Edição do dia 19/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Domingo tem Brique da Praça
GERAL
Unisc forma 16ª turma de Medicina
GERAL
Stock: Nelsinho Piquet corre pela primeira vez em Santa Cruz do Sul
ESPORTES - Piloto da equipe Texaco Full Time Sports terá experiência inédita neste fim de semana na pista gaúcha
Edição de inverno do curso Escola de formação de professores tem início na Unisc
EDUCAÇÃO
Audiência pública debate alterações no Plano Diretor
GERAL
Quatro cidades gaúchas
VARIEDADES - Quarta temporada de 'O professor pelado' tem reestreia repaginada
Domingo tem etapa da 5ª Olimpíada Rural
GERAL - Esse será o primeiro compromisso oficial das 14 candidatas a soberanas da 35ª Oktoberfest
Copa Seu Verardi
ESPORTES - Uma semana de treinos no Avenida
Rodada desta sexta vai apontar os semifinalistas
ESPORTES
Em jogo duas vagas no mata-mata da Copa CFC Celso
ESPORTES
Assaf joga nesta sexta-feira em Santa Maria
ESPORTES - Jogo foi alterado em virtude do Grenal neste sábado
Stock Car: Quinta etapa é neste final de semana
ESPORTES - Serão dois dias de atividades sem a companhia da Stock Light
Renomada professora do Serviço Social estará em Santa Cruz
GERAL
Novo Cabrais: Escola lança livro de receitas saudáveis
EDUCAÇÃO
Novo Cabrais: Pimenta visita obras e reafirma apoio ao município
GERAL - Deputado federal participou de almoço e conferiu de perto a pavimentação da Avenida Rodolfo Buss
Ascor e Prefeitura planejam nova exposição
GERAL
Colégio Mauá assume gestão da Escola Criança & Cia
EDUCAÇÃO
Prefeitura anuncia restauração do prédio
GERAL - Marcando a decisão, muda de árvore também foi plantada por alunos da rede de ensino municipal

Bolsonaro, Witzel, Moro e Evaldo Rosa

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 12/04/2019

Considerei pertinente tecer alguns comentários sobre a tragédia que vitimou o músico Evaldo Rosa, em Guadalupe, Zona Norte do Rio, quando seu carro foi alvejado por nada menos que oitenta disparos de fuzil desferidos por 9 soldados do Exército Brasileiro. Se é que podemos dizer que houve sorte nesta tragédia, mas poderiam ter sido cinco as vítimas fatais, desta desastrosa e estúpida ação patrocinada por agentes estatais.
Mas a tragédia segue na esteira da total falta de preparo de agentes políticos que de forma leviana e irresponsável tem tratado o tema da segurança pública nos últimos tempos, a iniciar pelo Presidente da República, que de forma expressa já se pronunciou no sentido de que a autoridade policial deve atirar primeiro e depois perguntar, secundado pelo Governador do Estado do Rio de Janeiro,   Wilson Witzel, que disse que iria autorizar abater pessoas, e para completar, o Ministro da Justiça, o todo poderoso Sérgio Moro, que encaminhou um projeto de Lei ao Congresso Nacional, que pretende legalizar as chacinas estatais, através da ampliação das excludentes de ilicitude praticada por agentes estatais da área de segurança.
O breve histórico acima tem a intenção de advertir para o fato de que a política pública de segurança não se faz com discurso populista demagógico, onde ao invés de serem enfrentados as causas de uma sociedade violenta, ataca-se de forma equivocada as consequências, e o mais grave, vendendo a ilusão de que o recrudescimento penal possa ser a alternativa. A ode à violência estatal que assola os governantes acima citados, fez vítima Evaldo Rosa, e o pior, em primeiro momento a Policia Judiciária Militar, noticiou que os soldados teriam respondido a “injusta agressão’, o que não se sustentou em razão das testemunhas presenciais do fato, o que culminou com a prisão dos militares. E se não houvessem testemunhas, seria mais um “delinquente” que teria sido abatido? Como diz o Governador Witzel.  
O contrato social exige que a força estatal seja usada de forma moderada e nos restritos limites da lei, não podendo ser admitida a apologia e o aplauso a atos criminosos, seja contra quem for, pois é a sociedade formada por seus cidadãos a usufrutuária dos serviços prestados pelo Estado em um regime Democrático, não sendo legítimo a qualquer governante promover a violência estatal gratuita.