Edição do dia 17/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Costuras e Reformas Suzana Ramos: ateliê comemora quatro anos
GERAL
Resultado financeiro da 35ª Oktoberfest supera R$ 1,6 milhão
GERAL
Contatos feitos via redes sociais são falsos
GERAL - Instituto Consulpam alerta sobre suposta contratação de equipe para trabalhar no concurso da Prefeitura
Atividades na rede municipal são oferecidas no período das férias
GERAL
Distribuição de fraldas em novo endereço
GERAL
Salário mínimo sobe para R$ 1.045
ECONOMIA - Reajuste decorre da inflação mais alta em 2019
Doces que empoderam mulheres e combatem o trabalho infantil
VARIEDADES
Banco de Móveis já contabiliza mais de duas mil doações
GERAL
Pedido de aposentadoria
GERAL - Passados seis meses de espera, segurado pode exigir agilidade na Justiça
Portas Abertas já realizou 11.064 atendimentos
SAÚDE
Saiba como retirar medicamentos na farmácia de Monte Alverne
SAÚDE
Iniciam as obras do posto de saúde sustentável
SAÚDE - Primeira unidade do Brasil começou a tomar forma na última terça-feira
Tarifa adicional de cheque especial não será cobrada
ECONOMIA
Saúde estuda redistribuição de incentivos estaduais para hospitais
SAÚDE
IPE Saúde amplia pagamentos assistenciais para 2020
SAÚDE
Vacina pentavalente já está disponível em Santa Cruz
SAÚDE
Porto Verão Alegre 2020 passa em Santa Cruz do Sul
VARIEDADES
The Wailers volta ao Rio Grande do Sul
VARIEDADES - Após quatro anos desde o último espetáculo, banda jamaicana retorna tocando os maiores sucessos

Conta uma novidade...

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 08/03/2019

O título acima reflete muito bem o que estamos vendo do Governo Bolsonaro, que a cada dia que passa apresenta uma nova bizarrice de seus membros e do próprio Presidente, que ao que parece, faz esforço pessoal para ficar à frente da Ministra Damares, do Ministro do Meio Ambiente e do Ministro Ernesto Araújo. Não é possível dizer que já chegaram ao limite, mas este quarteto mágico está fazendo força. A primeira dizendo que viu Jesus na goiabeira, o segundo disse que não conhece Chico Mendes, o terceiro defende a tese de que nazismo e fascismo tem vertente de esquerda, e o Presidente acha que o carnaval se resume a uma cena tragicômica e toma a liberdade de divulgar para o mundo. Nem vou falar do Ministro de Educação, daí já é demais.
Mas não há novidade nisto tudo, pois o que temos visto nos últimos dois meses é um total despreparo para enfrentar os temas relevantes do Brasil, e que, diga-se de passagem foram bem abordados por vários outros candidatos, de várias vertentes ideológicas durante a companha, dentre os quais podemos citar Ciro Gomes, Fernando Haddad, Amoedo e outros. Já em relação ao Presidente eleito, não pode se dizer o mesmo, pois, não houve campanha eleitoral que tenha apresentado uma proposta concreta para problemas históricos como distribuição de renda, saúde, educação, previdência, segurança e geração de emprego e renda. O que foi apresentado é o que está sendo traduzido na prática pelo governo, um amontoado de malucos dizendo o que vem à mente, e logo depois um pedido de desculpas.
Não bastasse tal confusão, o Presidente ainda tem três filhos problema, um envolvido com milicianos e o outro marqueteiro prático, que acredita na tese de que todos os brasileiros que não concordam com os rumos de desgoverno são inimigos e devem ser eliminados, e o pior, com apoio irrestrito do papai, que acredita piamente que implantará a dinastia Bolsonaro no Brasil. Salvo engano, mas tenho que tal pretensão não se realizará, para o bem do Brasil e dos brasileiros, que podem até terem sido ludibriados em primeiro momento, mas deverão corrigir seu erro logo aí adiante, e as manifestações vistas no carnaval são prova inquestionável disto.
Por tudo acima dito, não vejo surpresa em todos os absurdos que estão sendo patrocinados pelo Capitão e seus comandados, pois não podemos construir uma nação com fundamentos odientos e fascistas, onde a cultura da violência e da agressão ao próximo seja algo visto como normal. Por isto, vamos torcer para que danos não sejam irreparáveis.