Edição do dia 15/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Bolsonaro assina decreto que flexibiliza a posse de armas
GERAL - Com decreto, pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo
Multas podem ter prazo prorrogado
GERAL - Conforme Fiscalização de Trânsito do município ainda não há regulamentação para abordagem
Ajude as famílias afetadas com a chuva
GERAL
No dia 25 de janeiro mais 146 vagas remanescentes serão disponibilizadas
EDUCAÇÃO - O edital com a faixa etária e a escola será divulgado pela Secretaria Municipal de Educação
Secretário Faisal Karam reúne-se com Federação das Apaes
EDUCAÇÃO
Gilberto Petry é o novo presidente do Conselho Deliberativo
GERAL
Frente fria volta a intensificar chuvas no estado nos próximos dias
GERAL
Censo 2018 da Educação Básica
EDUCAÇÃO - Inep divulga dados da rede estadual de ensino
Novos agentes reforçam os quadros da Susepe em abril
POLÍCIA - Antes eles fazem curso sobre as normas de política penitenciária do Estado
Primeira edição do Sisu 2019 deve abrir mais de 235 mil vagas
EDUCAÇÃO
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
ECONOMIA
Hemovida está com estoque acima da média
SAÚDE - Desde setembro do ano passado, o número de captação sanguínea tem sido maior do que o de transfusões
Nova praça de lazer será construída no centro
GERAL - Local escolhido foi o coração da cidade, ao lado da futura Biblioteca Municipal
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV
ECONOMIA
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
ECONOMIA
Receita abre consulta a restituição
GERAL - Serão contempladas as restituições residuais referentes aos exercícios de 2008 a 2018
Atividade do Varejo fecha 2018 com crescimento de 2,8%
ECONOMIA
STF vai julgar casos polêmicos a partir do próximo mês
GERAL

A droga das elites

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 11/01/2019

Os indicadores policiais que tratam do tema da drogas ilícitas, maconha, crack, cocaína, sintéticas dentre outras em nosso País, dão conta que é um mercado bilionário, que a cada dia atrai para o mundo do tráfico soldados, que via de regra, tem perfil comum de adolescentes e homens jovens, pobres e pouca instrução e vislumbram nesta atividade dinheiro, poder, respeito e talvez até um certo orgulho pessoal por ser temido em sua comunidade. 
O estereótipo acima é a visão do senso comum dos soldados do tráfico onde a morte entre as facções é a forma de manter o domínio do mercado. Mas cabe questionar, quem afinal mantêm este negócio fabuloso, que a cada cresce em todo mundo?  
Os investimentos públicos no sentido de conter essa demanda tão latente na sociedade brasileira e mundial tem demonstrado ineficácia. Somente os Estados Unidos, em 2012, gastou um trilhão de dólares em políticas repressivas o que não evitou o aumento no consumo da heroína. 
Mas voltando a pergunta, quem mantêm este mercado? Quando entramos na seara do usuário, o perfil contrasta de forma frontal com o estereótipo dos soldados do tráfico.  
Uma pesquisa do economista Marcelo Neri da Fundação Getúlio Vargas, de 2007, aponta o dedo para uma parcela da elite. Maconha e cocaína no Brasil são bens de luxo, para a população com maior poder aquisitivo. De acordo com o levantamento, o consumidor-padrão de drogas no Brasil é homem, tem entre 20 e 29 anos, é da classe média alta e mora com os pais. Gasta, em média, R$ 45 por mês com drogas (valor de 2007). Também as drogas sintéticas, como ecstasy, LSD e outras certamente estão no mesmo patamar. Segundo a pesquisa, 72% dos usuários tinha renda familiar de mais de R$ 6.000,00 há época. 
As experiências mundiais tem indicado que a criminalização do usuário não tem sido o melhor caminho, e no Brasil a legislação e o judiciário também tem tido tal entendimento. Desnecessário dizer que prender o indivíduo viciado em drogas em nada resolve o problema deste, e muito menos o problema da sociedade que paga para manter um doente preso.
Como se percebe a problemática posta não é de fácil solução, pois se de um lado o tráfico faz suas próprias leis, de outro, os usuários por motivos variados não parecem ter preocupação com a origem da matéria prima do seu “prazer”.   
Não vou propor aqui a discussão sobre a liberalização das drogas, em razão de sua seriedade, que poderá ser objeto em outro momento, bem como, a abordagem sobre o “status” que o mundo artístico tem em relação as drogas, mas apenas tentar dizer que as experiências nacionais em relação ao cigarro e álcool foram bem sucedidas com discussão aberta sobre o tema, devendo aqui destacar do trabalho do Centro de Atendimento Psicossociais/Álcool e Drogas do SUS. 
Não há possibilidade de avanço sobre tema do uso/repressão das drogas ilícitas, se o assunto não entrar nos ambientes familiares e institucionais, com uma discussão séria e racional sobre o tema, com vistas ao efetivo enfrentamento da drogadição.