Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES
18,2 mil exemplares foram vendidos
VARIEDADES - Além do sucesso em vendas, o público também compareceu e lotou a Praça Getúlio Vargas

Um rentista arrependido?

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 05/04/2019

Quem acompanhou o discurso do ministro da Fazenda Paulo Guedes, no decorrer desta semana, teve a impressão de que ele deve estar arrependido de sua vida de investidor do mercado de papéis, eis que, foi homem de sucesso no mercado especulativo. 
Segundo seu discurso, a partir de agora, terminou o paraíso dos rentistas, que vigou até agora no Brasil, segundo suas palavras. As propostas do novo governo, vão privilegiar os empreendedores, ao invés do mercado especulativo do setor financeiro.
Tal argumentação foi recebida com muito otimismo pelo mercado. Mas é evidente, que a grande dúvida que todos brasileiros que se atentaram às promessas do novo ministro, se as mesmas serão exequíveis, ou se, são apenas uma cortina de fumaça para garantir a aprovação de medidas impopulares e atingem exclusivamente os mais pobres. 
Neste sentido, parece que a retirada de R$ 8,00 do salário mínimo de milhões de trabalhadores e aposentados, é emblemática, o que foi aliás a primeira medida do presidente, deixando evidente, que os fatos não condizem com a proposta apresentada pelo rentista arrependido.
Desnecessário dizer que a maior vitória que o País teve na última década foi o ganho real do salário mínimo, pois foi a política mais eficaz de distribuição de renda entre trabalhadores e aposentados, uma vez que todos os aposentados rurais especiais recebem um salário mínimo. Assim, promessa de atingir o andar de cima dos grandes salários, como promete novo governo, é desmentido no primeiro ato do presidente, o que desvela uma das faces do liberalismo, que é a concentração da renda.
Aliás, por falar em liberalismo, a impressão que se tem com o discurso do ministro Paulo Guedes, que tem formação na Escola de Chicago, é de que a teoria liberal irá resolver todos os problemas do País num passe de mágica. Por isto,  é interessante o que diz o atual diretor da Escola de Chicago, Robert Shimer, em entrevista ao Jornal do Comércio, onde fez a seguinte observação sobre a atual linha de pensamento da Departamento de Economia da Escola de Chicago, dizendo o seguinte: “Não acho que as pessoas acreditem que mercados são sempre, e em qualquer lugar, perfeitos, e que não há necessidade de nenhuma interferência do governo em nenhum lugar. Essa é uma visão da Escola de Chicago que não se vê aqui, ao menos em muitas pessoas desse departamento atualmente.”
Ao que se vê, devemos ter a esperança ou sorte, de que a fórmula liberal que se pretende aplicar no País não esteja desatualizada ou vencida.