Edição do dia 15/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Calendário de Eventos 2020
GERAL
35ª Oktoberfest: Shows tradicionalistas são atração desta quarta-feira
GERAL - Festa da Alegria terá apresentações do Grupo Fandangaço, às 20h, e Os Serranos, às 22h30, no Lonão
Festa da Alegria recebe 20 mil pessoas no Dia da Maturidade Ativa
GERAL - Mais de 40 grupos e excursões de todo o Estado estiveram na 35ª Oktoberfest nesta terça-feira, 15 de outubro
Dia do Professor: educação para a erradicação do trabalho infantil
GERAL - Conheça a história de dois profissionais que estão na linha de frente do programa ARISE, iniciativa que muda a realidade de crianças e adolescentes
Praça da Cultura levará o nome de José Paulo Rauber Filho
GERAL - Inauguração do local ocorreu no sábado, 12 e contou com a presença da família do homenageado
Terça-feira será de ponto facultativo nas escolas
GERAL - Além das escolas municipais e estaduais, algumas particulares também não terão aula neste dia
Dia do Eletricista é nesta quinta-feira
GERAL - Data marca a importância do profissional habilitado
Inscrições abertas para a Escola de Educação Infantil
GERAL - Há vagas gratuitas e pagas para crianças de 4 e 5 anos
Rodrigo Solda é o novo presidente
GERAL - Além dele, outros prefeitos foram empossados para a diretoria e conselho fiscal do biênio 2020/2021
Evento discute problemas do contrabando e a pirataria
GERAL - Palestra apresentou dados sobre as ameaças do mercado ilegal para a economia
Sicredi Vale do Rio Pardo enaltece o cooperativismo durante o desfile da 35ª Oktoberfest
GERAL
Quase 17 milhões já foram emprestados pelo município
GERAL
Primeiros dias de Oktoberfest superam 54,6 mil pessoas pagantes
GERAL - Semana segue repleta de atrações
Fala, professor!
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
Histórico da data
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
O profissional que dedica a sua vida a ensinar
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
O big bang é o Operacional Divino
OPINIÃO
Permitir não é obrigar
OPINIÃO

Quero meus brinquedos

Valério Garcia - 04/10/2019

Com o capitalismo cada vez mais presente em nossas vidas o dinheiro, mais do que nunca, passa a ter prioridade sobre tudo e todos. Acordamos pensando no ter e não no ser.
As comparações são inevitáveis para traçarmos conceitos sobre o que estamos vivenciando hoje. Em tempos não muito remotos parece quem as coisas do dia a dia tinham outro sabor devido à suas conquistas. Sonhávamos em conquistar algo que hoje, parece até ridículo. 
Construíamos nossos brinquedos, calçávamos de bota de borracha e guarda-chuva em dias chuvosos para irmos à escola, escrevíamos bilhetes, cartas e nosso meio de comunicação mais eficaz era o diálogo, praticado cara a cara. Ficávamos mais tempo em nossa casa e ajudávamos de uma forma ou de outra na lide caseira. Aos finais de semana o almoço em família era Sagrado, onde a televisão era desligada. Bicicletas, rádios e roupas de grife eram para poucos; mas conversávamos mais entre nós. Claro que eram outros tempos, mas como disse, as comparações são importantes.
Hoje as crianças antes de nascer já são estimuladas com músicas e outras técnicas que, segundo especialistas, são importantes. A creche torna-se a família principal dos bebês pois passam maior parte convivendo com colegas e professores do que com os próprios pais. Vejamos: a criança acorda e já é arrumada para a creche; lancha e almoça lá; sesteia, brinca, lancha de novo, continua suas atividades e à tardinha volta com os pais. À noite convive um pouco com os pais e vai dormir, afinal teve um dia com várias atividades e amanhã é um novo dia e assim, sucessivamente. Os brinquedos das creches já são modernos e a família segue no mesmo ritmo: as crianças tem Tvs com tela plana no quarto e programas direcionados de acordo com a idade. Quando já estão crescidas o celular ou assemelhados tomam conta do cotidiano. Não construímos mais nada, tudo já vem pronto, estamos perdendo nossa identidade e estamos perdendo também, nossa funcionalidade social. Não conversamos mais, não nos entendemos mais, pois não falamos mais a mesma linguagem. A disparidade social está aumentando cada vez mais e a tecnologia está distanciando as pessoas, para não dizer substituindo. Triste isso, pois já nos dizia o mestre Mário Quintana: “Sou um menino que ficou velho, mas quero de volta meus brinquedos.” Bom fim de semana.