Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL
Bate papo: Doações por incentivos fiscais
ECONOMIA
Comdica realiza 4ª Noite Cultural na Unisc
VARIEDADES - O evento que tem entrada franca visa enaltecer projetos sociais realizados por diversas entidades

O MEDO ATÁVICO DO COMUNISMO

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 12/10/2018

O momento histórico vivido em nosso País tem nos dado exemplos de que apatia nem sempre é silenciosa, como em primeiro momento se supõe, pois há na atmosfera um claro sentimento de desilusão de uma grande parcela de cidadãos com o destino da política nacional, mas ao mesmo tempo, tal sentimento é objeto de infindáveis teorias sobre a origem da crise e possíveis saídas da mesma, sendo as redes sociais o espaço onde brotam as mais variadas posições.

Mas o que chama atenção é o fato que mesmo com a queda do muro, o fim da guerra fria, e a decadência do comunismo no mundo, ainda está muito presente no debate, o fato que o Brasil necessita tomar medidas contra o risco do comunismo ser implantado, sendo que nesta campanha eleitoral foram muitos os candidatos que vocalizaram esse temor.

Historicamente a luta contra o comunismo em nosso País justificou vários golpes, em especial os patrocinados por Getúlio Vargas e próprio golpe militar de 64. Mas, usar a justificativa do comunismo em nossa época não cabe mais, pois o comunismo não é ameaça para o mundo, pois suas limitações político sociais conduziram vários países ao autoritarismo, não havendo qualquer condição de temperatura e pressão para que avance no mundo. 

Ao contrário, há no mundo um claro indicativo para o autoritarismo neoliberal, sendo o exemplo da eleição de Donald Trump nos Estados Unidos o mais claro. Aqui em nossas paragem temos um indicativo muito claro de que o autoritário Bolsonaro, líder inconteste do primeiro turno entre os homens brancos, ricos e escolarizados, conforme indicam todas as pesquisas, poderá ser a nossa versão Trump,  se nada mudar. 

Assim, o momento atual indica um evidente reflorescer autoritário de extrema direita, cujas experiências passadas conduzem para a restrição de direitos individuais, traduzidas por prisões arbitrárias e com fundamentação questionável, limitação do direito à informação, onde os órgãos de imprensa não oficiais são perseguidos, ataque as minorias, concentração de renda e demais efeitos colaterais que já são conhecidos no mundo.

Mas o interessante é que a adesão ruidosa de setores sociais a lógica do autoritarismo é algo real, e que talvez encontre sua justificação mais elementar na necessidade inconsciente de um protetor contra um inimigo, que por incrível que pareça, novamente é o velho comunismo, o que aliás tem sido o seu maior papel, justificar os golpes de direita.