Edição do dia 15/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Inscrições para processo seletivo encerram na quarta
GERAL
Sicredi Vale do Rio Pardo investirá em usina fotovoltaica própria
EMPRESARIAL
Educadores e estudantes debatem sobre ensino
EDUCAÇÃO
Unisc recebe prêmio Conciliar é Legal
GERAL
Valentine's Day celebra o amor
GERAL
Seminário marca o início do ano letivo no Colégio Mauá
EDUCAÇÃO
Regional de secretários de educação tem nova coordenação
EDUCAÇÃO
Solled recebe mais uma premiação
EMPRESARIAL
Stifa e Souza Cruz realizam assembleia
GERAL
Não é Não! Santa Cruz do Sul abraça campanha contra o assédio
GERAL
Cemas distribuirá preservativos para foliões
SAÚDE
O drama financeiro do setor público
EDITORIAL
O Imposto do pecado (parte 1)
OPINIÃO
Escolas retomam atividades na segunda-feira
EDUCAÇÃO - Serão 11,1 mil crianças que voltam às aulas no próximo dia, 17
Professores e funcionários recebem capacitação
EDUCAÇÃO - Evento aconteceu no Auditório Central da Unisc e Câmara dos Vereadores
Escola Moranguinho: um lugar acolhedor
EDUCAÇÃO
Ano letivo inicia com mudanças
EDUCAÇÃO - Após aprovado o novo pacote de medidas do Governo Estadual, Cpers não descarta novas greves
Decisão de Desbessell desagrada políticos
POLÍTICA - Vereadores dizem que não foram ouvidos sobre CPP contra Crestani e Schneiders

A democracia dá trabalho

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 06/09/2019

“Imaginemos sob quais aspectos novos o despotismo poderia produzir-se no mundo: vejo uma inumerável multidão de homens símiles e iguais que nada mais fazem que rodar sobre si mesmos, para procurarem pequenos e vulgares prazeres com que saciar a sua alma...Acima deles ergue-se um poder imenso e tutelar que se encarrega por si só de assegurar a usufruto de bens e de velar por sua sorte. É absoluto, minucioso, sistemático, previdente e brando.” Excerto extraído da obra do Norberto Bobbio - O Futuro da Democracia -, onde cita o livro “A democracia na América” escrito por Alexis de Tocqueville, em 1832.
Já em outras oportunidades neste espaço abordei o tema sobre a democracia no seu escopo universal e nacional. A citação acima transcrita, se não tivesse sido escrita no século XIX, fruto de um trabalho analítico da Democracia dos Estados Unidos, poderia e pode servir como uma luva em nossos dias. 
Se após a segunda metade do século XX, a democracia de certa forma tornou-se uma unanimidade no mundo ocidental, por outro lado, os sintomas já verificados por Tocqueville, no século XIX, agora criaram uma dimensão e amplitude muito maior, seja pela liquidez da relações sociais travadas entre as pessoas, seja pelo poder exagerado das corporações de todas ordens, que transformam tudo em negócio, aliado ao fato de que cidadania ativa não faz parte da vida de uma parcela importante dos cidadãos, que com o avanço das tecnologias virtuais, tornaram-se meros consumidores de produtos vulgares e fugazes.
A dimensão que temos da democracia, muitas vezes limita-se ao direito do voto, isto quando não há a objeção ao voto obrigatório.  Votamos a cada dois anos e cumprimos com nosso dever político, e nos intervalores, alimentamos as redes sociais, falando mal da política e dos políticos. A democracia exige participação ativa, não é algo dado e estanque, e que não sofra as pressões do ambiente econômico, político e social, é assim que tem sido no decorrer dos últimos dois séculos no mundo.
A desconfiança de Tocqueville foi certeira, pois o despotismo pós-moderno traduz-se em total alienação de uma parcela enorme de pessoas, onde o mundo do consumo e pequenos prazeres absorve todas suas energias vitais, num ciclo infinito, tudo muito bem coordenado por forças não muito ocultas.  E nesta transe insana, o espaço para a lógica fascista floresce, liderada por falastrões autoritários e demagógicos, que com o discurso do ódio e da violência arrebatam multidões, na sua maioria formada por ingênuos que foram seduzidos por soluções simplistas para problemas complexos. Será que Brecht tinha razão quando afirmou que “a cadela do fascismo está sempre no cio”? Não quero acreditar.