Edição do dia 14/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Prefeito Telmo Kirst anuncia saída do PP
POLÍTICA
Jaqueline na maior liga do atletismo mundial
ESPORTES - Atleta da AMO participou da Diamond League em Rabat, Marrocos
Maurício Scota conquista 4 ouros nos JUGS
ESPORTES - Nadador está classificado para os Jogos Universitários Brasileiros
Mauá traz três primeiros lugares da primeira etapa do Estadual de Ginástica Rítmica
ESPORTES - Alice Silva, Júlia Furtado e Rafaela Cavalheiro conquistaram títulos nas suas categorias
Câmara aprova criação de comissão processante e escolhe membros
GERAL
Computação na Educação lança material didático nesta terça-feira na Unisc
EDUCAÇÃO
OAB promove palestra: Vamos conversar sobre o racismo?
GERAL
Unidos da Villa e Esmeralda fazem o jogo dos líderes do grupo B
ESPORTES - No domingo, Copa Cidade Miller Supermercados teve vitórias do San Lorenzo e Margarida
Lifasc Sub-18: João Alves se isola ainda mais na liderança
ESPORTES - Equipe derrotou o Aliança por 2x0 neste domingo e mantém-se invicto
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Corede/VRP faz renovação da Assembleia
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Cursos de Gastronomia e Nutrição da Unisc promovem prática culinária com alunos do Uniama
GERAL
APAE promove Feijoada
GERAL
Educar-se promove novo encontro para famílias
EDUCAÇÃO
Mais de 1,1 mil candidatos realizam o Vestibular de Inverno da Unisc
GERAL
Com dois jogadores a menos, Avenida arranca empate em Caxias
ESPORTES - Periquito decidirá mata-mata dentro dos Eucaliptos
Santa Cruz empata e está fora da Segundona
ESPORTES - Galo ficou no 0 a 0 com o Guarany, em Bagé
Endurance Brasil: Xandy e Xandinho Negrão continuam líderes
ESPORTES - Pai e filho fecham a terceira etapa de Santa Cruz do Sul com pódio e mantêm a liderança na geral e na categoria GT3
Pinheiral leva o bicampeonato no Futebol Sete Master da Lifasc
ESPORTES - Equipe derrotou o Linha Santa Cruz na decisão, por 4x3 de virada, em partida eletrizante

Breve ensaio sobre a luz e a escuridão

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 05/10/2018

No próximo domingo o País irá fazer mais uma comemoração ao regime democrático, onde o exercício livre do voto tem representação emblemática suprema, onde cada cidadão vale um voto. Tal momento deve ser comemorado e respeitado por todos os democratas de um País, pois em tempos idos tal forma de manifestação cidadã sequer existia, pois o País foi tomado por uma ditadura que suprimiu direitos coletivos e individuais, o que causou efeitos colaterais que ainda são percebidos de forma muito aguda em nossa sociedade.
Quando comemoramos os 30 anos da Constituição de 88, que jogou luz sobre a escuridão que durou 24 anos, deveríamos ter a certeza de que já teríamos extirpado qualquer sentimento autoritário que pudesse ser patrocinado pelo Estado. Mas os embates eleitorais tem demonstrado que ainda temos um enorme desconhecimento sobre o que ocorreu nos anos de chumbo, pois pessoas de boa-fé foram contaminadas por um discurso de ódio, que chega ao absurdo de achar “normal” um candidato ensinar uma criança de colo a empunhar uma arma.
Se há descontentamento com tudo que ocorreu no último período no mundo da política nacional, tal incomodo certamente é fruto do acesso à informação que o regime democrático propiciou aos cidadãos brasileiros. Na história republicana brasileira, nunca houve tanta informação disponível em todos os meios de comunicação sobre todos os escândalos ocorridos. Ou seja, foi a democracia que nos ofereceu tal franquia informativa, o que era algo impensável durante a ditadura. Não preciso enumerar quantas pessoas desapareceram durante o regime, e que até hoje seus familiares choram por eles. Quanto a corrupção daquele período, pouco pode se falar, pois não deixaram rastros e muito menos registros, pois a imprensa, ministério público, polícia federal e judiciário muito pouco ou quase nada podiam ou queriam fazer.
Desta forma, quando agora o discurso moralista volta à tona, como já ocorreu em 1954, e levou a morte de Getúlio, ou em 1964, quando mais de 1 milhão de brasileiros foram as ruas na marcha da família com Deus pela liberdade, e os levou a ditadura. Com certeza pessoas de boa-fé, ao menos na sua maioria, que foram enganadas, dentre as quais cito os grandes juristas, como Sobral Pinto e Paulo Brossard, que logo após o golpe retiraram seu apoio ao regime, pois perceberam que haviam sido ludibriados por um discurso fascista travestido de moralista.
Portanto, nossa experiência histórica e democrática não irá permitir que sejamos encobertos pela escuridão que tanto mal fez a nação no passado recente, e que os 30 anos de vida da Constituição cidadã ilumine a mente e a alma da cidadania brasileira, onde seja possível acreditar que é possível construir uma sociedade lúcida o suficiente, que não cede espaço para a truculência e o fascismo patrocinado pelo Estado.