Edição do dia 22/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brasil confirma primeiro caso de Coronavírus
SAÚDE - Um homem de 61 anos, morador de São Paulo, foi infectado durante viagem à Itália
Serviços são alterados neste Carnaval
GERAL
Crime de importunação sexual tem pena de até cinco anos de reclusão
ECONOMIA
Avenida joga amistoso na tarde deste sábado nos Eucaliptos
ESPORTES
Sistema usado no HSC é eleito melhor prontuário eletrônico da América Latina
GERAL
Prefeitura inicia melhorias no campo do Bom Jesus
ESPORTES - Investimentos serão realizados para implantação de novo gramado e iluminação
Edemilson pede demissão da prefeitura
GERAL - Secretário de Cultura deverá assumir compromissos pessoais com produções culturais
Locomotiva: os passos para a revitalização
VARIEDADES - O monumento estava em Canoas, antes de ser trazido para Santa Cruz, em 2015
Mistura de enérgico com álcool pode ser perigosa
GERAL - Cardiologista não recomenda realizar a combinação das bebidas, pois pode causar graves danos ao organismo e dependência
Sihmatel: 22 anos de tradição
EMPRESARIAL - Empresa está em novo endereço, com espaço mais amplo para melhor atender seus clientes
Avenida joga amistoso na tarde deste sábado nos Eucaliptos
ESPORTES - Técnico quer ajustar equipe para estreia dia 1º de março em Rio Grande
Caxias e Grêmio decidem primeiro turno na serra
ESPORTES
Afasc: Os resultados das categorias de base
ESPORTES
Judô: União Corinthians busca apoio para auxiliar atleta surda
ESPORTES
Lifasc: Posse da nova coordenação ocorre dia 27
ESPORTES
Santa-cruzenses correm para regularizar título de eleitor
GERAL - Fila quilométrica foi registrada na manhã de ontem, 21, nas imediações da Justiça Eleitoral
Seminário regional debate sobre a água
GERAL - Ação realizada na quarta, 19, foi uma promoção das prendas da 5ª Região Tradicionalista
Brigada Militar prende foragido
POLÍCIA

A droga das elites

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 11/01/2019

Os indicadores policiais que tratam do tema da drogas ilícitas, maconha, crack, cocaína, sintéticas dentre outras em nosso País, dão conta que é um mercado bilionário, que a cada dia atrai para o mundo do tráfico soldados, que via de regra, tem perfil comum de adolescentes e homens jovens, pobres e pouca instrução e vislumbram nesta atividade dinheiro, poder, respeito e talvez até um certo orgulho pessoal por ser temido em sua comunidade. 
O estereótipo acima é a visão do senso comum dos soldados do tráfico onde a morte entre as facções é a forma de manter o domínio do mercado. Mas cabe questionar, quem afinal mantêm este negócio fabuloso, que a cada cresce em todo mundo?  
Os investimentos públicos no sentido de conter essa demanda tão latente na sociedade brasileira e mundial tem demonstrado ineficácia. Somente os Estados Unidos, em 2012, gastou um trilhão de dólares em políticas repressivas o que não evitou o aumento no consumo da heroína. 
Mas voltando a pergunta, quem mantêm este mercado? Quando entramos na seara do usuário, o perfil contrasta de forma frontal com o estereótipo dos soldados do tráfico.  
Uma pesquisa do economista Marcelo Neri da Fundação Getúlio Vargas, de 2007, aponta o dedo para uma parcela da elite. Maconha e cocaína no Brasil são bens de luxo, para a população com maior poder aquisitivo. De acordo com o levantamento, o consumidor-padrão de drogas no Brasil é homem, tem entre 20 e 29 anos, é da classe média alta e mora com os pais. Gasta, em média, R$ 45 por mês com drogas (valor de 2007). Também as drogas sintéticas, como ecstasy, LSD e outras certamente estão no mesmo patamar. Segundo a pesquisa, 72% dos usuários tinha renda familiar de mais de R$ 6.000,00 há época. 
As experiências mundiais tem indicado que a criminalização do usuário não tem sido o melhor caminho, e no Brasil a legislação e o judiciário também tem tido tal entendimento. Desnecessário dizer que prender o indivíduo viciado em drogas em nada resolve o problema deste, e muito menos o problema da sociedade que paga para manter um doente preso.
Como se percebe a problemática posta não é de fácil solução, pois se de um lado o tráfico faz suas próprias leis, de outro, os usuários por motivos variados não parecem ter preocupação com a origem da matéria prima do seu “prazer”.   
Não vou propor aqui a discussão sobre a liberalização das drogas, em razão de sua seriedade, que poderá ser objeto em outro momento, bem como, a abordagem sobre o “status” que o mundo artístico tem em relação as drogas, mas apenas tentar dizer que as experiências nacionais em relação ao cigarro e álcool foram bem sucedidas com discussão aberta sobre o tema, devendo aqui destacar do trabalho do Centro de Atendimento Psicossociais/Álcool e Drogas do SUS. 
Não há possibilidade de avanço sobre tema do uso/repressão das drogas ilícitas, se o assunto não entrar nos ambientes familiares e institucionais, com uma discussão séria e racional sobre o tema, com vistas ao efetivo enfrentamento da drogadição.