Edição do dia 18/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

RGE na Praça estará em Santa Cruz nesta terça-feira
GERAL
Lixo eletrônico será recolhido nos bairros
GERAL
Avenida já projeta amistoso contra o Passo Fundo
ESPORTES - Treinador quer diminuir os erros visando a estreia em março
Terreiro realiza festa de Yemanjá
RELIGIÃO
Mantenedora do CVV em Santa Cruz necessita de doações
SAÚDE
Quantas famílias são beneficiadas com aluguel social?
GERAL
Projeto também chega ao CRAS Beatriz
GERAL
Inscrições abertas para a oficina de costura
GERAL
Campanha incentiva doação de órgãos
SAÚDE
HSC abre edital para 2ª chamada da residência médica
SAÚDE
Corte a gordura, não corte os músculos
OPINIÃO
O Imposto do pecado (parte 2)
OPINIÃO
A vida é irônica
EDITORIAL
Amigos do Cinema retorna nesta terça-feira
VARIEDADES
Bailinho da Borges reúne 12 mil foliões
GERAL - Realizado no último sábado, 15, grande público marcou presença com fantasias e adereços carnavalescos
Concurso da prefeitura movimenta Santa Cruz
GERAL - Certame gerou grande fluxo de pessoas e focos de congestionamentos na cidade
NPOR incorpora novos alunos
GERAL - Cerimônia foi realizada na manhã de ontem no Pátio Duque de Caxias
Sinprom projeta ano letivo da categoria
EDUCAÇÃO

As instituições devem ser maiores que seus membros

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 13/06/2019

 “O poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente”, (Lord Acton)
Os acontecimentos dos últimos anos têm demonstrado de forma inequívoca que o Estado Democrático de Direito Brasileiro está em crise, onde as instituições acabam sendo vítimas de seus membros, isto nas três esferas dos Poderes. Mas cabe aqui destacar que tanto Legislativo e Executivo, tem seus atos monitorados pelas instâncias de controle interno e externo, tanto é, que foram inúmeros os agentes públicos afastados de seus cargos através de investigações que aconteceram no último período.
Já em relação ao Judiciário o controle institucional se dá através das corregedorias dos Tribunais e o Conselho Nacional da Magistratura, sendo que tal organização se replica quase de forma idêntica em relação ao Ministério Público. A pergunta que todos os estudiosos do direito sempre fizeram é: Quem fiscaliza o fiscalizador?
No decorrer desta semana, a sociedade brasileira, através dos meios de comunicação, teve acesso a informações obtidas da forma ainda não esclarecida, que dão conta de relações nada republicanas entre membros do Ministério Público com o então super juiz Sérgio Moro, hoje Ministro da Justiça. Observa-se enorme revolta entre os defensores do Magistrado e dos próprios membros do Ministério Público em relação a forma de obtenção de tais diálogos, que ao que parece de fato ocorreram, pois não houve negativa por parte das autoridades envolvidas. 
Mas a questão de fundo é: Como a sociedade teria acesso a tais informações, se não tivessem sido trazidas a público da forma que foram? Seria possível alguém pedir a quebra do sigilo telefônico e virtual dos membros da Lava Jato, juiz e promotores? Quem iria deferir tal solicitação?
Os questionamentos acima somente expõem a fragilidade do sistema de controle, mas o mais sério é a perda de credibilidade das instituições como o Judiciário e Ministério Público, que são muito maiores que qualquer um de seus membros.  De fato, os fins não justificam os meios. Será que o objetivo de conquistar o Ministério da Justiça e uma futura cadeira do STF, justificam o ataque tão grave ao Estado do Direito? O argumento anterior usado pelo Juiz Moro, de busca da verdade real e justiça parece que não existe mais, ao menos em relação a operação Lava Jato. Ou estou equivocado?