Edição do dia 17/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Atividades na rede municipal são oferecidas no período das férias
GERAL
Distribuição de fraldas em novo endereço
GERAL
Salário mínimo sobe para R$ 1.045
ECONOMIA - Reajuste decorre da inflação mais alta em 2019
Doces que empoderam mulheres e combatem o trabalho infantil
VARIEDADES
Banco de Móveis já contabiliza mais de duas mil doações
GERAL
Pedido de aposentadoria
GERAL - Passados seis meses de espera, segurado pode exigir agilidade na Justiça
Portas Abertas já realizou 11.064 atendimentos
SAÚDE
Saiba como retirar medicamentos na farmácia de Monte Alverne
SAÚDE
Iniciam as obras do posto de saúde sustentável
SAÚDE - Primeira unidade do Brasil começou a tomar forma na última terça-feira
Tarifa adicional de cheque especial não será cobrada
ECONOMIA
Saúde estuda redistribuição de incentivos estaduais para hospitais
SAÚDE
IPE Saúde amplia pagamentos assistenciais para 2020
SAÚDE
Vacina pentavalente já está disponível em Santa Cruz
SAÚDE
Porto Verão Alegre 2020 passa em Santa Cruz do Sul
VARIEDADES
The Wailers volta ao Rio Grande do Sul
VARIEDADES - Após quatro anos desde o último espetáculo, banda jamaicana retorna tocando os maiores sucessos
Veja onde será a próxima feira de adoção
GERAL
Principais solicitações pelo WhatsApp da Prefeitura
GERAL
Prefeitura nos Bairros
GERAL

Escola e Família: Conhecimento e Educação

Valério Garcia - 04/05/2019

Na minha infância humilde e de morador do campo, sempre vi em meus familiares a importância do trabalho na formação de um homem. Sou do tempo que as crianças ajudavam seus pais durante o tempo que podiam ou tinham disponibilidade. E as tarefas eram múltiplas: ajudar a limpar o pátio, dar comida para a criação de galinhas, porcos e todos os animais domésticos, juntar gravetos e lenha para o fogão, limpar o galpão, entre outros. Quando chovia as atividades eram aquelas permitidas dentro de casa ou no galpão como debulhar milho, limpeza de ferramentas e utensílios. Mas e a Escola? Todos iam na Escola no turno que estavam matriculados, sem problemas. Sei que parece um pouco engraçado para alguns este assunto, mas era a realidade da época e ainda temos muito disso aqui no interior do nosso Estado. Eram os nossos deveres que vinham antes dos nossos direitos, aliás confundiam-se direitos e deveres, ambos eram nossa obrigação. 
Tínhamos nossos direitos como todos: direito à casa, alimentação, educação, brincávamos e éramos muito felizes. O respeito aos mais velhos era evidenciado e cultuado no nosso dia a dia. Nossa liberdade era plena, sabendo-se que ela terminava quando começava a do outro. A Família era o defensor, promotor e juiz ao mesmo tempo, e ela era incontestável. 
O que vemos hoje?  A família cada vez mais fragmentada no cumprimento de seus deveres e os jovens tendo cada vez mais direitos. A idade obrigatória de ingresso na Escola diminuiu de 7 para 4 anos, com várias justificativas e estudos que tentam consolidar e nos convencer desta ideia. Confunde-se a educação dos filhos, esquecendo-se que a Escola é para dar formação e conhecimento, lapidando os valores trazidos e exemplificados pela família. Quem primeiro educa deve ser a família, a Escola é a continuação disto servindo para dar formação, conhecimento, incentivando e mediando o jovem para um futuro promissor! 
Essa inversão de valores está materializada nas atitudes das pessoas. É o que vemos hoje na classe política de nosso país. Pessoas que legislam pensando em si, e não no bem da coletividade. Pessoas que não tem culpa de nada, que não fizeram nada e a culpa é sempre dos outros. Quando digo isto, é para TODOS os partidos políticos, não somente para alguns, que segmentos de mídia tendenciosa, tenta desmoralizar. Se alguém fez algo de errado, que assuma e arque com as consequências, mas que essa sentença seja para todos, e não apenas para alguns.
Quero acreditar que a máxima de muitos jovens e adultos de hoje: ... “não dá nada”... ,  esteja com os dias contados.
Com o pensamento de nosso grande mestre Ruy Barbosa, encerro minha contribuição, desejando um futuro promissor para todos nós brasileiros: “A justiça, cega para um dos dois lados, já não é justiça. Cumpre que enxergue por igual à direita e à esquerda.” Bom final de semana.