Edição do dia 15/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Inicia mais um Enart
GERAL - A 34ª edição do evento reúne em Santa Cruz do Sul os apaixonados pela cultura gaúcha
ACI: Gabriel Borba é aclamado presidente
GERAL - Ele estará à frente da entidade junto com o vice, César Cechinato, para o biênio 2020-2021
Copa Lisaruth 20 anos tem segunda rodada
ESPORTES
Cestinha Sesi/Unisc disputa o 2º turno das semifinais
ESPORTES
O Avenida ainda não confirmou a sua participação na Divisão de Acesso
ESPORTES
Dia de confirmar classificação
ESPORTES
Regional 2019: Fim de semana tem clássico em Vale do Sol
ESPORTES
Solled Energia ganha o principal prêmio brasileiro do setor
EMPRESARIAL
Secult abre novo prazo para cadastro de entes culturais
VARIEDADES
Marista São Luís é destaque e traz prêmios a Santa Cruz Do Sul
ESPORTES - Somente no Maristão, realizado em Porto Alegre, Colégio conquistou sete premiações
Excelsior: Casa do Cliente foi inaugurada
EMPRESARIAL
Por mês, operação do Rapidinho gera 94 mil advertências
GERAL - Valores ficam pendentes no sistema e precisam ser regularizados pelos usuários
Disputa das finais inicia neste sábado
ESPORTES - Campeões serão conhecidos após jogos de ida e volta nas categorias veterano, feminino e livre
Saúde recebe R$ 150 mil da Câmara
SAÚDE
Mostra do Cerest tem trabalho desenvolvido em Novo Cabrais
GERAL
Palestra debate o Direito sucessório do cônjuge e da união estável
GERAL
Persuasão interna é o caminho para a alta performance
GERAL
Reforma da Previdência é tema de curso
GERAL

Breve ensaio sobre a luz e a escuridão

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 05/10/2018

No próximo domingo o País irá fazer mais uma comemoração ao regime democrático, onde o exercício livre do voto tem representação emblemática suprema, onde cada cidadão vale um voto. Tal momento deve ser comemorado e respeitado por todos os democratas de um País, pois em tempos idos tal forma de manifestação cidadã sequer existia, pois o País foi tomado por uma ditadura que suprimiu direitos coletivos e individuais, o que causou efeitos colaterais que ainda são percebidos de forma muito aguda em nossa sociedade.
Quando comemoramos os 30 anos da Constituição de 88, que jogou luz sobre a escuridão que durou 24 anos, deveríamos ter a certeza de que já teríamos extirpado qualquer sentimento autoritário que pudesse ser patrocinado pelo Estado. Mas os embates eleitorais tem demonstrado que ainda temos um enorme desconhecimento sobre o que ocorreu nos anos de chumbo, pois pessoas de boa-fé foram contaminadas por um discurso de ódio, que chega ao absurdo de achar “normal” um candidato ensinar uma criança de colo a empunhar uma arma.
Se há descontentamento com tudo que ocorreu no último período no mundo da política nacional, tal incomodo certamente é fruto do acesso à informação que o regime democrático propiciou aos cidadãos brasileiros. Na história republicana brasileira, nunca houve tanta informação disponível em todos os meios de comunicação sobre todos os escândalos ocorridos. Ou seja, foi a democracia que nos ofereceu tal franquia informativa, o que era algo impensável durante a ditadura. Não preciso enumerar quantas pessoas desapareceram durante o regime, e que até hoje seus familiares choram por eles. Quanto a corrupção daquele período, pouco pode se falar, pois não deixaram rastros e muito menos registros, pois a imprensa, ministério público, polícia federal e judiciário muito pouco ou quase nada podiam ou queriam fazer.
Desta forma, quando agora o discurso moralista volta à tona, como já ocorreu em 1954, e levou a morte de Getúlio, ou em 1964, quando mais de 1 milhão de brasileiros foram as ruas na marcha da família com Deus pela liberdade, e os levou a ditadura. Com certeza pessoas de boa-fé, ao menos na sua maioria, que foram enganadas, dentre as quais cito os grandes juristas, como Sobral Pinto e Paulo Brossard, que logo após o golpe retiraram seu apoio ao regime, pois perceberam que haviam sido ludibriados por um discurso fascista travestido de moralista.
Portanto, nossa experiência histórica e democrática não irá permitir que sejamos encobertos pela escuridão que tanto mal fez a nação no passado recente, e que os 30 anos de vida da Constituição cidadã ilumine a mente e a alma da cidadania brasileira, onde seja possível acreditar que é possível construir uma sociedade lúcida o suficiente, que não cede espaço para a truculência e o fascismo patrocinado pelo Estado.