Edição do dia 13/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Solidariedade declara apoio a Telmo
POLÍTICA
Saiba como ter desconto especial no IPTU do ano que vem
GERAL
A Hipnose pode auxiliar no autodesenvolvimento de forma eficaz
EMPRESARIAL - Especialista desmistificou tema e apontou benefícios da técnica no Café Empresarial
Reforma Tributária é tema da apresentação de Rigotto em Santa Cruz
GERAL
Dada a largada para a Semana Farroupilha
GERAL - Abertura aconteceu no Parque de Eventos na manhã desta sexta-feira
Fórum atrai dois secretários de Estado a Santa Cruz do Sul
GERAL - Representantes de todas as 28 regiões estiveram na Unisc nessa quinta-feira
Lino e Laila serão tema do Novo Cemai
GERAL
Aulas de autoescola com ou sem simulador de direção?
GERAL
Sessão especial para o ensino médio
VARIEDADES
Estudante de Santa Cruz conquista certificado de excelência internacional
EDUCAÇÃO
RGE instala aquecedores solares nas residências de 150 famílias
GERAL
Embarques devem superar os US$ 2 bilhões
GERAL
Depressão deve ser tratada no início, afirma especialista
ESPECIAIS - Mulheres sofrem de depressão duas vezes mais do que os homens
Tributo a Herb Alpert é hoje
VARIEDADES - Teatro do Mauá recebe apresentação às 20h
Sociedade Ginástica: Jantar Baile marca comemoração dos 126 anos
EMPRESARIAL
Farmácia Municipal reabre na segunda no novo prédio
SAÚDE
Grupo Tholl traz Casinha de Chocolate
VARIEDADES
18,2 mil exemplares foram vendidos
VARIEDADES - Além do sucesso em vendas, o público também compareceu e lotou a Praça Getúlio Vargas

A democracia dá trabalho

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 06/09/2019

“Imaginemos sob quais aspectos novos o despotismo poderia produzir-se no mundo: vejo uma inumerável multidão de homens símiles e iguais que nada mais fazem que rodar sobre si mesmos, para procurarem pequenos e vulgares prazeres com que saciar a sua alma...Acima deles ergue-se um poder imenso e tutelar que se encarrega por si só de assegurar a usufruto de bens e de velar por sua sorte. É absoluto, minucioso, sistemático, previdente e brando.” Excerto extraído da obra do Norberto Bobbio - O Futuro da Democracia -, onde cita o livro “A democracia na América” escrito por Alexis de Tocqueville, em 1832.
Já em outras oportunidades neste espaço abordei o tema sobre a democracia no seu escopo universal e nacional. A citação acima transcrita, se não tivesse sido escrita no século XIX, fruto de um trabalho analítico da Democracia dos Estados Unidos, poderia e pode servir como uma luva em nossos dias. 
Se após a segunda metade do século XX, a democracia de certa forma tornou-se uma unanimidade no mundo ocidental, por outro lado, os sintomas já verificados por Tocqueville, no século XIX, agora criaram uma dimensão e amplitude muito maior, seja pela liquidez da relações sociais travadas entre as pessoas, seja pelo poder exagerado das corporações de todas ordens, que transformam tudo em negócio, aliado ao fato de que cidadania ativa não faz parte da vida de uma parcela importante dos cidadãos, que com o avanço das tecnologias virtuais, tornaram-se meros consumidores de produtos vulgares e fugazes.
A dimensão que temos da democracia, muitas vezes limita-se ao direito do voto, isto quando não há a objeção ao voto obrigatório.  Votamos a cada dois anos e cumprimos com nosso dever político, e nos intervalores, alimentamos as redes sociais, falando mal da política e dos políticos. A democracia exige participação ativa, não é algo dado e estanque, e que não sofra as pressões do ambiente econômico, político e social, é assim que tem sido no decorrer dos últimos dois séculos no mundo.
A desconfiança de Tocqueville foi certeira, pois o despotismo pós-moderno traduz-se em total alienação de uma parcela enorme de pessoas, onde o mundo do consumo e pequenos prazeres absorve todas suas energias vitais, num ciclo infinito, tudo muito bem coordenado por forças não muito ocultas.  E nesta transe insana, o espaço para a lógica fascista floresce, liderada por falastrões autoritários e demagógicos, que com o discurso do ódio e da violência arrebatam multidões, na sua maioria formada por ingênuos que foram seduzidos por soluções simplistas para problemas complexos. Será que Brecht tinha razão quando afirmou que “a cadela do fascismo está sempre no cio”? Não quero acreditar.