Edição do dia 15/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Vigilância Colaborativa: Programa começa a ser implantado
POLÍCIA - Lançado nesta semana, o programa disponibiliza imagens captadas em tempo real às autoridades policiais por até sete dias
Escolas estaduais entram em greve
EDUCAÇÃO - A paralisação que tem início na segunda-feira, 18, é por tempo indeterminado
Lanceiros de Santa Cruz: Homenagem às mulheres gaúchas
VARIEDADES
Programe-se para o feriado desta sexta
GERAL - Maioria dos serviços funciona com horário de domingo
Greve do Judiciário é encerrada
GERAL - Atividades do Fórum de Santa Cruz serão retomadas na próxima segunda
Qual faculdade cursar após concluir o Ensino Médio?
GERAL - Mostra de Cursos contou com atividades, oficinas e também tour pelo campus
Gabriel Borba é aclamado presidente da ACI junto com o vice, César Cechinato
GERAL
A complexidade do aspecto individual
EDITORIAL
Brigada Militar prende homem por violência doméstica
POLÍCIA
Realeza da Vila lança samba-enredo nesta quinta-feira
GERAL - Na ocasião serão comemorados os 30 anos da escola de samba
Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL

IMPARCIALIDADE

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 21/06/2019

Quando fui convidado para escrever uma coluna semanal para este periódico, a primeira coisa que me veio a mente, foi, como chamar o espaço que iria ocupar semanalmente, onde irei lançar uma opinião muito pessoal e própria, fruto da maturação e da construção de mundo que me é particular. Em primeiro momento fui acometido da falaciosa vontade de denomina-la de “Olhar Imparcial”, poucos segundos após percebi que não poderia ser desonesto comigo e muito menos com os leitores, pois a tão propalada imparcialidade que todos nós muitas vezes tentamos usar em defesa de nossos argumentos não se sustenta, quando colocada a frente dos elementos que apontei no início deste parágrafo. Por isto a coluna chama-se “Olhar Parcial”.
Faço a introdução acima, para adentrar em um tema que é muito caro ao mundo jurídico, que é a imparcialidade do Juiz. O tema não é de fácil abordagem, pois os textos legais de todas as democracias existentes no mundo são muito claros no sentido de que para que o Estado Democrático de Direito atinja seus objetivos, imprescindível que os Juízes sejam imparciais e autônomos, para que possam julgar todos de forma igual perante a lei, em especial quando tratamos de países de tradição romana-germânico, onde o império da lei é a baliza do magistrado.
Mas é evidente que todo magistrado não vive em uma bolha, estando imune as ações e pressões da sociedade e seus atores. Aliás todos nós somos fruto do processo de ação e reação das relações sociais, e não é diferente com os magistrados. Diga-se ainda, que os magistrados em razão de sua atribuição são observados em todas suas atitudes, pois são referência em suas famílias, comunidades e comarcas onde atuam, sendo, portanto, sua vida muito condicionada a sua atividade profissional. 
Por isto vejo, com enorme preocupação quando magistrados do quilate do Ministro Gilmar Mendes e do Juiz Sérgio Moro transformam a judicatura em opiniões esparsas lançadas nos meios de comunicação e redes sociais, especialmente sobre processos que ainda estão em fase de instrução e posterior julgamento. Não considero que seja adequado que magistrado declare apoio a operações que estão em andamento, pois o magistrado não é parte e muito menos titular da ação penal. Quando o juiz toma tal atitude, é inevitável que fira de morte a imparcialidade que é condição sem qual o torna suspeito para julgar. 
Desta forma, quando o Procuradoria Geral da República levanta a suspeição sobre o Ministro Gilmar Mendes ou a defesa de ex-Presidente Lula o faz em relação ao juiz Sérgio Moro, com base em fatos concretos que foram vistos e noticiados, não estão levantando uma mera tese jurídica, mas sim, apontando para aquilo que é sagrado para as partes de um processo, que é o direito de ter um Juiz imparcial. 

*texto publicado em 06/2017.