Edição do dia 22/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brasil confirma primeiro caso de Coronavírus
SAÚDE - Um homem de 61 anos, morador de São Paulo, foi infectado durante viagem à Itália
Serviços são alterados neste Carnaval
GERAL
Crime de importunação sexual tem pena de até cinco anos de reclusão
ECONOMIA
Avenida joga amistoso na tarde deste sábado nos Eucaliptos
ESPORTES
Sistema usado no HSC é eleito melhor prontuário eletrônico da América Latina
GERAL
Prefeitura inicia melhorias no campo do Bom Jesus
ESPORTES - Investimentos serão realizados para implantação de novo gramado e iluminação
Edemilson pede demissão da prefeitura
GERAL - Secretário de Cultura deverá assumir compromissos pessoais com produções culturais
Locomotiva: os passos para a revitalização
VARIEDADES - O monumento estava em Canoas, antes de ser trazido para Santa Cruz, em 2015
Mistura de enérgico com álcool pode ser perigosa
GERAL - Cardiologista não recomenda realizar a combinação das bebidas, pois pode causar graves danos ao organismo e dependência
Sihmatel: 22 anos de tradição
EMPRESARIAL - Empresa está em novo endereço, com espaço mais amplo para melhor atender seus clientes
Avenida joga amistoso na tarde deste sábado nos Eucaliptos
ESPORTES - Técnico quer ajustar equipe para estreia dia 1º de março em Rio Grande
Caxias e Grêmio decidem primeiro turno na serra
ESPORTES
Afasc: Os resultados das categorias de base
ESPORTES
Judô: União Corinthians busca apoio para auxiliar atleta surda
ESPORTES
Lifasc: Posse da nova coordenação ocorre dia 27
ESPORTES
Santa-cruzenses correm para regularizar título de eleitor
GERAL - Fila quilométrica foi registrada na manhã de ontem, 21, nas imediações da Justiça Eleitoral
Seminário regional debate sobre a água
GERAL - Ação realizada na quarta, 19, foi uma promoção das prendas da 5ª Região Tradicionalista
Brigada Militar prende foragido
POLÍCIA

Tempo de ouvir

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 27/09/2019

A metáfora que talvez se adeque aos nossos tempos seria a passagem mencionada no Livro do Gênesis a “Torre Babel”, que segundo diz o texto bíblico, todos falavam mas ninguém entendia o outro, o que em tese teria dado origem aos vários idiomas, e também gerado uma enorme confusão. Observo que nós também estamos com muita dificuldade de ouvir o outro, pois em boa parte das nossas interlocuções ao invés de estarmos ouvindo o outro, já estamos matutando o que responder ou ao menos como tentar impor nossa visão sobre determinado tema, há uma certa surdez que afeta o homem pós-moderno.
Com o avanço tecnológico do mundo virtual, observa-se que tal característica tem se agravado, pois somos instados, a cada momento a opinar sobre tudo, mesmo não tendo noção nenhuma sobre o tema, nos mais variados espaços de informação, e especialmente nos meios de comunicação de massa que são apresentados ao vivo, especialmente programas de rádio e tv, onde não poucas vezes a notícia menos importa, mas a polêmica criada sim, o número de acessos, curtidas e a participação dos ouvintes e telespectadores determina quando mais ou menos besteira se divulga ao vivo.  
Quanto as redes sociais, tem-se um verdadeiro festival de intolerância, e onde o indivíduo protegido por seu suposto anonimato acaba destilando um ódio bestial que em nada serve para si e muito menos ao seu interlocutor, pois ambos perdem a racionalidade humana que a duras penas foi forjada por milhares de anos, entre idas e vindas de mais ou menos intolerância.
Cabe a setores da sociedade, em especial a academia, e aos meios de comunicação de massa, estimularem o cidadão na prática de um diálogo em que os interlocutores cultivem a arte de ouvir o outro, na lógica de que a resposta para a eventual divergência, não seja um ataque violento para tentar vencer ou destruir o outro,  mas sim, tentar dizer que  não há uma verdade suprema, mas várias meias verdades que levaram nossa espécie ao estágio que estamos hoje, e que tolerância, ou melhor o acolhimento, como prefere o Filósofo Mario Sérgio Cortella,  é respeitar a diferença de visão de mundo do outro, mesmo que discordemos dela, e tentar sempre construir consensos possíveis.
Tenho para mim, que o melhor antídoto que tenho encontrado para minha surdez, é a leitura, pois durante a leitura sou obrigado a ouvir calado o que o autor está dizendo, sem poder dar nenhuma opinião, o que me obriga a refletir sobre o que estou lendo. Além desta vantagem, a outra, que acho bem mais interessante, é que com leitura, tenho o privilégio do Érico Verissimo, do Machado de Assis, do Balzac, do Norberto Bobbio e outros que falaram comigo com exclusividade que somente a leitura pode me proporcionar, apesar de muitas vezes ser acossado pela vontade de tê-los como interlocutores, e dar ao menos um pitaco, o que felizmente não é possível.