Edição do dia 15/08/2017

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Sub-15 do Cestinha é campeão Sul-Brasileiro de Clubes de 2017
ESPORTES - Projeto do Sesi e da Unisc conquistou título em Caxias do Sul
POE prende foragidos da justiça em Santa Cruz
POLÍCIA - Brigada Militar realizou duas prisões na tarde desta quarta, de pessoas que estavam procuradas
Avenida renova com treinador do Acesso
ESPORTES - Fabiano Daitx vai comandar o Periquito também na Série A
Santa Cruz do Sul recebe a 4ª etapa do Brasileiro de Endurance
ESPORTES - Prova de longa duração acontecerá neste sábado, dia 19 de agosto
Começam nesta quarta-feira as semifinais da Copa do Brasil
ESPORTES - Olhares gaúchos estão voltados para Grêmio x Cruzeiro, na Arena
Detran recicla 395 toneladas de sucata em Osório e Candelária
GERAL - Material de quase 800 veículos será reciclado
Brigada Militar apreende máquinas caça-níqueis
POLÍCIA - Bar em Venâncio Aires disponibilizava três dispositivos de jogos de azar aos seus usuários
Acesso Grasel receberá mais um trecho para acostamento
GERAL - Prefeitura de Santa Cruz realiza a obra na lateral da principal via de acesso à cidade
TCE-RS determina redução na cobrança da tarifa de ônibus intermunicipal
ECONOMIA - Agência reguladora identificou cobrança ilegal de taxa de embarque para quem não pega o ônibus na rodoviária
Centro de Triagem de presos começa a operar em Porto Alegre
POLÍCIA - Estado anunciou prazo para construção de mais duas unidades prisionais

Crescer Legal completa dois anos

Instituto já é agente de transformação na vida de quase 100 jovens aprendizes rurais gaúchos

GERAL - 21/04/2017

Jovens aprendizes e educadores participantes do projeto-pilotoJovens aprendizes e educadores participantes do projeto-piloto Crédito: Divulgação/RJ

Fundado em 23 de abril de 2015, o Instituto Crescer Legal completa seu segundo ano de atividades com muito a comemorar. Iniciativa do SindiTabaco e suas empresas associadas, a entidade tomou forma com o apoio e adesão de pessoas envolvidas com a educação e com o combate ao trabalho infantil, em especial em áreas com plantio de tabaco, na Região Sul do País. A meta: oferecer subsídios para que o jovem permaneça e se desenvolva no meio rural e, ao mesmo, tempo oportunidades para combater o trabalho infantil no campo. As principais ações do Instituto foram compiladas em um relatório institucional, disponível no site www.crescerlegal.com.br.

O trabalho infantil é um tema complexo e permanente, no meio urbano e rural. Entre os desafios relativos ao tema na zona rural, especialmente na agricultura familiar, está a falta de estrutura e de oportunidades para os jovens e, ao mesmo tempo, nota-se uma grande ansiedade por parte dos produtores diante da falta de oportunidades aos filhos que concluíam o Ensino Fundamental. 

"Ao longo dos anos, percebemos que a escassez de escolas rurais é um grande problema no campo e, junto com as drogas e ociosidade, acabam contribuindo para uma postura cultural de valorização do trabalho e incentivando crianças e adolescentes a atividades inapropriadas para sua idade. O trabalho de conscientização é necessário para que os pais passem a valorizar a educação, mas também precisamos de políticas públicas para fortalecer as escolas no meio rural, buscando alternativas para os jovens de até 18 anos. Assim como o problema, a solução é complexa, mas possível", afirma Iro Schünke, presidente do SindiTabaco e também diretor-presidente do Instituto Crescer Legal.

É nesse cenário que o piloto do Programa de Aprendizagem Profissional Rural, primeira grande ação do Instituto, começou a cumprir os seus objetivos e firma desde já uma sólida base para o futuro. A região Sul do País é o foco neste início de trabalho e abrange, por enquanto, as cidades gaúchas de Candelária, Santa Cruz do Sul, Vale do Sol, Venâncio Aires e Vera Cruz. Adolescentes com idades compreendidas entre 14 e 18 anos são o público-alvo que compõe cinco turmas. Atualmente, os quase 100 jovens aprendizes rurais envolvidos participam das atividades do curso "Empreendedorismo em Agricultura Polivalente - Gestão Rural" no contraturno escolar e recebem salário proporcional a 20 horas semanais, além de certificação e demais direitos de acordo com a Lei de Aprendizagem, com atividades teóricas e práticas em gestão realizadas nas suas comunidades.

"Essa é a primeira vez que jovens do meio rural são contratados pela Lei da Aprendizagem sem sair do campo e da escola. Acreditamos que a gestão é o caminho para que o meio rural se desenvolva, mas precisamos de mais oportunidades para proporcionar formação adequada. Em apenas dois anos de existência podemos dizer que já estamos promovendo mudanças na vida desses jovens, oportunizando alternativas e possibilitando um novo olhar sobre o meio rural. Em 2017 teremos as primeiras formaturas do curso e o sucesso comprovado do Programa faz com que projetemos 2018 como um ano de consolidação, levando o curso para pelo menos cinco novas turmas", avalia Schünke. 

Segundo ele, ao investir no futuro dos jovens rurais, qualificando-os e desenvolvendo-os de acordo com suas aptidões e com as características locais, criam-se meios para que permaneçam, cresçam e tenham oportunidades de geração de renda no meio rural, passando a ser exemplo de gestão sustentável da pequena propriedade, essencial para milhares de famílias e também para a sociedade, considerando a importância da produção alimentar. "O conhecimento adquirido, aliado à vivência no meio rural, fará destes jovens líderes e referências em suas localidades", afirma. 

Com cinco educadores sociais e uma educadora líder, o projeto-piloto também envolve os familiares dos jovens, seja por meio de visitas pedagógicas programadas ou em seminários realizados nas localidades dos jovens aprendizes. Segundo a coordenadora do Instituto, Nádia Solf, estreitar a relação entre educadores, aprendizes e familiares potencializa os resultados. "O programa foi desenvolvido para caminhar de forma articulada com a família, a escola e a comunidade do aprendiz. Por isso a importância de estar com as famílias periodicamente, apresentando o andamento do projeto e conhecendo o jovem dentro do seu ambiente", explica.