emblemático da vida democrática do País, eis que estamos frente a uma crise com precedentes já vividos, mas que guarda peculiaridades muito singulares, em razão do momento histórico vivenciado, que por óbvio, é singular, tendo no fracionamento social, político, religioso e cultural a atmosfera para a tempestade perfeita, como gostam de falar os sociólogos.
Senão vejamos, no campo religioso, há uma guerra silenciosa entre crenças cristãs de várias vertentes, que além de serem fontes importantes de geração de receitas aos seus proprietários, é inegável sua expansão na política partidária e ocupação de legislativos e executivos, onde pautas neopentecostais estão muito presentes, e temas importantes como aborto, liberdade sexual, e pesquisas científicas muitas vezes são tratadas como dogmas que muito pouco tem contribuído para a sociedade. 
Já no cenário político, o avanço do caricato Bolsonaro, demonstra por si só a fragilidade do valor da democracia, pois não é segredo para ninguém minimamente lúcido de que não se constrói uma Pátria com ódio por seus compatriotas, por mais que não se concorde com suas posições. A forma raivosa e violenta muito característica dos afetos a ditaduras ganha espaço em uma sociedade fragmentada, onde o discurso de autoridade dos que se auto intitulam “homens de bem”, atinge seu objetivo ao dar a falsa impressão na promessa de porto seguro, onde a truculência é o método para atingir seus fins.
Os meios de comunicação de massa, internet, redes sociais dão vazão a uma miríade de informações desencontradas, onde um viés anti-estatal é regra, sendo o processo de venda do patrimônio público visto de forma tão “ingênua e pueril”, como se não houvesse qualquer interesse econômico multinacional envolvido.  A venda do sistema elétrico nacional, de ativos da Petrobras, os aeroportos lucrativos entregues para multinacionais, a destruição de empresas nacionais importantes sob o argumento de passar o País a limpo, são exemplos do novo colonialismo que estamos enfrentando, e que não é objeto de maior debate nacional. 
A fragilidade das figuras políticas importantes, deram lugar a judicialização da política e da gestão pública, são também efeitos colaterais de nossos tempos, onde os controles institucionais necessários na democracia são aparelhados como organizações justiceiras, sem qualquer compromisso com o Estado/Nação, onde operações policiais/judiciais são deflagradas de forma voluntariosa, que causam enormes prejuízos aos setores produtivos.
E nesta complexidade social, estamos caminhando para uma eleição nacional, que foi, e está sendo gestada sob todos os tormentos acima elencados, o que irá colocar a prova o regime democrático conquistado a duras penas pela geração que nos antecedeu. Temos compromisso moral com esta geração de homens e mulheres que lutaram pela democracia na década de 80.