Edição do dia 15/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Inscrições para processo seletivo encerram na quarta
GERAL
Sicredi Vale do Rio Pardo investirá em usina fotovoltaica própria
EMPRESARIAL
Educadores e estudantes debatem sobre ensino
EDUCAÇÃO
Unisc recebe prêmio Conciliar é Legal
GERAL
Valentine's Day celebra o amor
GERAL
Seminário marca o início do ano letivo no Colégio Mauá
EDUCAÇÃO
Regional de secretários de educação tem nova coordenação
EDUCAÇÃO
Solled recebe mais uma premiação
EMPRESARIAL
Stifa e Souza Cruz realizam assembleia
GERAL
Não é Não! Santa Cruz do Sul abraça campanha contra o assédio
GERAL
Cemas distribuirá preservativos para foliões
SAÚDE
O drama financeiro do setor público
EDITORIAL
O Imposto do pecado (parte 1)
OPINIÃO
Escolas retomam atividades na segunda-feira
EDUCAÇÃO - Serão 11,1 mil crianças que voltam às aulas no próximo dia, 17
Professores e funcionários recebem capacitação
EDUCAÇÃO - Evento aconteceu no Auditório Central da Unisc e Câmara dos Vereadores
Escola Moranguinho: um lugar acolhedor
EDUCAÇÃO
Ano letivo inicia com mudanças
EDUCAÇÃO - Após aprovado o novo pacote de medidas do Governo Estadual, Cpers não descarta novas greves
Decisão de Desbessell desagrada políticos
POLÍTICA - Vereadores dizem que não foram ouvidos sobre CPP contra Crestani e Schneiders

Os jornais e o jornalismo

Olhar Parcial - Edison Rabuske - 18/10/2019

A realidade virtual vivida é inevitável e incontrolável, tanto para o bem como para o mal, e neste contexto os jornais impressos estão tentando sobreviver de forma heróica. O avanço do acesso à internet em lares brasileiros é uma realidade, e por tal razão, a ocupação do espaço antes destinado aos jornais como meios de comunicação e busca de informação perde um espaço importante.
E neste sentido, tenho para mim que o papel dos jornais será e já é em boa medida um espaço para reflexão, análise e compreensão dos fatos ocorridos e não mais um espaço de veiculação de notícias, pois estás já foram dadas muito antes dos jornais terem sido impresso, através das rádios, tv e internet. 
Frente a esta nova e já velha realidade, cabe ao jornalista, profissional que vive da informação e de seus reflexos um papel fundamental, não como ser um mero reprodutor de fatos e conclusões já noticiados pelos meios de comunicação audiovisual acima referidos, mas sim, de verdadeiro artesão da comunicação social, onde deverá lapidar através do seu texto o que os olhos não conseguiram enxergar nas mensagens filmadas pela tv e/ou internet, para atrair a atenção de leitores diferenciados, que não se satisfazem somente com a notícia, mas é desejoso da análise da mesma, de uma crítica fundamentada em conhecimentos filosóficos, históricos e sociológicos.
Isto significa que os jornalistas que pretendem fazer jornal impresso deverão ser profissionais diferenciados. O que aliás já é realidade em um grande número de jornais, onde o papel de analista dos fatos ocorridos já tem sido a tônica de muitos jornais que circulam no país e no mundo. 
Tal condição significa que os jornalistas terão a sua frente uma tarefa ainda mais árdua, que é a constante e interminável leitura do que passa nos bastidores da notícia,  e para exercer tal ministério, a preparação intelectual é permanente, com leitura, conhecimento da história, da filosofia, da sociologia, antropologia, política, e talvez informática, irá torná-lo um profissional diferenciado, e por consequência irá atrair a atenção de um leitor sedento por não ler o óbvio, mas sim resultado de processo intelectual genuíno de um profissional único, e por tal razão merecedor de sua atenção.
Assim, acredito que a sobrevivência do jornal impresso depende atualmente mais dos jornalistas qualificados do que de seus proprietários, pois a matéria prima que lapida um bom jornal é o seu autor, que são os jornalistas e sua forma de ver o mundo.