Edição do dia 14/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Jaqueline na maior liga do atletismo mundial
ESPORTES - Atleta da AMO participou da Diamond League em Rabat, Marrocos
Maurício Scota conquista 4 ouros nos JUGS
ESPORTES - Nadador está classificado para os Jogos Universitários Brasileiros
Mauá traz três primeiros lugares da primeira etapa do Estadual de Ginástica Rítmica
ESPORTES - Alice Silva, Júlia Furtado e Rafaela Cavalheiro conquistaram títulos nas suas categorias
Câmara aprova criação de comissão processante e escolhe membros
GERAL
Computação na Educação lança material didático nesta terça-feira na Unisc
EDUCAÇÃO
OAB promove palestra: Vamos conversar sobre o racismo?
GERAL
Unidos da Villa e Esmeralda fazem o jogo dos líderes do grupo B
ESPORTES - No domingo, Copa Cidade Miller Supermercados teve vitórias do San Lorenzo e Margarida
Lifasc Sub-18: João Alves se isola ainda mais na liderança
ESPORTES - Equipe derrotou o Aliança por 2x0 neste domingo e mantém-se invicto
DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Corede/VRP faz renovação da Assembleia
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Cursos de Gastronomia e Nutrição da Unisc promovem prática culinária com alunos do Uniama
GERAL
APAE promove Feijoada
GERAL
Educar-se promove novo encontro para famílias
EDUCAÇÃO
Mais de 1,1 mil candidatos realizam o Vestibular de Inverno da Unisc
GERAL
Com dois jogadores a menos, Avenida arranca empate em Caxias
ESPORTES - Periquito decidirá mata-mata dentro dos Eucaliptos
Santa Cruz empata e está fora da Segundona
ESPORTES - Galo ficou no 0 a 0 com o Guarany, em Bagé
Endurance Brasil: Xandy e Xandinho Negrão continuam líderes
ESPORTES - Pai e filho fecham a terceira etapa de Santa Cruz do Sul com pódio e mantêm a liderança na geral e na categoria GT3
Pinheiral leva o bicampeonato no Futebol Sete Master da Lifasc
ESPORTES - Equipe derrotou o Linha Santa Cruz na decisão, por 4x3 de virada, em partida eletrizante
De camisa branca, o Brasil vence na estreia
ESPORTES - Seleção fez 3 a 0 sobre a Bolívia pela Copa América

PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 16/11/2018

Nesta semana comemoramos o 129º aniversário da Proclamação da República Brasileira, e que bem sabemos, que a data de 15 de novembro é mais lembrada por ser feriado, do que pela sua representação política e histórica que teve e ainda tem em nossa vida.
Em uma breve e sumária análise do momento histórico do final do século XIX, temos presente que o País logo após a abolição da escravatura de certa forma passava para outro estágio civilizatório, pois romper com poder oligárquico de séculos de escravidão e exploração da “terra brasilis”, para um concepção de “res pública”, de fato foi algo fantástico e que deve,  na minha modesta opinião ser lembrado a cada ano, pois este processo de instauração de uma nação republicana é algo permanente, que não se esgota no tempo.
A República Brasileira foi implantada com quase nenhuma resistência da monarquia vigente à época, o que por consequência demostra não ter sido fruto de grande movimentação popular, ao contrário, sua proclamação foi fruto de uma composição de forças militares e civis da classe média e alta, com influência europeia e americana, que se consolidaram durante quase todo o século XIX, fruto das revoluções da América do Norte e Francesa, do século XVIII.
Neste contexto, foi escrita a primeira Constituição Republicana do Brasil, em 1891, que foi redigida quase na sua integralidade por Rui Barbosa, que teve como inspiração os fundamentos e princípios da Constituição do Estados Unidos da América. Tal carta também marca oficialmente a separação entre Igreja Católica e Estado, o que na prática levou muito mais tempo, como bem sabemos, mas foi sem dúvida um novo modo de visualizar a Nação Brasileira, que formalmente naquele momento entrega o País a seu povo, ao contrário do que representava a monarquia até então.
Por estes elementos acima pinçados, tenho para mim, que 129 anos é tempo muito exíguo para termos o País que todas as Cartas Constitucionais desde então prometeram, mas também deve ser reconhecido que muitos foram os avanços, em especial a consolidação da Democracia que vivemos atualmente, apesar de tudo que assistimos, estamos tendo condições institucionais de suportar os golpes da vida em coletividade, e ao mesmo tempo discutindo o que em outros tempos sequer era possível e permitido pela sociedade. Estes avanços são muito importantes na roda do tempo.
Se observarmos outras nações que inspiraram a formação do Estado Brasileiro, em especial a Portuguesa, a Inglesa e Americana, em suas experiências longevas também sofrem com atrito das relações políticas, econômicas e sociais, e atualmente estão vivendo contradições enormes em seus países, mas nem por isso há relatos de que pessoas destas nações queiram deixar sua Pátria.
Assim, o pouco mais de um século de República muito mais deu de que tirou da Nação Brasileira, e quando ouço os comentários de brasileiros que pensam em deixar nossa Pátria para viver em outra, tenho para mim que nunca refletiram de o quanto nós avançamos no último século, e que temos muito para fazer ainda, mas a nossa grama é muito mais verde do que a de muitos vizinhos.