Edição do dia 20/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Havan é inaugurada em Santa Cruz
GERAL - Filial santa-cruzense abriu pela primeira vez na manhã de hoje
Feriado em Santa Cruz do Sul
GERAL - Saiba como funcionarão os principais serviços nesta sexta-feira, 20
Livro Dois meninos será lançado em Santa Cruz
VARIEDADES
JTI promove a língua inglesa entre colaboradores
GERAL
Equipes da Afubra realizam avaliações nas lavouras atingidas
GERAL
100 anos Sicredi VRP: Solenidade marca os 100 anos
ESPECIAIS
100 anos Sicredi VRP: Programação intensa durante todo o ano
ESPECIAIS
Dia do Contador: A saúde financeira do seu negócio depende dele
ESPECIAIS - Conheça um pouco mais sobre a profissão do contador e sua data comemorativa
Mensagem pelo Dia do Contador
ESPECIAIS - Rugard Kanitz - presidente do Sincotec VARP
Dia do Contador: Conheça os vencedores da 6ª edição do Concurso de Redação Tributação e Cidadania
ESPECIAIS
Preservação da cultura alemã no traje oficial
VARIEDADES
As donas das flores
GERAL - O trabalho delas é cultivar a natureza que enfeita a cidade
Shopping Santa Cruz recebe convidadas para bate-papo
GERAL - Quatro mulheres estarão à frente do evento de troca de experiências
Irmãos de Axé visitam Terreiro de Candomblé na Bahia
GERAL
Galo tem jogos importantes no final de semana
ESPORTES
Copa CFC Celso abre decisão em Linha Santa Cruz
ESPORTES
Assaf encara a Assoeva no Ginásio da Unisc neste sábado
ESPORTES
SCS Skate Contest: um incentivo ao esporte
ESPORTES

A violência vulgarizada

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 31/05/2019

Historicamente a humanidade teve a violência como uma arma de manutenção do poder, e de aniquilação do adversário de ocasião. Tal tema foi cotejado pela filósofa Hannah Arendt, que tratou sobre a vulgarização violência. Aqui em nossas paragens o histórico de colonização foi marcado por sangue de índios e escravos. 
Não diferente foram as revoltas internas, como a Mineira, a Pernambucana, e sem esquecer as do Rio Grande, como a Farroupilha e Federalista, esta última teve como principal método de execução do inimigo a degola. 
Faço este preâmbulo para dizer que violência escancarada que aconteceu no Presídio Anísio Jobim em Manaus retrata de forma emblemática como estamos acostumados e sedados pela indiferença, e isto não é peculiaridade de nosso tempo, o passado acredito que tenha forjado tal insensibilidade. O paradoxal nisto tudo, é de que suspeito se tal massacre tivesse ocorrido em um canil, as manifestações das redes sociais não seguiriam a linha que observei no decorrer da semana.  
Todos brasileiros sabem as condições deploráveis que se encontram os presídios. A Digna Ministra Presidente do Supremo Tribunal Federal, operadora do direito há mais de três décadas não necessita visitar os presídios para saber do caos do nosso sistema prisional. Tal atitude também demonstra de forma muito clara o jogo de cena das autoridades, e aqui no Estado temos um presídio concluído na cidade de Canoas, e outro que foi construído pela comunidade de Lajeado, e entregue ao Estado, e mesmo assim até agora não houve a ocupação de tais estabelecimentos. 
Acredito que seria mais produtivo a Presidente do Conselho Nacional de Justiça, que também é Presidente do STJ, chamar às falas as autoridades responsáveis pela gestão do sistema prisional, pois os exemplos acima referidos são emblemáticos aqui em nosso Estado. Imagino que no País afora tais situações se repitam.
A guerra entre gangues do tráfico também não é algo novo, mas que vem se agravando sobre maneira em razão do Brasil ser hoje o segundo maior consumidor de cocaína do mundo, bem com um corredor para exportação desta droga para EUA e Europa. Não há solução fácil, pois a regra de mercado também prevalece no mundo de ilegalidade, o consumo regula a demanda. Quanto aos consumidores? Bom, isto é tema para outra coluna.

*Este texto foi publicado em janeiro de 2017, quando havia acontecido o primeiro massacre no mesmo presídio, que agora, o Ministro Moro diz que em 5 meses de “governo” não é possível evitar massacres nas cadeias.