Edição do dia 22/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Avenida empata pela segunda vez no Gauchão
ESPORTES - Periquito cedeu igualdade para o Brasil de Pelotas. Próximo jogo é domingo contra o Caxias, fora
Unisc divulga listão dos aprovados no curso de Medicina
GERAL
Secretaria de Esporte promove 1º Santa Cruz Kangoo Fest
ESPORTES
Seminário Internacional com inscrições abertas
EDUCAÇÃO
Centro de Cultura será revitalizado
VARIEDADES
Estão abertas as inscrições de produções audiovisuais de todo o RS para o 6º CineSerra
VARIEDADES
RS pede a suspensão de reajuste de juízes, promotores e defensores
POLÍTICA - Governador faz reunião de emergência e detalha crise financeira
Desenvolvimento Regional
GERAL - Unisc e Unitau promovem Doutorado Interinstitucional
Processos de cassação do direito de dirigir cresceram em 2018 no RS
GERAL
Denúncias aumentam entre dezembro e março
GERAL - Fiscalização já emitiu mais de 100 notificações sobre terrenos baldios em janeiro
As tensões na agenda
OPINIÃO
A educomunicação, o jornal e a sala de aula
OPINIÃO
Produção e difusão do conhecimento: estratégia propulsora para inovação
OPINIÃO
Dia do Aposentado: Passo a passo, a evolução da Previdência
ESPECIAIS
Apopesc investe para atrair novos associados
ESPECIAIS
Santa Cruz já pode ter cemitérios privados para animais
GERAL - A partir de agora cabe a empresas interessadas abraçar a causa
Gauchão 2019: Avenida recebe o Brasil de Pelotas
ESPORTES - Periquito, que vem de empate na primeira rodada em Veranópolis, enfrenta Xavante hoje à noite, nos Eucaliptos
Crítica à perpetuação no poder
EDITORIAL - O caso da Venezuela evidencia as consequências da ditadura

Breve ensaio sobre a luz e a escuridão

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 05/10/2018

No próximo domingo o País irá fazer mais uma comemoração ao regime democrático, onde o exercício livre do voto tem representação emblemática suprema, onde cada cidadão vale um voto. Tal momento deve ser comemorado e respeitado por todos os democratas de um País, pois em tempos idos tal forma de manifestação cidadã sequer existia, pois o País foi tomado por uma ditadura que suprimiu direitos coletivos e individuais, o que causou efeitos colaterais que ainda são percebidos de forma muito aguda em nossa sociedade.
Quando comemoramos os 30 anos da Constituição de 88, que jogou luz sobre a escuridão que durou 24 anos, deveríamos ter a certeza de que já teríamos extirpado qualquer sentimento autoritário que pudesse ser patrocinado pelo Estado. Mas os embates eleitorais tem demonstrado que ainda temos um enorme desconhecimento sobre o que ocorreu nos anos de chumbo, pois pessoas de boa-fé foram contaminadas por um discurso de ódio, que chega ao absurdo de achar “normal” um candidato ensinar uma criança de colo a empunhar uma arma.
Se há descontentamento com tudo que ocorreu no último período no mundo da política nacional, tal incomodo certamente é fruto do acesso à informação que o regime democrático propiciou aos cidadãos brasileiros. Na história republicana brasileira, nunca houve tanta informação disponível em todos os meios de comunicação sobre todos os escândalos ocorridos. Ou seja, foi a democracia que nos ofereceu tal franquia informativa, o que era algo impensável durante a ditadura. Não preciso enumerar quantas pessoas desapareceram durante o regime, e que até hoje seus familiares choram por eles. Quanto a corrupção daquele período, pouco pode se falar, pois não deixaram rastros e muito menos registros, pois a imprensa, ministério público, polícia federal e judiciário muito pouco ou quase nada podiam ou queriam fazer.
Desta forma, quando agora o discurso moralista volta à tona, como já ocorreu em 1954, e levou a morte de Getúlio, ou em 1964, quando mais de 1 milhão de brasileiros foram as ruas na marcha da família com Deus pela liberdade, e os levou a ditadura. Com certeza pessoas de boa-fé, ao menos na sua maioria, que foram enganadas, dentre as quais cito os grandes juristas, como Sobral Pinto e Paulo Brossard, que logo após o golpe retiraram seu apoio ao regime, pois perceberam que haviam sido ludibriados por um discurso fascista travestido de moralista.
Portanto, nossa experiência histórica e democrática não irá permitir que sejamos encobertos pela escuridão que tanto mal fez a nação no passado recente, e que os 30 anos de vida da Constituição cidadã ilumine a mente e a alma da cidadania brasileira, onde seja possível acreditar que é possível construir uma sociedade lúcida o suficiente, que não cede espaço para a truculência e o fascismo patrocinado pelo Estado.